Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: pixabay

STJ condena plataforma digital por manter publicações de fotos íntimas sem autorização da vítima

Caso ocorreu em 2013 e teve decisão favorável à vítima; ato de vazar fotos e vídeos íntimos sem autorização após término de relação é considerado crime e conhecido como pornografia de vingança

Salvar imagemTexto para rádio

Em maio de 2012, a atriz global Carolina Dieckmann, 41 anos, viu sua vida virar de cabeça para baixo. E não foi por conta dos papéis interpretados nas novelas, como a famosa Camila, em “Laços de Família”. A loira teve, há oito anos, 36 fotos íntimas vazadas para o Brasil inteiro por hackers que invadiram o computador da atriz. Na época, a repercussão foi grande, mas não havia nenhuma lei brasileira que caracterizasse esse tipo de ação como crime. 

No final desse mesmo ano, a então presidente Dilma Rousseff sancionou uma lei que levou o nome da atriz, alterando dispositivos do Código Penal Brasileiro e tipificando delitos e crimes informáticos. A lei entrou em vigor em abril do ano seguinte, mas gerou algumas críticas de especialistas do setor, que avaliaram os dispositivos da Lei 12.737/12 como “muito amplos” e com possibilidade de gerar dupla interpretação.  

No meio desse impasse, em 2013, foi a vez de outra mulher passar pelo mesmo constrangimento. Após o término de um namoro, a vítima, que não teve o nome revelado por questões de segurança, teve fotos íntimas publicadas, sem autorização, por seu ex-companheiro em uma rede social. A atitude do rapaz tem até um nome: pornografia de revanche ou de vingança. A alegação do abusador, muitas vezes, é o rancor ou a inconformidade pelo fim do relacionamento. 

Nessa semana (28), esse caso sofreu uma reviravolta. A Terceira Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) condenou a rede social com as fotos publicadas a pagar indenização de R$ 20 mil à vítima por danos morais. “Essa decisão representa um grande marco para a sociedade. Ela permite aos titulares dos dados o poder de limitar que sua intimidade seja exposta e ainda impõe uma responsabilidade de moderação e controle para as empresas fornecedoras de soluções de redes sociais”, avalia o ethical hacker e professor do Instituto Brasileiro de Mercados de Capitais (Ibmec/DF) Alex Rabello. 

Durante o julgamento do caso, houve alegação de que não ocorreu fato ilícito, uma vez que a rede social na época retirou as fotos em que a mulher aparecia completamente nua – mas manteve as que ela aparecia parcialmente sem roupa ou sem o rosto à mostra. 

Na decisão, a ministra do STJ Nancy Andrighi entendeu que “o fato de o rosto da vítima não estar evidenciado nas fotos de maneira flagrante é irrelevante para a configuração dos danos morais na hipótese, uma vez que a mulher vítima da pornografia de vingança sabe que sua intimidade foi indevidamente desrespeitada e, igualmente, sua exposição não autorizada lhe é humilhante e viola flagrantemente seus direitos de personalidade.” 

Crime 
Em 2010, uma pesquisa divulgada pela Organização SaferNet concluiu que 11% das crianças e adolescentes entre cinco e 18 anos já haviam compartilhado mensagens sensuais ou fotos em poses insinuantes. 

Três anos depois, outro estudo da entidade, que mantém parceria com o Ministério Público Federal e com a Polícia Federal para monitorar violações de direitos humanos na internet, apontou que 20% dos brasileiros já haviam enviado e recebido os chamados “nudes” e, dentre estes, 6% alegavam terem reenviado o material íntimo para outras pessoas. 

“Essa prática já era disseminada há muito tempo e, infelizmente, não havia ainda punição especificada em lei, não havia um crime específico. Isso era um problema”, pontua o coordenador do Centro de Tecnologia Sociedade (CTS) da FGV Direito Rio, Ivar Hartmann. 

Ele lembra que somente em 2018 o Código Penal Brasileiro passou a tratar a conduta específica como crime, com pena de até cinco anos de reclusão e aumento de pena se o autor tem ou tinha relação íntima com a vítima. “Mas é bom frisar que, mesmo que não exista essa relação de afeto, ainda assim é crime”, ressalta. Na esfera cível, a vítima pode buscar a indenização por danos morais, como foi o caso de 2013 julgado recentemente pelo STJ. 

“A mulher sofre muito mais com esse tipo de divulgação do que o homem. Muitas depois de demitidas têm até dificuldade em encontrar outro emprego, porque sofrem esse preconceito de que se o criminoso divulgou essas imagens é porque, de certa forma, ela teria uma parcela de culpa nisso. Isso pode gerar danos materiais também”, alerta Hartmann. 

Marco da internet 
A Lei 12.965/14, conhecida como Marco Civil da Internet, só entrou em vigor em 2014 – dois anos após o caso da atriz Carolina Dieckmann. O texto estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil e prevê a proteção à privacidade e responsabilização dos agentes de acordo com suas atividades. O marco garante, ainda, em seu artigo 7º, o direito à “inviolabilidade da intimidade e da vida privada, sua proteção e indenização pelo dano material ou moral decorrente de sua violação.”

Ivar Hartmann explica que o marco civil veio no sentido de proteger a vítima abrindo exceção a uma regra geral, que é a de portar uma ordem judicial para obrigar a rede social a retirar a publicação indevida, caso ela se recuse a fazê-la por simples notificação. “No caso da pornografia de vingança, mesmo sem a ordem judicial, uma simples mensagem que a vítima mande à plataforma já obriga a retirada da publicação, podendo a plataforma ser responsabilizada caso não a retire.”  

Mas, na opinião do especialista, a lei não é um ganho tão grande em relação a essa modalidade de crime. “O marco civil não é a legislação que mais trouxe avanço nesse sentido. O que ela fez foi explicitar as consequências e responsabilidades dos provedores digitais que já eram aplicadas pelo Judiciário. O ganho maior foi com a inserção do crime no Código Penal em 2018”, defende.  

Constrangimento 
Viviane Rocha, 25 anos, engrossou a lista de mulheres vítimas do crime. No final do ano passado, a jovem teve suas fotos íntimas vazadas e só descobriu o feito ao chegar ao local de trabalho, quando foi avisada pelos colegas. “Foi bem constrangedor, porque foi em horário de expediente”, lembra. Até hoje, Viviane diz não saber quem invadiu o computador, mas que a atitude criminosa trouxe consequências que ela carrega até hoje. 

“Algumas pessoas chegaram a falar que eu estava fazendo isso para chamar atenção. Eu ficava desesperada sem saber o que fazer, me senti péssima”, relata. O ex-namorado de Viviane também teve a intimidade violada e, segundo ela, isso também mexeu com o lado emocional do rapaz. 

A psicóloga clínica Raquel Estrela explica que a pornografia de revanche tem pesos diferentes para homens e mulheres. “Para a mulher, essa vingança traz muita humilhação, reclusão social e julgamentos, além de assédio sexual e moral. Com todos esses sentimentos, vão surgindo também complicações emocionais, acarretando depressão, transtorno de ansiedade generalizada, levando até ao suicídio”, esclarece. 

Na opinião de Raquel Estrela, o apoio da família é essencial em situações como essa. “Além do apoio familiar, há também ONGs que acolhem mulheres vítimas de pornografia de vingança. Caso a mulher esteja com emocional muito abalado, é importante procurar ajuda profissional, com psicólogo e/ou psiquiatra, que podem auxiliá-la e escutá-la para reverter esse quadro, para que não se chegue a uma situação tão drástica quanto um suicídio.”  

O Ethical Hacker e professor do Ibmec/DF Alex Rabello frisa que é a vítima deve procurar uma delegacia nesses casos. “Pornografia de revanche é crime, busque seus direitos”, alerta. E ele aproveita para dar algumas dicas de segurança. 

“Reflita se há necessidade de expor, de permitir que o companheiro tire fotos ou filme a relação de intimidade. Se assim mesmo permitir, solicite à pessoa que apague a foto ou o vídeo após a visualização. Crie senhas para o celular e para desbloquear pastas de fotos e vídeos. E não se esqueça de habilitar a confirmação em duas etapas. Redes como Instagram, WhatsApp e e-mails já permitem isso”, pontua.
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: O Superior Tribunal de Justiça condenou, nessa semana (28), uma plataforma digital a pagar indenização de R$ 20 mil a uma mulher que teve fotos íntimas publicadas, sem autorização, por um ex-companheiro. O caso ocorreu em 2013, quando o vazamento de conteúdo íntimo ainda não era considerado crime no Brasil. Hoje, esse tipo de conduta tem até um nome: pornografia de revanche ou de vingança. 

O professor do Ibmec Alex Rabello, que também é uma espécie de “hacker ético”, comenta a decisão do STJ. 
 

“Essa decisão representa um grande marco para a sociedade. Ela permite aos titulares dos dados o poder de limitar que sua intimidade seja exposta e ainda impõe uma responsabilidade de moderação e controle para as empresas fornecedoras de soluções de redes sociais.”

LOC.: O caso lembra o da atriz global Carolina Dieckmann, que teve o computador invadido em 2012 e fotos íntimas vazadas para todo o Brasil. Nesse mesmo ano, foi sancionada uma lei que leva o nome da atriz, tipificando delitos e crimes informáticos. 

O coordenador do Centro de Tecnologia Sociedade (CTS) da FGV, Ivar Hartmann, cita também como importante a implantação do marco civil da internet, em 2014, que estabelece princípios, garantias, direitos e deveres para o uso da internet no Brasil

Mas faz ressalvas em relação à lei. Para ele, a inserção da pornografia de vingança como crime no Código Penal, em 2018, trouxe mais avanços nesse sentido. 
 

“O que o marco civil fez foi explicitar e estabelecer em lei uma responsabilidade os provedores, das plataformas digitais que o Judiciário majoritariamente já aplicava. Houve, sim, um avanço com o marco civil porque significa que o Judiciário não pode mudar o entendimento jurisprudencial, então uma segurança maior às vítimas, mas não é um ganho tão grande assim no combate à pornografia de vingança.”

LOC.: A psicóloga Raquel Estrela comenta que a atitude pode trazer consequências psicológicas graves, especialmente para as mulheres. Algumas vítimas, segundo a profissional, pensam até em tirar a própria vida após o ocorrido.

“É muito importante o apoio da família numa situação assim. Além do apoio familiar, há também ONGs que acolhem mulheres vítimas de pornografia de vingança. Caso a mulher esteja com emocional muito abalado, é importante procurar ajuda profissional, com psicólogo e/ou psiquiatra, que podem auxiliá-la e escutá-la para reverter esse quadro, para que não se chegue a uma situação tão drástica quanto um suicídio.”  

LOC.: Algumas dicas para manter documentos pessoais em segurança são criar senhas para o celular e para desbloquear pastas de fotos e vídeos e habilitar a confirmação em duas etapas no e-mail e em redes sociais. 

Reportagem, Jalila Arabi.