Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Cultura

03/07/2020 00:00h

Todos os municípios do Brasil vão receber verba para auxiliar profissionais de cultura e locais de manifestação artística que perderam verbas na pandemia

Baixar áudio

O Governo Federal também estendeu a mão à cultura neste momento de crise financeira ocasionada pela pandemia. O presidente Jair Bolsonaro sancionou, no último dia 30, a Lei nº 14.017/2020. A Lei Aldir Blanc, batizada assim em homenagem ao compositor que faleceu em decorrência da Covid-19, destina auxílio financeiro de R$ 3 bilhões para o setor, que precisou parar por conta da emergência de saúde pública. O valor, oriundo, em sua maioria, do Fundo Nacional de Cultura (FNC), será repassado, em parcela única, para estados, municípios e Distrito Federal, e tem como objetivo auxiliar profissionais e locais de manifestação artística que perderam verbas em decorrência do coronavírus. 

O repasse dos recursos se dará de forma descentralizada, mediante transferências da União aos entes federados, preferencialmente por meio dos fundos estaduais, municipais e distrital de cultura ou, quando não houver, de outros órgãos ou entidades responsáveis pela gestão desses recursos. Metade desse valor deverá ser repassados aos estados e ao Distrito Federal, sendo 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e 80% proporcionalmente à população. Os outros R$ 1,5 bilhão vão para os municípios, sendo 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 80% proporcionalmente à população.

O principal público alvo da medida são os artistas informais, que terão direito ao pagamento de três parcelas de R$ 600, ajuda similar ao benefício concedido pelo Governo Federal aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados.

Para receber o benefício, os trabalhadores deverão comprovar, em forma de autodeclaração, terem atuado social ou profissionalmente nas áreas artística e cultural nos 24 meses imediatamente anteriores à data de publicação da lei. Além disso, é necessário ter renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos. O solicitante também não pode ter recebido, em 2018, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70, não ter emprego formal ativo e não receber benefício previdenciário ou assistencial.

Fúlvio Wagner, vice-presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru, em Pernambuco, explica que o auxílio deve conseguir ajudar todos os trabalhadores ligados à cultura depois de mais de 100 dias de palcos vazios. Para isso, a prefeitura de Caruaru disponibilizou um portal para que os trabalhadores do setor possam fazer seu cadastro, inserindo todas as informações necessárias para que possam receber o auxílio emergencial. A fundação já possui um cadastro dos diversos grupos culturais de Caruaru, principalmente dos responsáveis, mas como o auxílio será dado à pessoa física, ela precisa do cadastramento de todos para que ninguém fique de fora.

Segundo Fúlvio Wagner, o mês de junho em Caruaru é de intensa movimentação cultural, com a contratação de mais de 500 artistas nesta época que seria festiva. Assim, o auxílio acaba vindo na hora de maior necessidade. 
“Essa lei foi uma conquista para o setor cultural no Brasil. São R$ 3 bilhões que serão destinados a quem faz parte dessa cadeia produtiva. O grande desafio, agora, é operacionalizar isso. A classe artística foi a primeira que parou os eventos culturais e provavelmente será a última que vai voltar”, ressalta o vice-presidente da Fundação.

Demais benefícios 

Em relação aos R$ 3 bilhões, 20% deverão ser usados na manutenção de espaços artísticos e micro e pequenas empresas culturais, cooperativa e instituições que tiveram as suas atividades interrompidas por força das medidas de isolamento social. O recurso também poderá ser usado para editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor cultural.

O município de Caruaru deve receber pouco mais de R$ 2,3 milhões, dos quais 20% devem ser destinados aos empreendimentos culturais. “As instituições que desenvolvem alguma atividade cultural e artística também serão beneficiadas. Para elas, será repassado um valor entre R$ 3 mil e R$ 10mil para honrar as despesas neste momento de pandemia. Esse valor também será efetuado em três parcelas”, explica Wagner.

Os locais que receberem o subsídio, cujo valor vai ser definido pela prefeitura, terão apenas uma obrigação após a retomada das atividades: realizar atividades gratuitas para alunos de escolas públicas, ou para a comunidade. Vale lembrar que todos os trabalhadores que fazem parte da cadeia produtiva dessa instituição que receberá o auxílio também poderão solicitar as três parcelas de R$ 600 da Lei Aldir Blanc, como pessoa física.

Bolsonaro prorroga auxílio emergencial e espera reação da economia após fim da validade do benefício

76% dos recursos do Auxílio Emergencial atingiram faixa mais pobre da população

Auxílio emergencial contemplou mais da metade dos domicílios da regiões Norte e Nordeste

No caso de Caruaru, esse valor de cerca de R$ 460 mil referente aos 20% do montante destinado ao município também deve ser proposto em editais, chamamentos públicos, cursos e premiações culturais. A prefeitura ainda está dialogando para encontrar a melhor forma de fazer isso, mas o destino deve ser o de apresentações por meio da internet, já que a orientação continua sendo a do distanciamento social.

Todos os municípios

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) comemorou a iniciativa do Governo Federal, mesmo porque teve participação ativa durante toda a tramitação da lei. A organização também disponibilizou uma Nota Técnica com orientações aos gestores municipais de cultura, para já se prepararem no planejamento de execução de distribuição dos recursos.

Ana Clarissa Fernandes, analista técnica de cultura da Confederação Nacional de Municípios, explica que a Lei Aldir Blanc tem enorme impacto em termos de volume de recurso para um setor que neste momento, em meio à pandemia, se encontra com muitas dificuldades. Contudo, além de trazer auxílio neste momento difícil, a ação ganha destaque por trazer uma capilaridade nunca antes vista na história das políticas culturais do Brasil. Vários municípios brasileiros receberão pela primeira vez algum repasse da União destinado à cultura.

“Todos os municípios receberão recursos oriundos dessa lei. Em uma pesquisa que a CNM fez ano passado, com dados referentes aos anos de 2008 a 2018 conferimos que apenas 12% dos municípios conseguiram firmar um convênio ou um contrato de repasse com o antigo Ministério da Cultura. Estamos falando de 88% dos municípios que nos últimos 10 anos não conseguiram transferência da União no campo da cultura. Muitos deles receberão, então, esses recursos pela primeira vez”, ressalta Ana.

A CNM também publicou em seu site tabelas onde é possível pesquisar a estimativa de quanto cada município e cada estado vai receber. 

 

 

A lei não estipulou uma data para a transferência dos recursos por parte da União e os entes aguardam, agora, uma regulamentação federal que determine os prazos e esclareça alguns pontos dos repasses que ainda estão em aberto.

Copiar o texto
Cultura
27/05/2020 04:00h

Apresentação online faz parte da campanha FIERN Solidária e pretende arrecadar doações para entidades filantrópicas de Natal

Baixar áudio

Apresentação online faz parte da campanha FIERN Solidária e pretende arrecadar doações para entidades filantrópicas de Natal
A orquestra de jazz SESI Big Band, formada por instrutores e professores do SESI-RN, e o cantor e sanfoneiro Waldonys farão uma live beneficente, nesta quarta-feira (27), pelo YouTube. O show começa a partir das 18h.

O grupo e o sanfoneiro já se apresentaram juntos outras vezes e encantaram o público com um repertório diversificado, com canções executadas pela orquestra de jazz, composições de Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Sivuca e do próprio Waldonys.

A finalidade do evento é arrecadar recursos e doações para entidades filantrópicas sediadas em Natal no enfrentamento à covid-19, por meio da campanha FIERN Solidária. A Fundação Eurico Bergsten, a Casa Espírita Bom Samaritano e a Fraternidade Toca de Assis serão contempladas.

O superintendente do SESI-RN, Juliano Martins, relata que, além da apresentação cultural, a programação reunirá ações voltadas para educação, formação e auxílio a empresas diante da pandemia.

“Além desta ‘live’, teremos vários produtos e serviços do SESI, do SENAI e do IEL sendo ofertados para nossos clientes, com desconto de até 70% e com facilidade no pagamento. Teremos outras ações, como um leque de webinars [seminários online], programadas durante toda a semana, transmitidos pelo nosso canal no YouTube, com temas que vão desde a segurança alimentar, construção civil e estratégias de enfrentamento da covid-19 pelas indústrias”, elenca.

Para Martins, ações como essa, desenvolvidas por instituições ligadas à indústria do estado, são “fundamentais” neste momento, pois ajudam empresas a enfrentarem a atual crise e manter o máximo de empregos possíveis.

“O Sistema FIERN é sensível ao momento atual de dificuldade da indústria e vem trabalhando para amenizar os problemas que os clientes vêm passando nesse período de covid-19. O SESI, SENAI e IEL estão próximos das indústrias para sentir a real dificuldade de todos, criando novos produtos inovadores para atender de forma rápida e eficiente as demandas mais urgentes”, ressalta Martins.

Solidariedade

Lançada em abril deste ano, a campanha FIERN Solidária destina valores arrecadados por doação a instituições filantrópicas do estado. Os recursos são destinados a centros de assistência de Natal que atendem pessoas em situação de rua, idosos e dependentes químicos.
 
Para o presidente da FIERN, Amaro Sales de Araújo, a iniciativa é um ato de estender a mão aos mais necessitados, neste momento em que muitas famílias estão sem renda, alimentos e itens básicos de higiene. “Essa campanha tem o objetivo de atingir aquelas pessoas que estão desamparadas, tanto as que têm algum emprego quanto as que não têm um ‘ganha pão’. Essa campanha é baseada no acolhimento às pessoas mais pobres”, afirma.
 
Para ajudar, você pode fazer uma transferência bancária, de qualquer valor, para a conta do Banco do Brasil: agência 2870-3, conta corrente nº 21.139-7. Caso você não tenha conta nesse banco, acrescente o CNPJ 08.435.778/0001-35 para concluir o TED ou DOC. As doações podem ser feitas até o fim de junho. Mais informações podem ser acessadas em fiern.org.br.

 

Copiar o texto
Cultura
20/05/2020 11:13h

Informação foi publicada pelo presidente Jair Bolsonaro em rede social; atriz vai assumir a Cinemateca Brasileira

Baixar áudio

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã desta quarta-feira (20) que Regina Duarte não é mais secretária especial de Cultura. Por meio do seu perfil em uma rede social, o presidente afirmou que a atriz vai assumir a Cinemateca em São Paulo — instituição responsável pela preservação e difusão da produção audiovisual brasileira.

Regina Duarte deixa o cargo após pouco mais de dois meses à frente da pasta. Ela assumiu a secretaria de Cultura em 4 de março. De acordo com o presidente, a atriz  relatou que sente falta da família. Bolsonaro também afirmou que, nos próximos dias, o trabalho de Regina à frente da pasta será divulgado.

Em vídeo que acompanha a publicação na rede social, Regina Duarte aparece ao lado de Bolsonaro e afirmou que assumir a Cinemateca é um “presente e sonho de qualquer profissional de comunicação, audiovisual e teatro”. A atriz confirmou que sente falta dos netos e dos filhos, mas que vai continuar auxiliando o governo no novo cargo.

Durante o vídeo, Bolsonaro negou que estivesse fritando a atriz nos últimos dias e lamentou a saída de Regina.

Copiar o texto
Entretenimento
19/04/2020 04:45h

Atração principal é apresentação de Roberto Carlos em seu canal no YouTube, no dia em que completa 79 anos

Baixar áudio

Para não descumprir a regra sagrada de que domingão é dia de churrasco com a família e de tomar aquela gelada, artistas de todo o país têm feito transmissões na internet para levar entretenimento às casas dos brasileiros. 

No dia em que completa 79 anos, o rei Roberto Carlos vai fazer uma live em seu canal oficial no YouTube. A apresentação terá cerca de dez músicas e parte da transmissão vai ao ar na Globo, provavelmente entre o "Domingão do Faustão" e o Fantástico. Já pode avisar sua mãe, sua tia e sua avó.  

Mais cedo, às quatro da tarde, o pagodeiro Ferrugem canta seus sucessos no YouTube, entre eles o hit "Até que enfim" e o clássico "Pirata e Tesouro".

Às seis da tarde, é hora de chorar e de implorar pra voltar com a dupla sertaneja Henrique e Juliano, também no YouTube. Só não vale mandar mensagem pra ex, até porque amor de balada é passageiro! 
 

Copiar o texto
Cultura
18/04/2020 10:00h

Principal atração do dia, Wesley Safadão canta sucesso e músicas inéditas na gravação do DVD “WS em Casa 2”; transmissão ocorre a partir das oito da noite, no YouTube

Baixar áudio

Por conta do isolamento social, as apresentações de artistas pela internet, as famosas lives, têm se tornado mais comuns. Isso, claro, faz a alegria do público, que, dentro de casa, consegue acompanhar os shows de seus cantores preferidos.

Para este sábado (18), a diversão está garantida. A partir das oito da noite, Wesley Safadão deve levar alegria a milhões de brasileiros por meio de seu canal no YouTube. A apresentação vai ter direito a músicas inéditas e a gravação do DVD “WS em Casa 2”. E aí, você está solteiro de novo ou vai declarar juras de amor ao mozão?

A “sofrência” também está garantida com o cantor Pablo do Arrocha. O artista começa a apresentação no seu canal do YouTube a partir das dez da noite e prova mais uma vez que homem chora, sim.

Para quem gosta de uma boa música sertaneja, a dica é acompanhar Fernando e Sorocaba, que tocam a partir das dez e quinze da noite. A dupla também vai cantar seus principais sucessos pelo YouTube. Enquanto não dá pra viajar nem pra São Paulo, nem pra Madri, a dica é curtir uma boa "terapinga". 

Já a galera forrozeira de plantão vai contar com a apresentação virtual de Mano Walter, no seu canal no YouTube, a partir das quatro da tarde. Às dez e meia, o DJ, produtor e cantor Pedro Sampaio fará sua segunda live no YouTube e deve matar a saudade daqueles funks que a gente gosta.

Se o seu estilo não se encaixa em nenhuma dessas opções, tem música internacional também neste sábado. A cantora pop Lady Gaga participa, às nove da noite, da live que faz parte da campanha “#TodosEmCasa”, da Organização Mundial da Saúde. A apresentação da artista pode ser acompanhada pelo YouTube e pelo Facebook.


 

Copiar o texto
Brasil
04/03/2020 08:55h

Na véspera, seis servidores que ocupavam cargos de chefia foram exonerados.

Baixar áudio

A atriz Regina Duarte assume, nesta quarta-feira, o cargo de Secretária de Cultura do governo. A cerimônia de posse será realizada no Palácio do Planalto às 11h. Regina será a quarta pessoa a ocupar o cargo em 14 meses.

A nomeação da nova secretária de Cultura foi publicada no Diário Oficial da União, que também incluiu a exoneração de seis servidores que ocupavam cargos de chefia dentro da pasta. Entre os nomes dos afastados estão Leônidas José de Oliveira, diretor-executivo da Fundação Nacional das Artes (Funarte) e Gislaine Targa, chefe de gabinete da Secretaria de Fomento e Incentivo à Cultura.

A nova Secretária de Cultura tem a missão de gerir um orçamento de R$366,4 milhões, valor 36% menor que os R$578,3 milhões que a pasta recebeu em 2019. O orçamento não inclui a verba destinada a sete entidades ligadas à Secretaria, como a Biblioteca Nacional, a Agência Nacional do Cinema (Ancine) e o Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

A nova Secretária de Cultura tem 73 anos e comanda uma pasta vinculada ao Ministério do Turismo, responsável por temas como democratização do acesso a teatros e museus, preservação do patrimônio histórico e direitos autorais, por exemplo.

Reportagem, Rafael Montenegro.
 

Copiar o texto
Cinema
23/01/2020 06:00h

Animação que traz Lázaro Ramos e Taís Araújo na dublagem estreia nesta quinta-feira

Baixar áudio

Lance Sterling é o espião mais famoso e preparado dos Estados Unidos. Após voltar de uma missão e ter sua fidelidade questionada, ele conhece Walter Beckett, um cientista pouco convencional que o transforma em um pombo. Essa é a história de “Um Espião Animal”, animação que chega aos cinemas nesta quinta-feira (23).

O filme é uma clara homenagem a todos os clássicos de espionagem que já passaram pelas telonas. A diferença é que, nesta versão, a trama pode ser definida como uma paródia voltada ao público infantil. No roteiro, entretanto, ainda é possível notar todos os elementos marcantes que representam o gênero. O resultado é uma opção divertida para todas as idades.

Um ponto interessante da história é a dinâmica entre os protagonistas. Lance, que era acostumado a ser o centro das atenções, precisa aprender a ser um espião novamente, só que desta vez, em forma de um pombo. As diferenças de personalidade entre ele e Walter garantem várias cenas divertidas, até os dois perceberem que formam uma ótima dupla contra o vilão.

Outros personagens da trama, como a agente Marcy e seus assistentes Olhos e Ouvidos, também ganham seus devidos destaques, mas não chegam a ser tão memoráveis quanto os protagonistas. Por outro lado, a presença de três pombos que se juntam a Lance e Walter em sua missão é um excelente complemento para a animação, tendo em vista a representação perfeita da personalidade do animal e a importância para o crescimento pessoal de Lance.

Com originalidade, “Um Espião Animal” consegue manter a atenção do público e ganhar seu espaço como uma animação que cumpre bem a sua premissa. As dublagens de Lázaro Ramos como Lance e Taís Araújo como Marcy ajudam nesse quesito.

Repleto de cenas de ação, o filme é indicado para todas as idades. “Um Espião Animal” está em cartaz nos cinemas de todo o país a partir desta quinta-feira.

Copiar o texto
Cinema
26/12/2019 06:00h

Filme chega aos cinemas no dia 2 de janeiro

Baixar áudio

A aguardada sequência de “Frozen” finalmente está chegando. No segundo filme da franquia, Anna, Elsa, e toda a turma partem para uma nova aventura, desta vez, além das fronteiras de Arendelle. Após ouvir um misterioso chamado que coloca o seu reino em perigo, a Rainha Elsa precisa descobrir uma maneira de salvar a todos. Porém, ela não esperava que, junto a essa missão, viria uma jornada de autoconhecimento.

Com o roteiro fechado e repleto de momentos inesquecíveis, “Frozen 2” consegue se igualar ao primeiro filme e manter o nível de qualidade que encantou tantas crianças. Mas, apesar de seu público dominante ser o infantil, a história que acompanha esta sequência é bem mais madura e detalhista, padrão que vem sendo muito bem utilizado pela Disney em seus últimos filmes para também chamar a atenção de espectadores mais velhos.

Entre todos os arcos narrativos de “Frozen 2”, a origem dos poderes de gelo de Elsa é um destaque importante. A trajetória que leva a protagonista ao passado e desperta seu autoconhecimento é, de longe, a mais necessária e emocionante do filme. Já Anna, Olaf, Kristoff e Sven também ganham seus momentos de destaques, principalmente quando estão todos juntos como uma família. Os personagens se equilibram entre cenas divertidas e comoventes, ao mesmo tempo em que dão apoio à história principal.

Outro ponto alto do filme são as músicas, sempre acompanhadas de ótimas cenas. A nova canção de Elsa, “Minha Intuição”, substituta do sucesso “Livre Estou”, emociona e marca o início do chamado da Rainha. A música, porém, talvez não ganhe a mesma força comercial que a sua antecessora teve no primeiro filme.

Com muita magia, descobertas e transformações, “Frozen 2” chega para reforçar que o verdadeiro poder está no amor, principalmente no que envolve duas irmãs e uma família construída na base da lealdade.

Esta aguardada sequência de “Frozen” chega aos cinemas brasileiros no dia 2 de janeiro.

Copiar o texto
Cinema
10/10/2019 05:09h

“Greta”, que estreia dia 10 de outubro, conta com Marco Nanini no elenco; “Luna” foi dirigido por Cris Azzi

Baixar áudio

Representando a vida de pessoas reais, que desejam ser amadas, buscar o autoconhecimento e que, muitas vezes, são negligenciadas pela sociedade, os filmes nacionais “Greta” e “Luna” chegam aos cinemas brasileiros nesta quinta-feira (10).

“Greta”, dirigido por Armando Praça, conta a estória de Pedro, interpretado por Marco Nanini (A Grande Família). Inspirado em uma peça da década de 1970, o longa traz um protagonista idoso homossexual, que é fascinado pela grande atriz Greta Garbo. Pedro é um enfermeiro que se apaixona por um criminoso. Ele tem uma melhor amiga transexual chamada Daniela, que sofre com uma doença terminal.

O recorte da vida de Pedro já é muito singular, pois não há tantas obras que dão o protagonismo para pessoas que são como o personagem de Marco Nanini. O gênero melodramático e a fotografia escura acabam trazendo um incômodo positivo. É interessante como o diretor combina a realidade brasileira dos hospitais e da situação de pessoas mais pobres no país.

Com atuação perfeita de Nanini, o filme possui muitas cenas de sexo explícito. e que reforçam ainda mais o recorte trazido por Armando Praça. É interessante a forma como o diretor dá voz e espaço ao público que, por tantas vezes é negligenciado e colocado de lado.

Praça explica que o roteiro foi adaptado de uma comédia para um gênero mais dramático, a partir de uma pesquisa com pessoas idosas e transexuais para entender qual é o contexto vivido por essas pessoas no Brasil.

“De fato, é muito mais comum que a gente imagina existirem pessoas que têm uma vida muito semelhante à desses personagens. O que eu acho que não existe é uma visibilidade. É como se essas pessoas estivessem à margem do que é interessante ser mostrado, das histórias que se consideram interessantes de serem contadas. Nesse sentido, o filme traz os personagens mais escondidos, que são muito baseados em pessoas reais, para o centro da cena, de certa maneira”.

Além de Marco Nanini, o filme conta com Denise Weinberg (De Pernas pro Ar) e Demick Lopes (Onde Nascem os Fortes).

“Luna” (2018)

Já o longa “Luna” de Cris Azzi, traz uma realidade parecida, porém com protagonistas opostos. Luana, interpretada por Eduarda Fernandes, é uma menina adolescente que está prestes a terminar o Ensino Médio. Ao conhecer Emília, vivida por Ana Clara Ligeiro, ela percebe que ainda quer experimentar muitas coisas novas.

A vida das duas garotas reflete exatamente a adolescência. Descobertas, amizades que são, muitas vezes, frustradas, brigas e momentos embaraçosos nos quais parece que o mundo vai acabar. Cris Azzi mostra que são sentimentos completamente legítimos e que há fases da vida que são assim.

Apesar de se conhecerem há pouco tempo, as duas jovens vivem experiências muito intensas juntas. Descobrem a sexualidade, novas formas de se divertir e festas diferentes. Mas, um vídeo divulgado de Luana acaba destruindo a reputação da garota. Ela, que era tão querida pela turma, passa a ser vista como “prostituta”, alguém que não merece respeito, e é aí que ela passa a questionar sua existência.

O diretor Cris Azzi conta que tentou encaminhar o longa para dois caminhos. Um no sentido de apresentar temas concretos da vida dos jovens, e outro para abrir um contraste entre a dureza da realidade  e os aspectos menos realistas.

“Não é exatamente sobre os fatos em si e a importância deles. Nesse aspecto, tentei preservar o lugar realista, porque é um processo muito longo de pesquisa e conversa com jovens, principalmente mulheres, que tiveram alguns desses temas atravessados nas suas vidas reais. Esses elementos que vieram dessa conversa, acabaram borrando de alguma maneira o filme. Por outro lado, eu tento trazer um pouco de fábula, de mistério, e outros elementos que ajudam o filme a encontrar a sua potência”.

Além de Eduarda Fernandes e Ana Clara Ligeiro, o longa conta com Lira Ribas, interpretando a mãe de Luna. A produção musical é de Guto Borges e conta com obras de Léo Marques e de Barulhista, na trilha sonora.

“Greta” e “Luna” estreiam no dia 10 de outubro nos cinemas brasileiros.

Copiar o texto
Cinema
03/10/2019 09:47h

Dirigido por Cédric Kaplisch, o drama conta com François Civil e Ana Girardot no elenco

Gravado nas ruas movimentadas de Paris, o filme “Encontros” une duas estórias que se cruzam, mas não interagem entre si. Rémi, interpretado por François Civil, é um jovem de 30 anos que acabou de passar por um momento marcante no ambiente de trabalho: todos os colegas foram demitidos menos ele. 

Já Mélanie, interpretada por Ana Girardot, é uma jovem da mesma faixa etária de Rémi. Apesar de ter uma carreira alavancando, a garota não consegue ser feliz porque se incapaz de superar um relacionamento de longa data. Ela busca refúgio nas relações prazerosas imediatas de um aplicativo de namoro. 

A estória dos dois jovens se cruza. Eles moram em prédios vizinhos, fazem compras no mesmo mercado, frequentam a terapia e descobrem estar com depressão. Mas eles não se relacionam, não se conhecem e não enxergam um ao outro. 

Acredito que falar sobre relações doentias e a rotina contemporânea dos dias seja essencial para refletir sobre esse longa que diz tanto sobre os jovens do século 21. Passam por relacionamentos abusivos e não conseguem se desvencilhar. Têm a estranha mania de se culpar por tudo, como é o caso de Rémi. Por isso esse filme é tão importante de ser visto, assistido e comentado. 

Em alguns momentos, “Encontros” parece ser bem arrastado e repetitivo, mas acredito que seja somente porque o diretor Cédric Kaplisch gostaria de mostrar as similaridades e comportamentos iguais entre as pessoas. 

A caminhada do longa para que os protagonistas se encontrem é muito bem-feita, e a montagem se alinha ao que foi proposto. Quando menos se espera, Rémi e Mélanie se veem enfrentando os mesmos medos, preconceitos e situações. 

Por ser um filme mais voltado para o indie, não há música o tempo inteiro, e o som ambiente é mais valorizado. Porém, no momento em que há trilha sonora é definitivo: cativa, emociona e anima. “Encontros” estreia nesta quinta-feira (3) nos cinemas brasileiros.

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio