Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Reprodução/JFA

Japão volta a disputar a Copa América após 20 anos e usa seleção olímpica como base

Em 1999, na primeira e única que vez em que participou da competição, foram eliminados já na primeira fase, com duas derrotas e um empate

Salvar imagemTexto para rádio

Renovação. Essa é a palavra de ordem da seleção japonesa, que volta a disputar a Copa América, como convidada, após 20 anos. Com apenas seis nomes do time principal, o Japão chega ao Brasil com a maioria dos jogadores da seleção olímpica. Sob o comando do técnico Moriyasu, os Samurais Azuis querem apresentar um bom futebol, já em preparação para as Eliminatórias e para os Jogos Olímpicos, que serão disputados em Tóquio, no ano que vem.

Depois de perderem a final da Copa da Ásia para o Catar, dirigentes da federação japonesa consideraram a hipótese de trazer para a Copa América o elenco principal. No entanto, pelo fato de ser convidada, os dirigentes resolveram dar oportunidade aos garotos da seleção olímpica em um torneio de alto nível, com seleções que o Japão não costuma enfrentar.

Em 1999, na primeira e única que vez em que participou da Copa América, a seleção japonesa foi eliminada na primeira fase. Em três jogos, foi derrotada por Peru e Paraguai e empatou com a Bolívia, terminando como lanterna do grupo.

A evolução do futebol nos últimos anos japonês tem raízes brasileiras. Tudo começou com a influência de Zico, que jogou no país no início da década de 90 e chegou a treinar a seleção asiática. Na Copa da Rússia, no ano passado, os Samurais chegaram às oitavas de final, mas foram eliminados pela Bélgica após estarem vencendo por dois a zero. Na Copa da Ásia, o Japão é o maior campeão, com quatro títulos.

Em 2001, a seleção asiática esteve próxima de conquistar um torneio internacional, mas bateu na trave e ficou com o vice na Copa das Confederações, após derrota para a França.

O Japão está no grupo C, com Uruguai, Equador e Chile. O primeiro compromisso do Japão no torneio está marcado para o dia 17 de junho, quando enfrenta o Chile, no Morumbi, às oito da noite, horário de Brasília.

Continue Lendo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Renovação. Essa é a palavra de ordem da seleção japonesa, que volta a disputar a Copa América, como convidada, após 20 anos. Com apenas seis nomes do time principal, o Japão chega ao Brasil com a maioria dos jogadores da seleção olímpica. Sob o comando do técnico Moriyasu, os Samurais Azuis querem apresentar um bom futebol, já em preparação para as Eliminatórias e para os Jogos Olímpicos, que serão disputados em Tóquio, no ano que vem.

Depois de perderem a final da Copa da Ásia para o Catar, dirigentes da federação japonesa consideraram a hipótese de trazer para a Copa América o elenco principal. No entanto, pelo fato de ser convidada, os dirigentes resolveram dar oportunidade aos garotos da seleção olímpica em um torneio de alto nível, com seleções que o Japão não costuma enfrentar.

Em 1999, na primeira e única que vez em que participou da Copa América, a seleção japonesa foi eliminada na primeira fase. Em três jogos, foi derrotada por Peru e Paraguai e empatou com a Bolívia, terminando como lanterna do grupo.

A evolução do futebol japonês nos últimos anos tem raízes brasileiras. Tudo começou com a influência de Zico, que jogou no país no início da década de 90 e chegou a treinar a seleção asiática. Na Copa da Rússia, no ano passado, os Samurais chegaram às oitavas de final, mas foram eliminados pela Bélgica após estarem vencendo por dois a zero. Na Copa da Ásia, o Japão é o maior campeão, com quatro títulos.

Em 2001, a seleção asiática esteve próxima de conquistar um torneio internacional, mas bateu na trave e ficou com o vice na Copa das Confederações, após derrota para a França.

O Japão está no grupo C, com Uruguai, Equador e Chile. O primeiro compromisso do Japão no torneio está marcado para o dia 17 de junho, quando enfrenta o Chile, no Morumbi, às oito da noite, horário de Brasília.

Reportagem, Raphael Costa