Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

ESPECIAL CORONAVÍRUS: Saiba como identificar e se proteger dessa doença

A partir do dia 20 de março, o Brasil entra no outono e é a partir dessa estação do ano que a temperatura começa a cair na maior parte do país, principalmente do Centro-Oeste ao Sul do Brasil.

Salvar imagemTexto para rádio

A partir do dia 20 de março, o Brasil entra no outono e é a partir dessa estação do ano que a temperatura começa a cair na maior parte do país, principalmente do Centro-Oeste ao Sul do Brasil. Por causa disso, nesse período aumentam os casos de pessoas com doenças respiratórias. É justamente aí que se enquadra o coronavírus, então todo cuidado é pouco para se proteger contra essa doença. E para que você entenda a diferença entre gripe, resfriado e coronavírus, ouça a explicação do secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Wanderson Oliveira. 

“Resfriado é o mais leve deles e a febre é muito rara e geralmente febre baixa. Já o coronavírus e a gripe é esperado que se tenha febre. O coronavírus ele também pode provocar bastante tosse, é uma tosse seca, gripe também acomete com tosse. Dor de garganta é muito comum no resfriado, mas na gripe e no coronavírus acontece às vezes. Espirro é mais comum no resfriado, agora, no coronavírus e na gripe não, não é muito comum. Tem outras manifestações como dores no corpo, cansaço, dor de cabeça”.

A melhor forma de evitar o coronavírus é se protegendo. Por isso, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, dá dicas de como diminuir o risco de contágio. 

“Lavar as mãos com frequência; cobrir a boca ao tossir e espirrar, com a parte de dentro do cotovelo, com lenço descartável; e evitar de trabalhar e estudar se tiver doente; evitar ir para locais aglomerados se tiver doente; fazer os cuidados gerais. E principalmente ter uma boa alimentação, um boa noite de sono e repouso neste momento para recuperação”.

O Brasil possui mais de 42 mil postos de saúde capazes de atender 90% dos casos de coronavírus. Apesar disso, é importante que a pessoa só procure os serviços de saúde quando apresentar os sintomas iniciais do vírus, como febre, tosse, dor de garganta e dificuldade respiratória. 
 

Continue Lendo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

A partir do dia 20 de março, o Brasil entra no outono e é a partir dessa estação do ano que a temperatura começa a cair na maior parte do país, principalmente do Centro-Oeste ao Sul do Brasil. Por causa disso, nesse período aumentam os casos de pessoas com doenças respiratórias. É justamente aí que se enquadra o coronavírus, então todo cuidado é pouco para se proteger contra essa doença. E para que você entenda a diferença entre gripe, resfriado e coronavírus, ouça a explicação do secretário Nacional de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira. 

“Resfriado é o mais leve deles e a febre é muito rara e geralmente febre baixa. Já o coronavírus e a gripe é esperado que se tenha febre. O coronavírus ele também pode provocar bastante tosse, é uma tosse seca, gripe também acomete com tosse. Dor de garganta é muito comum no resfriado, mas na gripe e no coronavírus acontece às vezes. Espirro é mais comum no resfriado, agora, no coronavírus e na gripe não, não é muito comum. Tem outras manifestações como dores no corpo, cansaço, dor de cabeça”.

 

A melhor forma de evitar o coronavírus é se protegendo. Por isso, o secretário de Vigilância em Saúde, Wanderson Oliveira, dá dicas de como diminuir o risco de contágio. 

 

“Lavar as mãos com frequência; cobrir a boca ao tossir e espirrar, com a parte de dentro do cotovelo, com lenço descartável; e evitar de trabalhar e estudar se tiver doente; evitar ir para locais aglomerados se tiver doente; fazer os cuidados gerais. E principalmente ter uma boa alimentação, um boa noite de sono e repouso neste momento para recuperação”.

 

O Brasil possui mais de 42 mil postos de saúde capazes de atender 90% dos casos de coronavírus. Apesar disso, é importante que a pessoa só procure os serviços de saúde quando apresentar os sintomas iniciais do vírus, como febre, tosse, dor de garganta e dificuldade respiratória.