Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Amamentação

Saúde
16/06/2020 04:00h

O leite materno é fundamental para um melhor desenvolvimento da criança e é o único alimento recomendado para o bebê até os seis meses de vida

Baixar áudio

No município paraense de Bragança, o Banco de Leite Humano (BLH) Maria Eunice Begot da Silva Dantas opera com baixos estoques de leite materno. A direção do Banco de Leite Humano, que funciona dentro do Hospital Santo Antônio Maria Zaccaria, afirma que há uma dificuldade em atrair doadoras que não deram à luz na maternidade do hospital.

Em meio à Campanha Nacional de Doação de Leite Humano, ação promovida pelo Ministério da Saúde, e diante da pandemia do novo coronavírus, a unidade reforça a necessidade em aumentar o estoque do Banco de Leite Humano, que caiu 60% neste período. 

O leite materno é fundamental para um melhor desenvolvimento da criança e é o único alimento recomendado para o bebê até os seis meses de vida. É o que diz a coordenadora do Banco de Leite Humano da Fiocruz, Danielle Aparecida da Silva.

“Não há como comparar a grandiosidade do leite materno com outros produtos. Ele é o alimento mais completo, que facilita a digestão, provoca menos cólica, possui fatores probióticos e de proteção. E ajuda no desenvolvimento do trato gastrointestinal.”

De acordo com o Ministério da Saúde, o leite materno protege as crianças de infecções e alergias e reduz o risco de elas desenvolverem doenças crônicas na fase adulta, como diabetes, hipertensão e obesidade.

A mãe Ingrid Fassanaro conta que não conseguiu produzir leite materno suficiente para a filha recém-nascida que se encontra internada na unidade neonatal. Segundo ela, o que tranquilizou foi saber que poderia contar com o Banco de Leite Humano para alimentar a sua bebê.

“Só o fato de saber que minha filha será alimentada tranquiliza o meu coração de alguma forma e ajuda com que fique mais calma.”

O Banco de Leite Humano (BLH) Maria Eunice Begot da Silva Dantas funciona dentro Hospital Santo Antônio Maria Zaccaria, localizado na Avenida Nazeazeno Ferreira, Padre Luiz. Para mais informações e para agendar a coleta domiciliar, ligue para (91) 99631-3114. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”.  Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 
 

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a unidade oferece a coleta domiciliar para incentivar novas doações

Baixar áudio

Em Porto Velho (RO), o Banco de Leite Humano (BLH) Santa Ágata opera com o estoque baixo. Em meio à pandemia do novo coronavírus, a unidade oferece a coleta domiciliar para incentivar novas doações. 

Diante desse cenário, autoridades de saúde fazem um apelo às mães da cidade que estão amamentando e possam doar o seu leite, que doem. Segundo o Ministério da Saúde, houve redução de 5% no número de doadoras em relação ao mesmo período de 2019, em todo o Brasil. O ministério alerta que com os cuidados necessários, tanto da doadora quanto dos Bancos de Leite Humano, é possível manter a rotina de doação durante a pandemia.

Ainda de acordo com o ministério, toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. 

O coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (BLH), João Aprígio, explica que o leite materno é um alimento fundamental para o desenvolvimento de crianças. 

“O leite materno tem substâncias que protegem, de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumentam a resistência do organismo. Têm substâncias que promovem o crescimento facilitado do bebê e da criança.”

Um pote de leite materno pode alimentar até 10 crianças por dia. O alimento doado é destinado para bebês em Unidades Neonatais e bebês que nasceram prematuros e/ou com baixo do peso. 

Para a mãe Ingrid Fassanaro, o leite materno doado foi fundamental para o desenvolvimento da filha prematura. 

“Ser mãe em UTI é muito difícil. Havia dias que estava tão triste e chorava tanto, que tentava tirar leite materno e não saia nada. Sou muito grata, muito mesmo [pelas doações de leite materno].”

O Banco de Leite Humano (BLH) Santa Ágata está localizado na Avenida Governador Jorge Teixeira, número 3.766, no setor industrial de Porto Velho. A unidade funciona todos os dias da semana, das sete da manhã às sete da noite. Para agendar uma coleta em domicílio, ligue para (69) 3216-5715. Repetindo: (69) 3216-5715.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Entre janeiro e abril do ano passado, foram coletados 13,5 litros

Baixar áudio

Diminuiu em 40% a quantidade de leite materno doado ao Posto de Coleta de Leite Humano (PCLH) Cantinho do Leite Maria Adriana Moreira, no município de Borba. Entre janeiro e abril do ano passado, foram coletados 13,5 litros. Já neste ano, foram apenas 8,1 litros, apontam os dados da Rede Global de Bancos de Leite Humano (rBLH), da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). 

O número de doadoras também caiu: de 12, em 2019, para oito neste ano. Os dados refletem tendência nacional, apontada pelo Ministério da Saúde. De acordo com o órgão, houve redução de 5% no número de doadoras de leite materno, em todo o país. Mesmo em meio à pandemia da Covid-19, o ministério garante que é possível manter a rotina de doação com os cuidados necessários, tanto da doadora, quanto dos Bancos de Leite Humano. 

Autoridades em saúde destacam a importância do leite materno para ajudar na sobrevivência de bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais. Segundo o Ministério da Saúde, aproximadamente 330 mil bebês nascem prematuros por ano no Brasil e precisam da doação de leite materno.

A coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Ana Braga — referência no Amazonas — Maria Elizabeth Hardman, faz um apelo às mães que têm leite materno excedente. 

“É extremamente importante, porque temos bebês precisando desse leitinho. Uma gotinha de leite materno faz a diferença na vida de um bebê prematuro. A mulher que esteja com excedente de leite, em fase de amamentação, que tenha esse desejo no coração de fazer a doação para o Banco de Leite Humano mais próximo. Os bebês vão ficar eternamente agradecidos.”

A mãe Luciana da Silva Távora foi surpreendida com o nascimento prematuro da filha. Após ver a bebê ser internada em uma UTI Neonatal, ela contou com ajuda do banco de leite para complementar a alimentação da pequena.

“A minha filha ainda não se alimenta 100% do meu peito, porque não tenho uma produção suficiente. É muito recente – ela nasceu prematura. Ela recebe alimento de outra mulher. Isso é amor, é vida, é amar o próximo. Eu fico muito feliz por isso.”

O Posto de Coleta de Leite Humano (PCLH) Cantinho do Leite está localizado na Avenida Amazonas, bairro Cristo Rei. De acordo com a Secretaria de Estado de Saúde do Amazonas (Susam), há coleta do leite materno em domicílio, com o auxílio de taxistas parceiros. A coleta ocorre de segunda à sexta-feira, das sete da manhã às sete da noite. Para doar, basta ligar para o telefone (92) 3512-1104. O posto de coleta funciona de segunda a sábado, das sete da manhã às cinco da tarde. 

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Segundo a direção da unidade, desde início de abril as doações estão crescendo e, no final de maio, o Banco de Leite Humano operava com um estoque de 40 litros do alimento

Baixar áudio

A capital Fortaleza está precisando de mais doações de leite materno para ajudar a salvar a vida de bebês prematuros, internados em Unidades Neonatais. Os estoques dos Bancos de Leite Humano na cidade estão baixos. Para se ter uma ideia, durante os quatro primeiros meses deste ano, o Banco de Leite Humano do Hospital Geral de Fortaleza só conseguiu coletar 230 litros. Essa quantidade é insuficiente para ajudar todos os recém-nascidos que estão em Unidades Neonatais. E foi por presenciar o drama dessas crianças bem de perto que a empresária

Fabiane Pires decidiu se tornar uma doadora de leite materno.

“Quando tive a minha primeira filha, ela precisou ficar internada e não precisou de doação, mas eu vi várias crianças que precisaram. Bebês extremamente prematuros, com baixo peso. Me comoveu muito ver que aquelas crianças precisavam de uma simples doação para poder ter uma chance de sobreviver. Isso toca a gente. Nos sensibiliza a querer ajudar essas crianças.” 

Toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. É o que explica a coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani.

“Toda mulher saudável que está amamentando pode doar leite materno. Para isso, ela também não pode estar utilizando nenhum medicamento que seja incompatível com a amamentação, álcool, cigarros ou outras substâncias ilícitas. O ideal é que procure um Banco de Leite Humano mais próximo para mais informações. A lista com os contatos dos Bancos de Leite Humano do país está disponível na página: saude.gov.br/doacaodeleite.”

O Banco de Leite Humano do Hospital Geral de Fortaleza fica localizado na rua Ávila Goulart. Por conta da pandemia do coronavírus, o funcionamento está sendo realizado das sete da manhã até às cinco da tarde, mas antes é preciso fazer contato pelo telefone 3101-3335. Essa coleta está sendo realizada apenas em domicílio, ou seja, é combinado com a mãe um horário para que um funcionário do hospital possa recolher essa doação.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Para entender a importância do trabalho das equipes dos Bancos de Leite Humano, conversamos com o coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBLH), João Aprígio.

Baixar áudio

No Brasil, aproximadamente 330 mil crianças nascem prematuras todos os anos e precisam receber doação de leite materno para se recuperarem mais rápido e crescer com mais saúde.  Esse número representa 11% do total de crianças nascidas no país, de uma média de três milhões por ano. Isso acontece porque essas crianças geralmente ficam internadas em Unidades Neonatais e não podem ser amamentadas diretamente do seio da mãe. E é nesse momento que se faz necessário a ajuda dos Bancos de Leite Humano, espalhados por todo o país. 

E para explicarmos um pouco mais a respeito dessa doação e da importância do trabalho das equipes dos Bancos de Leite Humano, nós vamos conversar com o coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (RBLH), João Aprígio. 

Para começar, gostaria que o senhor falasse o porquê de a amamentação ser tão importante para as crianças. 

“A amamentação é mais do que um ato de nutrição, de afetividade e de proteção. É como, de verdade, a gente começa a construir a um sujeito, a construir um ser humano e prepará-lo para toda a vida. E o leite materno é fundamental para esse processo para além dos nutrientes, das gorduras, das vitaminas, das proteínas. Ou seja, de tudo aquilo que é tão importante para nós humanos crescermos e nos desenvolvermos; tem substâncias ímpares, que protegem, de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumenta a resistência do organismo. Têm substâncias que promovem o crescimento facilitado do bebê e da criança.”

O Ministério da Saúde recomenda a amamentação até os dois anos de idade ou mais e que nos primeiros seis meses o bebê receba exclusivamente o leite materno, ou seja, sem necessidade de sucos, chás, água e outros leites e alimentos. Mas porque o leite materno é tão importante e necessário para bebês prematuros?

“Se a amamentação e o leite humano são elementos tão importantes para uma criança bem nascida – uma criança que nasceu com suas 40 semanas de idade gestacional –, imagine para um bebê pequeno, prematuro, que muitas vezes nasce com um peso abaixo de mil gramas. Encontramos, não raro infelizmente, bebês que nascem com peso na casa de 800 gramas, 600 gramas. Se você coloca na palma da sua mão, a cabecinha fica na ponta do dedo e o pezinho fica encostando no punho. É desses bebês que estamos falando; é para esses bebês que nós trabalhamos prioritariamente, mas também para aqueles bebês que nascem com baixo peso, que são prematuros e que dependem do leite humano não como um alimento, mas que dependem do leite humano como um fator de sobrevivência.”

Já que o leite materno é tão importante assim, não seria melhor que essas crianças recebessem da própria mãe?

“É óbvio que o melhor leite é o da própria mãe. Mas, na realidade, nenhuma mãe imagina ter o filho nessas condições. Existem inúmeras situações que impedem a amamentação direta ao seio. Um bebê desse, fica dentro de uma incubadora. Ele é alimentado por vias que não são as habituais da amamentação ao seio direto. E, na realidade, essa mãe vive uma situação de estresse emocional enorme que impacta. Então, as equipes dos Bancos de Leite Humano, dos serviços de saúde, dos hospitais ajudam a essa mãe a prosseguir no processo de resgatar a produção de leite materno.”

A Rede Global de Bancos de Leite Humano é uma iniciativa do Ministério da Saúde e o Brasil é referência mundial na estratégia de coleta e distribuição de leite materno, exportando sua tecnologia para outros países. Mas para isso tudo acontecer são fundamentais as doações de leite materno, certo?

“Precisamos contar com outras mães que doem o leite excedente, aquele leite que sobra no peito depois que o filho mama, porque esse leite vai ser direcionado para esses bebês. Então, esse é, digamos assim, uma síntese muito simples do que é o trabalho dos Bancos de Leite Humano, do que é o processo de doação de leite humano, porque doar e qual a importância desse gesto fundamental para um grande número de bebês que nascem no nosso país.”

Gostaria de agradecer a participação do João Aprígio, que é coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano. E vale destacar aqui, que toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. 

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 03:30h

Isso porque, no total dos primeiros quatro meses deste ano, a coleta não chegou a 100 litros

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano do município de Sobral está precisando urgentemente de doações de leite materno. Isso porque, no total dos primeiros quatro meses deste ano, a coleta não chegou a 100 litros. Desta forma, é importante que toda mãe que está amamentando e pode doar, se sensibilize com a causa e doe seu leite ao Bancos de Leite Humano para ajudar as crianças que nasceram prematuras ou com baixo peso e estão internadas nas Unidades Neonatais e não podem ser amamentadas por suas mães. E foi por presenciar essa necessidade de perto que a empresária, Fabiane Pires, se tornou doadora.

“Quando eu tive a minha primeira filha, ela precisou ficar internada e não necessitou de doação, mas eu vi várias crianças que precisaram. Bebês extremamente prematuros, com baixo peso, e me comoveu muito ver que aquelas crianças precisavam de uma simples doação para poder ter uma chance de sobreviver. Isso toca a gente enquanto mãe, ver que enquanto os nossos pequenos tem leite materno de sobra, outros não. Isso nos sensibiliza a querer ajudar.” 

Qualquer quantidade de leite materno doado pode ajudar. Para se ter uma ideia, um mililitro de leite materno já é suficiente para nutrir um recém-nascido a cada refeição, dependendo do peso. O pote não precisa estar cheio para ser levado ao Banco de Leite Humano e ajudar a salvar a vida de um bebê nessas condições. É o que explica a coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani.

“Algumas mães acreditam que o leite que produzem não é suficiente para doação. Qualquer quantidade de leite materno é suficiente para doar. Alguns recém nascidos, dependendo das condições de saúde e de nascimento, podem precisar de quantidades tão pequenas como 1 mililitro de leite materno. Outra dificuldade recorrente é a crença que a doação pode gerar falta de leite materno para seu bebê. Isso não é verdade, a produção do alimento depende do esvaziamento da mama, quanto mais a mãe extrair o leite materno ou o bebê sugar, mais ela produzirá.”



A Santa Casa de Misericórdia de Sobral (SCMS) possui um Posto de Coleta de Leite Humano vinculado ao Banco de Leite Humano do Hospital Regional Norte (HRN). Esse posto fica localizado na rua Antônio Crisóstomo de Melo. Por causa da pandemia do coronavírus, o funcionamento está sendo realizado das 7h às 17h, mas antes é preciso fazer contato pelo telefone 3112-0400, para verificar a melhor forma de fazer a coleta do leite materno. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença". Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

Na região Sul do estado do Espírito Santo (ES), o Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), é referência para coleta e doação de leite materno

Baixar áudio

Na região Sul do estado do Espírito Santo (ES), o Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), é referência para coleta e doação de leite materno. A unidade além de atender o município de Cachoeiro de Itapemirim, ajuda na distribuição de leite humano a outras 16 cidades da região. 

O Banco de Leite Humano do HECI já coletou nos primeiros quatro meses deste ano, 264 litros de leite materno. A coleta já beneficiou 135 bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal na região que por algum motivo não puderam se alimentar do leite materno da própria mãe. A unidade tem conseguido manter as doações, no entanto, precisa de reforço no número de doadoras para atender de forma satisfatória toda a demanda regional.

A enfermeira e coordenadora do Banco de Leite Humano do HECI, Reneida Cabral, reforça a importância de receber neste momento mais doações de leite materno. Ela faz um chamamento para as necessidades do banco.

“Os Bancos de Leite Humano estão precisando da ajuda das mães que tem leite materno em demasia. Os recém-nascidos precisam desse alimento para ganhar peso. O papel do Banco de Leite Humano é fazer o processamento desse leite materno, para assim, levar a essas crianças que tanto precisam e que ficam internadas em unidades de terapia intensiva”.

O Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), funciona de segunda-feira a domingo, das 7h às 19h. A unidade faz atendimento domiciliar e não precisa marcar horário no caso do atendimento no ponto de coleta. A unidade fica localizada Rua Anacleto Ramos, número 55, bairro dos Ferroviários. A mãe que preferir entrar em contato por telefone, basta ligar para o número: (28) -3521-7045.

A mãe e engenheira, Luiza Freitas Vidigal é doadora e tem dois filhos, o Henrique e o Marcelo. Ela fala um pouco da importância do gesto.

“Sempre vão ter crianças precisando. E quando a gente vê o nosso filho saudável, no nosso braço, temos que pensar que outras crianças nasceram prematuras e que tem mães que não conseguem amamentar esses pequenos. A doação de leite materno não custa nada, é o seu leite que está sobrando”.

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

Segundo a coordenadora da unidade, Marília Neves Santos, a redução é consequência da pandemia do novo coronavírus que, entre outros efeitos, causou medo nas mães que estão receosas em doar presencialmente

Baixar áudio

Caiu em 26% o número de doadoras que contribuem com leite materno para o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital das Clínicas de Uberlândia. Este ano, a média mensal de mães que contribuem é de 79. No ano passado, eram cerca de 108 mulheres. 

Segundo a coordenadora da unidade, Marília Neves Santos, a redução é consequência da pandemia do novo coronavírus que, entre outros efeitos, causou medo nas mães que estão receosas em doar presencialmente. No entanto, o Banco de Leite Humano coleta o leite materno na residência das doadoras. Para doar, basta ligar no Disque Amamentação: (34) 3218-2666, e agendar o dia da coleta pela equipe de saúde da unidade. 

Dados do Ministério da Saúde apontam que houve queda de 5% no número de doadoras de leite materno no país, este ano. De acordo com o órgão, cerca de 330 mil bebês prematuros nascem por ano e grande parte deles precisam da doação do leite materno para ajudá-los a sobreviver. No entanto, a coleta anual só é suficiente para suprir a necessidade de 45% das crianças que necessitam. 

O leite materno é importante para todos os bebês, principalmente para os que nascem prematuros e/ou de baixo peso e estão internados em Unidade Neonatal e não podem ser amamentados pela própria mãe. A depender da criança, 1ml de leite materno já é o suficiente para nutri-lo a cada alimentação. Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, descreve a importância da substância para a saúde dos pequenos. 

“O leite materno traz inúmeros benefícios para a saúde da criança. Protege de infecções, diarreia e alergias. Diminui a chance da criança desenvolver diabetes tipo 2, colesterol alto, pressão alta e obesidade na vida adulta. Além de ser a única ação que isoladamente é capaz de reduzir a mortalidade infantil em até 13% por causas evitáveis.”

Vem de Belo Horizonte, a cerca de 500 quilômetros, o exemplo de Luiza Freire Vidigal, 33 anos. Após o nascimento do primeiro filho, Henrique, a engenheira procurou um Banco de Leite Humano na capital mineira para tirar dúvidas sobre amamentação. Lá, ela diz que foi muito bem atendida e que descobriu que poderia doar o excedente do seu leite para ajudar outros bebês. Agora, amamentando o segundo filho, Marcelo, Luiza continua doando e faz um apelo para que outras mulheres se juntem a ela nesse gesto de solidariedade. 

“Doação de leite materno não custa nada. É o seu leite que está sobrando. O pessoal do Banco de Leite Humano busca em casa. É super gratificante. Quem puder, vale muito a pena, pelo outro, por você.”

O BLH do Hospital de Clínicas de Uberlândia está localizado na Avenida Maranhão, nº 1.800, Umuarama. A equipe da unidade faz a coleta em domicílio, de segunda à sexta-feira, das 8h às 12h. O atendimento presencial também está funcionando, mas só por agendamento. A medida ocorre para evitar aglomerações e risco à saúde das mulheres que querem tirar dúvidas sobre amamentação ou desejam doar no  Banco de Leite Humano da cidade. Para ser uma doadora, basta ligar para o número (34) 3218-2666. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

O Banco de Leite Humano (BLH) Irmã Maria José Machado, que funciona na Santa Casa de Campo Grande, capital sul mato-grossense, está conseguindo atender a demanda dos bebês internados e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal

Baixar áudio

Mesmo diante de uma pandemia que impõe uma série de restrições no dia a dia da população, o Banco de Leite Humano (BLH) Irmã Maria José Machado, que funciona na Santa Casa de Campo Grande, capital sul mato-grossense, está conseguindo atender a demanda dos bebês internados e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal. No final de maio, o estoque da unidade, segundo a direção do Banco de Leite Humano, era de 115 litros de leite materno. De acordo com o Ministério da Saúde, um pote de leite materno pode alimentar, diariamente, até 10 recém-nascidos. 

O leite materno reduz em até 13% a mortalidade de crianças  menores de 5 anos  e as protegem de diarreia, infecções e alergias. Além disso, o leite materno doado é destinado a bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais e é fundamental para a recuperação e melhor desenvolvimento dos pequenos. João Aprígio de Almeida, presidente da Rede Brasileira de Banco de Leite Humano, destaca a importância do leite materno para o sistema imunológico do bebê. 

“O leite humano tem substâncias que protegem, o leite humano tem substâncias de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumentam a resistência do organismo da criança e promove o crescimento facilitado dos pequenos.”

O Ministério da Saúde afirma que toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. Bianca Ferro, mãe e doadora diz que contribuir para a alimentação de outros bebês é gratificante. 

“Eu sei que esse leite materno é destinado as crianças que estão na UTI Neonatal. Eu acredito que elas têm ali o sustento. E, na UTI esses bebês estão mais sensíveis, eles realmente precisam. Acredito que a doação de leite materno seja essencial.”

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo o alimento exclusivo nos 6 primeiros meses de vida de uma criança. O Banco de Leite Humano Irmã Maria José Machado, da Santa Casa Campo Grande, está localizado na Rua Eduardo Santos Pereira, número 88, no centro da cidade. A unidade funciona de segunda a domingo, 24 horas por dia. A unidade conta com o apoio do Corpo de Bombeiro para realizar a coleta domiciliar. Para mais informações, ligue para (67) 3322-4174.

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

A quantidade recebida até agora é insuficiente para atender a todos os recém-nascidos prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais

Baixar áudio

A Rede estadual de Banco de Leite Humano do Piauí está precisando de doação de leite materno, pois a quantidade recebida até agora é insuficiente para atender a todos os recém-nascidos prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais. Em Teresina, a pandemia de COVID-19 influenciou na diminuição de doações no Banco de Leite Humano da Maternidade Dona Evangelina Rosa e no Posto de Coleta de Leite Humano do Hospital Buenos Aires. Neste posto, de janeiro a abril, foram coletados apenas 24 litros de leite materno. 

Tal número mostra a necessidade da doação de leite materno, que ajuda a salvar a vida de bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal. O socorro acontece quando as mães desses bebês não podem amamentar seu próprio filho. O leite materno é o único alimento recomendado para bebês de até seis meses de vida, sendo a opção mais segura e mais saudável como explica a coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani.

“O leite materno traz inúmeros benefícios para a saúde da criança. Protege de infecções, diarreia e alergias. Diminui a chance da criança desenvolver diabetes tipo 2, colesterol alto, pressão alta e obesidade na vida adulta. Além de ser a única ação que isoladamente é capaz de reduzir a mortalidade infantil em até 13% por causas evitáveis.”

Segundo a coordenadora do Banco de Leite Humano da Maternidade Dona Evangelina Rosa do Piauí, Vanessa Paz, a doação é fácil de ser realizada, mas precisa de alguns cuidados durante esse momento de pandemia do coronavírus. 

“Se estiver negativa para COVID-19 e sem sintomas gripais, pode sim doar seu leite materno excedente ligando para o 0800-2802522 e dispondo dos seus exames do pré-natal do último trimestre. Então, dessa forma ela consegue doar leite materno retirando diariamente, no lugar mais tranquilo de sua casa, esse leite materno excedente. E após contato prévio com o Banco de Leite Humano, fazer a diferença na vida das crianças prematuras, tanto na maternidade Dona Evangelina Rosa quanto nas maternidades municipais.”

Além do Banco de Leite Humano referência do estado, o município de Teresina conta com um Posto de Coleta de Leite Humano no Hospital Buenos Aires, que fica na Rua Castelo do Piauí. A unidade funciona das oito às onze da manhã e das duas às cinco da tarde, de segunda até sexta-feira. E existe o serviço de coleta domiciliar, quando uma pessoa vai buscar o leite materno da residência da mãe doadora. Antes de realizar a doação, é preciso entrar em contato pelo telefone 0800-2802522.  

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio