Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Ministério da Saúde

ACRE: Isolamento de pacientes diagnosticados com hanseníase é mito?

Diagnóstico precoce e tratamento impedem sequelas graves

Salvar imagemTexto para rádio

Há 51 anos, o aposentado José Gomes, morador de Rio Branco, foi diagnosticado com hanseníase. Com 16 anos à época e poucos recursos, foi levado pela família para uma antiga colônia de isolamento. Antigamente, esse tipo de internação era visto como a única medida capaz de conter o avanço da doença, uma vez que não se sabia como ocorria a transmissão. Por conta da desinformação, os pacientes, em alguns casos, eram levados à força para esses locais, o que reforçava ainda mais o preconceito social sobre a doença.

“Fiz o tratamento, e hoje tem 40 anos que recebi a alta. Fiquei com sequelas, um pouco nas mãos e um pouco nos pés, mas ando para todos os lados e não tenho perna amputada. Naquela época o preconceito era demais, hoje a gente ainda encontra um pouco desse preconceito em muitas pessoas. Porque as pessoas confundem as coisas, as pessoas ainda hoje pensam que por eu estar com a mão deficiente ou com o pé deficiente, ou com a perna amputada, eu ainda estou transmitindo a doença.”

A boa notícia é que hoje o tratamento e a medicação evoluíram, além da comprovação científica de que não é necessário isolamento do paciente diagnosticado com hanseníase. Vale lembrar também que a partir do momento em que se inicia o tratamento, a transmissão da doença é interrompida. É o que explica a hansenóloga do Programa de Controle da Hanseníase do Acre, Leia Borges.

“Se o diagnóstico é tardio, hoje a nossa preocupação é o diagnóstico precoce. Sempre foi, porque quanto mais precoce, menos complicações e incapacidades pode apresentar o paciente. Entretanto, importante ressaltar que após o tratamento, mesmo que haja presença de sequelas associadas ao diagnóstico tardio, restam as incapacidades e deformidades, porque a doença é curada.. Todas as formas de hanseníase têm cura.”

Por isso, o importante é ficar atento aos sinais do seu corpo. Ao surgimento de qualquer mancha em que você perceba a perda ou diminuição da sensibilidade ao toque, calor ou frio, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. A hanseníase tem cura e o tratamento está disponível gratuitamente no SUS. Por isso, não esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/hanseniase. 

Créditos: Sabriene Cruz - Agência do Rádio Mais

 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Há 51 anos, o aposentado José Gomes, morador de Rio Branco, foi diagnosticado com hanseníase. Com 16 anos à época e poucos recursos, foi levado pela família para uma antiga colônia de isolamento. Antigamente, esse tipo de internação era visto como a única medida capaz de conter o avanço da doença, uma vez que não se sabia como ocorria a transmissão. Por conta da desinformação, os pacientes, em alguns casos, eram levados à força para esses locais, o que reforçava ainda mais o preconceito social sobre a doença.

“Fiz o tratamento, e hoje tem 40 anos que recebi a alta. Fiquei com sequelas, um pouco nas mãos e um pouco nos pés, mas ando para todos os lados e não tenho perna amputada. Naquela época o preconceito era demais, hoje a gente ainda encontra um pouco desse preconceito em muitas pessoas. Porque as pessoas confundem as coisas, as pessoas ainda hoje pensam que por eu estar com a mão deficiente ou com o pé deficiente, ou com a perna amputada, eu ainda estou transmitindo a doença.”

A boa notícia é que hoje o tratamento e a medicação evoluíram, além da comprovação científica de que não é necessário isolamento do paciente diagnosticado com hanseníase. Vale lembrar também que a partir do momento em que se inicia o tratamento, a transmissão da doença é interrompida. É o que explica a hansenóloga do Programa de Controle da Hanseníase do Acre, Leia Borges.

“Se o diagnóstico é tardio, hoje a nossa preocupação é o diagnóstico precoce. Sempre foi, porque quanto mais precoce, menos complicações e incapacidades pode apresentar o paciente. Entretanto, importante ressaltar que após o tratamento, mesmo que haja presença de sequelas associadas ao diagnóstico tardio, restam as incapacidades e deformidades, porque a doença é curada.. Todas as formas de hanseníase têm cura. .”

Por isso, o importante é ficar atento aos sinais do seu corpo. Ao surgimento de qualquer mancha em que você perceba a perda ou diminuição da sensibilidade ao toque, calor ou frio, procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. A hanseníase tem cura e o tratamento está disponível gratuitamente no SUS. Por isso, não esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/hanseniase