Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Instituto Butantan

Pesquisadores brasileiros entram no páreo para a produção de vacina contra a Covid-19

Testes de vacina produzida entre o Instituto Butantan e empresa chinesa estão no estágio final

Salvar imagemTexto para rádio

Pesquisadores de todo o planeta correm contra o tempo para desenvolver uma vacina contra a Covid-19 o mais rápido possível. Na última semana, o Brasil entrou no páreo, com o anúncio do governo de São Paulo da parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac para a produção e testes de um imunizador contra o novo coronavírus.

Batizada de CoronaVac, a vacina foi administrada com sucesso em cerca de mil pessoas na China nas duas primeiras fases clínicas de testes. Antes disso, o imunizador já havia apresentado êxito em testes laboratoriais e em macacos. O acordo assinado entre o Instituto Butantan e a empresa chinesa prevê a testagem de 9 mil brasileiros no último estágio para que a vacina seja liberada.

Segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, caso os testes sejam bem sucedidos e a Anvisa aprove a distribuição da vacina, o país terá capacidade de produzir o produto em grande escala. “Em um primeiro momento, a vacina poderá vir da China, que já tem a [capacidade de] produção em grande escala e, num segundo momento será produzida no Butantan”, disse Covas em coletiva de imprensa. 

A vacina contra o coronavírus estudada no Instituito Butantan é produzida com fragmentos desativados da doença. A aplicação do imunizador em humanos faz com que o sistema imunológico passe a produzir anticorpos contra o agente causador da Covid-19.

O Instituto Bio-Manguinhos, unidade produtora de imunobiológicos da Fiocruz, também está no páreo e afirmou que está conduzindo um projeto de vacina sintética contra o coronavírus, ou seja, feita com proteínas do vírus produzidas em laboratório. Segundo a entidade, entre as razões pela escolha da produção de uma vacina sintética, está o baixo custo desse tipo de imunizador. 

Cientistas e pesquisadores ainda não sabem a quantidade de tempo em que pessoas curadas do novo coronavírus ficam imunes à doença. Para o médico Hermeson Luz, especialista em doenças infecciosas, o desconhecimento como a Covid-19 age no corpo humano é uma das principais para a criação de uma vacina. 

“Tem menos de um ano que a doença está no nosso meio, quanto tempo dura a imunidade, não sabemos. Se a imunidade vai ser duradoura, se ela vai durar um ou dois anos, a vida toda, 90 dias. Por isso a procura de uma vacina é uma esperança para conter a disseminação da doença.”

Perspectiva

Segundo o Instituto Butantan, caso todos os testes da vacina sejam sucedidos, estará disponível no primeiro semestre de 2021. Por outro lado, a Bio-Manguinhos afirma que a vacina em produção pela entidade não estará pronto antes de 2022. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que atualmente cerca de 130 pesquisas de vacinas contra a Covid-19 estão em andamento em todo o planeta e ao menos 10 vacinas estão na fase de estudo clínico, quando humanos são testados.
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Pesquisadores de todo o planeta correm contra o tempo para desenvolver uma vacina contra a Covid-19 o mais rápido possível. Na última semana, o Brasil entrou no páreo, com o anúncio do governo de São Paulo da parceria entre o Instituto Butantan e a farmacêutica chinesa Sinovac para a produção e testes de um imunizador contra o novo coronavírus.
  
Batizada de CoronaVac, a vacina foi administrada com sucesso em cerca de mil pessoas na China nas duas primeiras fases clínicas de testes. Antes disso, a vacina já havia apresentado êxito em testes laboratoriais e em macacos. O acordo assinado entre o Instituto Butantan e a empresa chinesa prevê a testagem de 9 mil brasileiros no último estágio para que a vacina seja liberada.

Segundo Dimas Covas, presidente do Instituto Butantan, caso os testes sejam bem sucedidos e a Anvisa aprove a distribuição da vacina, o país terá capacidade de produzir o produto em grande escala.
 

“Num primeiro momento, a vacina poderá vir da China, que já tem a [capacidade de] produção em grande escala e, num segundo momento será produzida no Butantan em grande escala.”

LOC.: O Instituto Bio-Manguinhos, unidade produtora de imunobiológicos da Fiocruz, também está no páreo e afirmou que está conduzindo um projeto de vacina sintética contra o coronavírus, ou seja feita com proteínas do vírus produzidas em laboratório. Segundo a entidade, entre as razões pela escolha da produção de uma vacina sintética, está o baixo custo desse tipo de imunizador. 

Cientistas e pesquisadores ainda não sabem a quantidade de tempo em que pessoas curadas do novo coronavírus ficam imunes à doença. Para o médico Hermeson Luz, especialista em doenças infecciosas, o desconhecimento de como a Covid-19 age no corpo humano é uma das principais para a criação de uma vacina.
 

“Tem menos de um ano que a doença está no nosso meio, quanto tempo dura a imunidade. Se a imunidade vai ser duradoura, se ela vai durar um ou dois anos, a vida toda, 90 dias. Por isso a procura de uma vacina é uma esperança para conter a disseminação da doença.”

LOC.: Segundo o Instituto Butantan, se todos os testes da vacina forem bem sucedidos, ela estará disponível no primeiro semestre de 2021. Por outro lado, a Bio-Manguinhos afirma que a vacina em produção pela entidade não estará pronta antes de 2022. A Organização Mundial de Saúde (OMS) afirma que atualmente cerca de 130 pesquisas de vacinas contra a Covid-19 estão em andamento em todo o planeta e ao menos 10 vacinas estão na fase de estudo clínico, quando humanos são testados.

Reportagem, Paulo Oliveira