Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Saúde
16/06/2020 04:00h

Os dados da Rede Global de Bancos de Leite Humano (rBLH) também apontam diminuição de 27% no número de doadoras da unidade

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano (BLH) de Uberaba registra queda de 33% no volume de leite materno coletado entre janeiro e abril deste ano na comparação com o mesmo período de 2019. Os dados da Rede Global de Bancos de Leite Humano (rBLH) também apontam diminuição de 27% no número de doadoras da unidade.  

A situação dos estoques dos Bancos de Leite Humano e dos Postos de Coleta de Leite Humano no país piorou com a pandemia do novo coronavírus. A nível nacional, houve redução de 5% na quantidade de mulheres que contribuem com a doação de leite materno, de acordo com o Ministério da Saúde. 

O órgão ressalta que é possível reverter a tendência de queda nas doações mesmo em meio à crise da Covid-19. Para isso, o ministério diz que basta que mães e Bancos de Leite Humano tomem cuidados básicos de higiene. O leite materno tem tudo o que o bebê precisa até os seis primeiros meses de vida. Infelizmente, muitas mães não podem amamentar os filhos, sobretudo aqueles que nascem prematuros e/ou de baixo peso e ficam internados em Unidade Neonatal. 

Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, afirma que uma simples doação de leite materno tem potencial para fazer a diferença. 

“Algumas mães acreditam que o leite materno que produzem não é suficiente para doação. Qualquer quantidade de leite materno é suficiente para doar. Alguns recém nascidos, dependendo das condições de saúde e de nascimento, podem precisar de quantidades tão pequenas como 1ml de leite materno.”

Da capital do estado, Belo Horizonte, vem o exemplo de Luiza Freire Vidigal, 33 anos. A engenheira doa leite materno desde o nascimento do primeiro filho, o Henrique. Ela conta que faz o gesto em retribuição ao tratamento que recebeu da equipe do Banco de Leite Humano e pela consciência em ajudar outras mães e bebês. A doadora faz um apelo para que outras mamães se juntem a ela. 

“Doação de leite materno não custa nada. É o seu leite que está sobrando. O pessoal do Banco de Leite Humano busca em casa, não precisa nem ir lá. É gratificante! A mãe que puder ser uma doadora, vale muito a pena, pelo outro, por você, é só bem pra todo mundo.”

O Banco de Leite Humano de Uberaba está localizado na Avenida Leopoldino de Oliveira, nº1.160, Parque do Mirante. O Banco de Leite Humano funciona para coleta presencial ou caso alguma mãe queira tirar dúvidas sobre amamentação, de segunda à sexta-feira, das 13h às 17h. Há coleta domiciliar, ao menos uma vez por semana. Para se cadastrar, basta ligar no telefone (34) 3332-0559. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Com o leite materno, a criança se desenvolve com mais saúde, tem mais chances de recuperação e fica protegida de infecções, diarreias e alergias

Baixar áudio

Mesmo com os estoques abastecidos, o Banco de Leite Humano Enfermeira Anália Heck, alerta para a importância das mamães que estão amamentando a doarem o seu leite. Até abril deste ano, a unidade coletou 487 litros do alimento no município de Ribeirão Preto (SP). Com as doações a unidade conseguiu ajudar na nutrição e recuperação de 412 bebês prematuros ou de baixo peso que estavam internados nas Unidades Neonatais. Ajudar a salvar essas vidas só foi possível depois da doação de 216 mães. 

Com o leite materno, a criança se desenvolve com mais saúde, tem mais chances de recuperação e fica protegida de infecções, diarreias e alergias.

Qualquer quantidade de leite materno pode ajudar essa criança. De acordo com os dados do Ministério da Saúde, 1ml já é suficiente para nutrir um recém-nascido a cada refeição, dependendo do peso e condições clínicas. Toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. 

A diretora técnica de saúde do Banco de Leite Humano Enfermeira Anália Heck do Hospital das Clinicas de Ribeirão Preto, Larissa Garcia Alves, faz um chamamento a todas as mamães.

“Pedimos para as mães que estão amamentando, que tem leite materno em excesso para entrarem em contato com os Bancos de Leite Humano para receberem a orientação da equipe. Os profissionais de saúde fazem o serviço domiciliar de buscar o alimento na casa da mãe. Nós oferecemos todo o material esterilizado para a coleta. A equipe orienta sobre os cuidados e o armazenamento do leite materno e o transporte. Nós temos muitos bebês que precisam dessa doação”.

O leite materno doado é analisado, pasteurizado e submetido a um rigoroso controle de qualidade antes de ser ofertado aos bebês prematuros e/ou de baixo peso internados nas Unidades Neonatais.

Na cidade de Ribeirão Preto (SP) a mãe que deseja doar leite materno pode procurar o Banco de Leite Humano Enfermeira Anália Heck. A unidade fica na Avenida Santa Luzia, número 387, no bairro Jardim Sumaré. Lá os profissionais atendem de segunda a sexta-feira, das sete horas às seis horas da noite. O número para o contato é: (16) 3610-8686 ou 3610-2649.

A mãe e engenheira, Luiza Freitas Vidigal, é doadora e tem dois filhos, o Henrique e o Marcelo. Ela fala um pouco da importância do gesto.

“Sempre vão ter crianças precisando. E quando a gente vê o nosso filho saudável, na maioria das vezes no nosso braço, pensamos que outras crianças nasceram prematuras e que tem mães que não estão conseguindo amamentar e que podemos ajudar.”

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Neste ano a coleta só deu para suprir a necessidade de 391 crianças

Baixar áudio

A exemplo do que ocorre em muitos municípios brasileiros, o número de doadoras de leite materno diminuiu no Banco de Leite Humano (BLH) Dr. Virgílio Brasileiro, em Campina Grande. Os dados da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (rBLH) apontam que a unidade perdeu 27% das doadoras entre janeiro e abril deste ano na comparação com o mesmo período do ano passado. 

Por causa da queda nas doações, menos bebês prematuros e/ou de baixo peso que precisam do leite materno para se recuperarem mais rápido, receberam o alimento. Se nos quatro primeiros meses de 2019, a coleta foi suficiente para atender a 465 bebês, neste ano só deu para suprir a necessidade de 391 crianças. De acordo com as autoridades em saúde, o temor causado pela pandemia do novo coronavírus explica a triste situação. 

No entanto, o Ministério da Saúde garante que com os devidos cuidados de segurança, tanto das mães, quantos dos Bancos de Leite Humano, é possível reverter o quadro. O órgão afirma que, por ano, cerca de 330 mil crianças prematuras — muitas das quais não podem ser amamentadas pelas próprias mães — precisam da doação.  

Segundo Danielle Aparecida da Silva, coordenadora do Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente (IFF/Fiocruz), qualquer mulher que esteja amamentando é uma possível doadora de leite materno. 

“Toda mulher que esteja amamentando e produzindo para além do que o seu filho consome, deve ser uma doadora de leite materno. Quando você enche um frasco, você coloca ali, nutrição, saúde e esperança. Doe leite materno, é seguro para você e para o bebê que recebe. Ajude um Banco de Leite Humano a salvar vidas.”

Moradora de Caruaru, em Pernambuco, Roseane Cristina doa leite materno há dois meses. Após ser afastada do trabalho por conta da pandemia do coronavírus, ela conta que conseguiu mais tempo para se dedicar à causa, principalmente por saber da necessidade de abastecimento dos estoques do Banco de Leite Humano. 

“Eu sei da importância que o leite materno tem na vida de um recém-nascido e, também, sei que os hospitais estão precisando. Como eu fui abençoada, tenho bastante, tanto para saciar a necessidade da minha filha e também estou ajudando na necessidade de outras crianças, principalmente nesse momento da Covid-19.”

O Banco de Leite Humano Dr. Virgílio Brasileiro pertence ao Instituto de Saúde Elpídio de Almeida (Isea). A unidade está localizada na Rua Vila Nova da Rainha, nº147, Centro. O Banco de Leite Humano funciona de segunda à sexta-feira, das 7h às 13h. A lactante pode doar presencialmente ou fazer o cadastro por telefone, o que garante a coleta domiciliar. Nesse caso, a equipe do banco vai até a doadora e recebe o pote de leite materno. O telefone para doar é o (83) 3310-6185. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Atualmente a unidade está com 16 litros de leite materno, mas essa quantidade é insuficiente para toda demanda que recebe

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano de São Sebastião está precisando de mais doações de leite materno para continuar ajudando a salvar a vida dos bebês prematuros e/ou baixo peso internados nas Unidades Neonatais. Para se ter uma ideia, atualmente a unidade está com 16 litros de leite materno, mas essa quantidade é insuficiente para toda demanda que recebe. O ideal é que esse Banco de Leite Humano tenha, pelo menos, cinco litros por semana. 

O leite materno é importante para ajudar na recuperação dos recém-nascidos prematuros e/ ou de baixo peso internados nas Unidades Neonatais. A empresária Fabiane Pires presenciou o drama dessas crianças e, por isso, decidiu se tornar uma doadora. Depois que ela teve a primeira filha, precisou ficar internada mas sem necessitar da doação de leite materno, Fabiane viu bebês com baixo peso e ficou comovida.

“É uma experiência única saber que um gesto tão simples e tão fácil pode salvar tantas vidas. Isso toca a gente enquanto mãe ver que enquanto os nossos estão alimentados com o leite materno, outros não. O fato de ser uma doadora é maravilhoso pois, de alguma forma, pude contribuir para salvar a vida de algumas crianças.”

Bebês prematuros ou de baixo peso (menos de 2,5 kg) precisam do leite materno para se recuperarem mais rápido e crescerem mais fortes e saudáveis. É o que explica o pesquisador e presidente da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, João Aprígio. 

“Se a amamentação e o leite humano são elementos tão importantes para uma criança bem nascida. Uma criança que nasceu com suas 40 semanas de idade gestacional, imagine para um bebê pequeno, prematuro, que muitas vezes nasce com um peso abaixo de mil gramas. Nós encontramos, não raro infelizmente, bebês que nascem com peso na casa de oitocentas gramas, seiscentos gramas. Se nós pensarmos em fazer uma comparação, o número é pequeno, pois um pacote de açúcar pesa um quilo.”

O  Banco de Leite Humano de São Sebastião fica localizado em São Paulo capital, na rua Antônio Pereira da Silva. O funcionamento é de segunda à sexta, das 8h às 7h e a coleta é feita exclusivamente na residência das doadoras. Antes de começar a doar, a unidade pede que a mãe entre em contato por telefone para realizar um cadastro. Os contatos dessa unidade são: 3891-4959 e 3891-4957.  

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença". Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Em meio à pandemia do novo coronavírus, a unidade oferece a coleta domiciliar para incentivar novas doações

Baixar áudio

Em Porto Velho (RO), o Banco de Leite Humano (BLH) Santa Ágata opera com o estoque baixo. Em meio à pandemia do novo coronavírus, a unidade oferece a coleta domiciliar para incentivar novas doações. 

Diante desse cenário, autoridades de saúde fazem um apelo às mães da cidade que estão amamentando e possam doar o seu leite, que doem. Segundo o Ministério da Saúde, houve redução de 5% no número de doadoras em relação ao mesmo período de 2019, em todo o Brasil. O ministério alerta que com os cuidados necessários, tanto da doadora quanto dos Bancos de Leite Humano, é possível manter a rotina de doação durante a pandemia.

Ainda de acordo com o ministério, toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação. 

O coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (BLH), João Aprígio, explica que o leite materno é um alimento fundamental para o desenvolvimento de crianças. 

“O leite materno tem substâncias que protegem, de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumentam a resistência do organismo. Têm substâncias que promovem o crescimento facilitado do bebê e da criança.”

Um pote de leite materno pode alimentar até 10 crianças por dia. O alimento doado é destinado para bebês em Unidades Neonatais e bebês que nasceram prematuros e/ou com baixo do peso. 

Para a mãe Ingrid Fassanaro, o leite materno doado foi fundamental para o desenvolvimento da filha prematura. 

“Ser mãe em UTI é muito difícil. Havia dias que estava tão triste e chorava tanto, que tentava tirar leite materno e não saia nada. Sou muito grata, muito mesmo [pelas doações de leite materno].”

O Banco de Leite Humano (BLH) Santa Ágata está localizado na Avenida Governador Jorge Teixeira, número 3.766, no setor industrial de Porto Velho. A unidade funciona todos os dias da semana, das sete da manhã às sete da noite. Para agendar uma coleta em domicílio, ligue para (69) 3216-5715. Repetindo: (69) 3216-5715.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Atualmente, a unidade funciona com um estoque de cerca de 10 litros de leite materno

Baixar áudio

Diante da queda de doações de leite materno ocasionada pela pandemia de COVID-19 e do baixo estoque, o Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Dom Orione, em Araguaína (TO), precisou priorizar os a distribuição do leite humano para bebês de até 1,5 kg, internados na Unidade Neonatal. Atualmente, a unidade funciona com um estoque de cerca de 10 litros de leite materno. Por isso, a direção do Banco de Leite Humano faz um apelo às mães que amamentam da cidade e que podem doar, que doem seu leite. . 

O Ministério da Saúde alerta que com os cuidados necessários, tanto da doadora quanto dos Bancos de Leite Humano, é possível manter a rotina de doação durante a pandemia.

O leite materno doado é fundamental para ajudar a salvar a vida de bebês prematuros ou de baixo peso, internados nas Unidades Neonatais, que não podem ser amamentados pelas próprias mães. Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, reforça a importância do leite humano para o desenvolvimento dos pequenos. 

“O leite materno traz inúmeros benefícios para a saúde da criança. Protege de infecções, diarreia e alergias. Diminui a chance da criança desenvolver as chamadas doença crônicas e esses efeitos perduram, até mesmo, na vida adulta. O aleitamento materno é a única ação que isoladamente é capaz de reduzir a mortalidade infantil por causas evitáveis.” 

Toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar medicamento que interfira na amamentação. Além de ser um alimento fundamental para um melhor desenvolvimento da criança, a amamentação traz benefícios para as mulheres. É o que explica Janini Selva Ginani.

“Mulheres que amamentam, consequentemente as que doam o leite materno, também têm benefícios. Estudos demonstram que apresentam menor chance de desenvolver câncer, como o de mama ou de útero. E, também, elas retornam ao peso de antes da gravidez.”

O Banco de leite Humano (BLH) do Hospital Dom Orione fica localizado na Rua Dom Orione, Número 100, no Centro de Araguaína. A unidade funciona todos os dias, inclusive nos feriados, das sete da manhã às sete da noite. Técnicos da unidades realizam a coleta domiciliar de leite materno. Para mais informações, ligue para (63) 3411-8787.  Repetindo: (63) 3411-8787.  

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

O leite materno doado aos Bancos de Leite Humano é oferecido a bebês prematuros e/ou de baixo peso em Unidades em UTIs Neonatais

Baixar áudio

Mesmo com as dificuldades trazidas pela pandemia da Covid-19, o Banco de Leite Humano (BLH) Doutora Cynara Melo Souza, na cidade paraense de Marabá, está com o estoque dentro da normalidade. Segundo a direção da unidade, o atendimento presencial caiu consideravelmente, mas a coleta domiciliar está conseguindo suprir o recuo. 

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo exclusivo nos 6 primeiros meses de vida. Durante esse período, o leite materno é o único alimento recomendado para o bebê.

O leite materno doado aos Bancos de Leite Humano é oferecido a bebês prematuros e/ou de baixo peso em Unidades em UTIs Neonatais.  O coordenador da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano (BLH), João Aprígio, afirma que a amamentação é imprescindível para um melhor desenvolvimento de uma criança.

“O leite materno tem substâncias que protegem, de imunomodulação. E o que é imunomodulador? Aumentam a resistência do organismo. Têm substâncias que promovem o crescimento facilitado do bebê e da criança.”

Para Ingrid Fassanaro, mãe de uma bebê prematura, receber o leite materno de outras mães através do Banco de Leite Humano é o que garante o bem estar da filha. Ela conta que produz o alimento, porém em quantidade inferior do que a pequena Alice precisa.

“O fato de eu saber que a minha filha ia ser alimentada mesmo se eu não conseguisse é um grande alívio. Ser mãe em UTI é muito difícil. Tinha dias que eu estava tão triste e chorava tanto que tentava ordenhar o leite materno e não saia nada. Sou muito grata, muito mesmo”.
 
Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo este o alimento exclusivo nos 6 primeiros meses de vida de um bebê. Segundo o Ministério da Saúde, toda mulher que amamenta é uma possível doadora de leite materno. Para doar, basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação.

O Banco de Leite Humano (BLH)  Doutora Cynara Melo Souza está localizado na Rua 5 de Abril, número 0, no bairro Velha Marabá. A unidade funciona todos os dias, das 7h às 19h. Técnicos da unidade fazem coleta domiciliar. Para mais informações, ligue para o telefone (94) 3322-5751. 

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
16/06/2020 04:00h

Neste mês, a pasta promove a Campanha Nacional de Doação do Leite Materno, que busca conscientizar sobre a importância do ato

Baixar áudio

Em um ano, o estoque do Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Regional Público de Gurupi, em Tocantins, cresceu consideravelmente. Em abril de 2019, a unidade contava com 3,9 litros de leite materno, e no mesmo mês deste ano, o estoque contabilizava 9,3 litros do alimento. A direção do Banco de Leite Humano avalia que o aumento do produto em plena pandemia do novo coronavírus se dá, principalmente, pelas ações publicitárias sobre a importância da doação.

De acordo com o Ministério da Saúde, qualquer mulher que amamenta é uma possível doadora de leite humano e que para contribuir basta estar saudável e não tomar medicamento que interfira na amamentação. Neste mês, a pasta promove a Campanha Nacional de Doação do Leite Materno, que busca conscientizar sobre a importância do ato. 

O leite materno é um alimento fundamental para um melhor desenvolvimento dos bebês, principalmente para aqueles que nascem prematuros e/ou com baixo peso estão internados em UTIs Neonatais. É o que conta Danielle Aparecida Silva, gerente do Banco de Leite Humano (BLH) do Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente da Fiocruz.

“Seus nutrientes são específicos, de fácil digestão, o que diminui o número e a intensidade das cólicas; possui fatores probióticos que ajudam no desenvolvimento do trato gastrointestinal; e previne de doenças infectocontagiosas.”

A filha de Luciana da Silva Távora é uma das milhares de crianças internadas em Unidades Neonatais que dependem, diariamente, das doações de leite materno. A mãe relata o quão importante é o gesto das doadoras.

“Ela [minha filha] recebe alimento de outra mulher pelo Banco de Leite Humano. Então, ela não recebe todo o meu leite materno. Ela come, de três em três horas, uma quantidade. Isso é vida!"

Especialistas em saúde recomendam o aleitamento materno por dois anos ou mais, sendo exclusivo nos seis primeiros meses de vida. Durante esse período, o leite materno é o único alimento do bebê.

O Banco de Leite Humano (BLH) do Hospital Regional Público de Gurupi está localizado na Avenida. Juscelino Kubistchek, Número 1.641, Centro. A unidade funciona de segunda a sexta-feira, das sete da manhã às sete da noite, e aos sábados, das sete da manhã a uma hora da tarde. O Banco de Leite Humano também realiza coleta domiciliar. Para mais informações, ligue para (63) 3315-0258. Repetindo: (63) 3315-0258.   

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
10/06/2020 04:00h

A estratégia pretende proteger e apoiar as mães nesse momento de pandemia e garantir a qualidade do leite materno e o abastecimento dos estoques

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano do Núcleo Perinatal, que fica em Vila Isabel, não tem medido esforços para reduzir os impactos da COVID-19 na coleta do leite de materno. A unidade tem disponibilizado para essas mães doadoras, os materiais adequados para realizar a coleta do leite materno. Os profissionais de saúde também auxiliam as mães doadoras. Eles realizam visita domiciliar, utilizando equipamento de proteção e individual para a entrega e coleta do leite materno. A estratégia pretende proteger e apoiar as mães nesse momento de pandemia e garantir a qualidade do leite materno e o abastecimento dos estoques do Banco de Leite Humano.

Neste ano, até o mês de abril, o Banco de Leite Humano do Núcleo Perinatal já coletou 93 litros de leite materno. Do total, 53 litros já foram distribuídos. O leite materno doado beneficiou 53 bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais da cidade. A doação só foi possível devido a participação de 80 mamães. 

Todas as mulheres no período da amamentação estão aptas a doar o leite materno. Basta ser saudável e não tomar nenhum medicamento que interfira na amamentação.

A recomendação das autoridades de saúde é que, na hora da retirada do leite materno, a doadora deve escolher um local limpo e confortável, usar toca ou pano limpo para cobrir os cabelos, utilizar máscara ou pano limpo cobrindo nariz e boca, lavar as mãos e os braços até o cotovelo com água e sabão, e as mamas apenas com água. O frasco deve ser de vidro e a tampa de plástico rosqueável e devem ser higienizados com água e sabão e depois fervidos por 15 minutos, contando o tempo a partir do início da fervura. Depois, deixá-los secar naturalmente em cima de um pano limpo, emborcados para baixo. Ao coletar o leite, a doadora deve anotar, na tampa do frasco, seu nome, a data e a hora em que realizou a primeira coleta do leite materno. Após cada coleta, o frasco deve ser fechado imediatamente e guardado no freezer ou no congelador. A validade do leite materno congelado para doação é de até 10 dias.

A técnica de enfermagem, Julia Garcia, 23 anos, mãe do Théo de dois meses, trabalha em um Banco de Leite Humano. Ela sabe da importância do leite materno na vida da criança.

“Eu sei da importância da doação de leite materno porque vivenciei isso, do outro lado, como profissional. E sabemos das necessidades que aqueles bebês da UTI precisam do leite. Hoje, estando do outro lado, faço questão de doar. Por entender e saber da importância do leite para ele. O leite materno é o alimento do bebê até os seis meses de vida.”

No estado do Rio de Janeiro, há 17 Bancos de Leite Humano e oito Postos de Coleta de Leite Humano espalhados pela capital e municípios do interior. Na capital, a mãe que deseja doar, pode procurar dentre outros, o Banco de Leite Humano do Núcleo Perinatal. Ele fica localizado na Rua Manuel de Abreu, número 500, bairro de Vila Isabel. A unidade faz coleta domiciliar e agendamento e funciona de segunda a domingo, das sete da manhã às sete da noite. O número para o contato é: (21) 2868-8208.

De acordo com a coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani, o leite materno ajuda na redução da mortalidade infantil nos primeiros anos de vida.

“O leite materno é uma das mais eficazes intervenções para redução da morbimortalidade infantil, principalmente para crianças prematuras e/ou de baixo peso  internadas em Unidade Neonatais. O bebê que recebe leite materno desenvolve menos complicações durante o período de internação que podem levar a morte com problemas intestinais e respiratórios. Os benefícios de receber leite materno perduram por toda a vida”.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde
09/06/2020 04:00h

Qualquer mãe que esteja saudável, amamentando e com o pré-natal em dia, pode ser uma doadora

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano do Hospital São João Batista, em Volta Redonda (RJ), está precisando reforçar o estoque de leite materno. Com a pandemia da COVID-19, o Banco de Leite Humano já começou a sentir os principais impactos, a redução nos estoques. A unidade de saúde atende durante todos os dias, das sete da manhã às sete da noite. Qualquer mãe que esteja saudável, amamentando e com o pré-natal em dia, pode ser uma doadora.

De acordo com a nutricionista e coordenadora do Banco de Leite Humano, Bruna Vianello Ferreira, o leite materno coletado é utilizado para alimentação de recém-nascidos prematuros ou de baixo peso internados na Unidade Neonatal.

A coordenadora Bruna, ressalta que para realizar a doação a mãe só precisa entrar em contato com a unidade. Não é necessário sair de casa.

“A mãe deve entrar em contato pelo telefone, 3348-9954. Nós fazemos o pré-cadastro e coletamos algumas informações da mãe e do bebê. E, na semana seguinte, vamos à casa dessa possível doadora. Deixamos um vidro esterilizado com ela e ensinamos a fazer a massagem e a ordenha, e como ela vai armazenar esse leite materno.” 

O leite materno doado é fundamental para ajudar a salvar a vida de bebês prematuros ou de baixo peso, internados nas Unidades Neonatais, que não podem ser amamentados pelas próprias mães. Janini Selva Ginani, coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, reforça a importância da substância para o desenvolvimento dos pequenos. 

“O leite materno traz inúmeros benefícios para a saúde da criança. Protege de infecções, diarreia e alergias. Diminui a chance da criança desenvolver as chamadas doença crônicas e esses efeitos perduram, até mesmo, na vida adulta. O aleitamento materno é a única ação que isoladamente é capaz de reduzir a mortalidade infantil por causas evitáveis.”

Todas as mulheres que amamentam são potenciais doadoras de leite materno. Basta estar saudável e não tomar medicamento que interfira na amamentação. Além disso, a mãe não pode apresentar sintomas, como coriza, febre, dor na garganta e dificuldade de respirar.

O Banco de Leite Humano do Hospital São João Batista, fica localizado na Rua Nossa Senhora das Graças, número 235, no bairro Colina. Todas as coletas de leite materno são feitas no domicílio da mãe.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio