Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Agência Brasil

BOLETIM AGRO: Caso atípico de vaca louca no país influencia queda dos preços da arroba do boi em SP

Outro destaque é o adiamento da votação do crédito suplementar no Congresso

Salvar imagemTexto para rádio

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos alguns destaques do agronegócio brasileiro.

Os preços da arroba do boi gordo estão em queda, desde o início de maio. Apesar da retomada de compra dos frigoríficos em São Paulo, os preços já caíram R$ 4.

Quem vai nos explicar melhor o porquê da queda nos valores e o contexto da situação é a Carla Mendes, jornalista do Notícias Agrícolas.

Seja bem-vinda, Carla.

“Nós vemos os frigoríficos retomando esses movimentos de compra. No entanto, os preços não acompanham tanto. Inclusive, os frigoríficos já reduzem 1% o valor pago nas arrobas no estado de São Paulo, que é um estado importante no mercado pecuário. Com o efeito China, já que nossos embarques estão suspensos por conta do caso de 'Vaca Louca' que tivemos no Mato Grosso, por mais que seja um caso atípico – já foi concluído no Brasil, agora deve ser concluído internacionalmente e burocraticamente. Mas o efeito disso ainda pesa sobre o mercado. Além disso, a demanda interna mais fraca faz com que os preços da arroba recuem nesse momento.”

A cotação da arroba do boi gordo começou esta quarta-feira com baixa de 2,91% no preço. O produto foi negociado a R$ 149,95, no estado paulista.

O Congresso Nacional adiou, para a próxima semana, a votação do crédito suplementar – a chamada regra de ouro. O prazo para a votação está terminando e há riscos do governo ficar sem dinheiro para outras questões. Nos dê mais detalhes sobre essa situação, Carla.

“Sem um acordo, a comissão mista formada por deputados e senadores adiou a votação do crédito suplementar de R$ 248 bilhões para a próxima terça, dia 11 de junho. Essa votação permitira que o Governo Federal tivesse a possibilidade de emitir títulos para ajudar nas suas finanças. Caso o faça sem a aprovação do Governo, estaria cometendo o crime de responsabilidade fiscal. Um adiamento nessa votação acaba trazendo anúncios importantes para o agronegócio como a divulgação do Plano Safra 2019 e 2020, que já deveria ter sido feito ou sair nos próximos dias. Portanto, não temos uma data definida para isso”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. Para quem quiser saber mais sobre o agronegócio brasileiro e mundial: noticiasagricolas.com.br. Para ser o produtor rural mais bem informado. Até a próxima.”

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos alguns destaques do agronegócio brasileiro.

Os preços da arroba do boi gordo estão em queda, desde o início de maio. Apesar da retomada de compra dos frigoríficos em São Paulo, os preços já caíram R$ 4.

Quem vai nos explicar melhor o porquê da queda nos valores e o contexto da situação é a Carla Mendes, jornalista do Notícias Agrícolas.

Seja bem-vinda, Carla.
 

“Nós vemos os frigoríficos retomando esses movimentos de compra. No entanto, os preços não acompanham tanto. Inclusive, os frigoríficos já reduzem 1% o valor pago nas arrobas no estado de São Paulo, que é um estado importante no mercado pecuário. Com o efeito China, já que nossos embarques estão suspensos por conta do caso de 'Vaca Louca' que tivemos no Mato Grosso, por mais que seja um caso atípico – já foi concluído no Brasil, agora deve ser concluído internacionalmente e burocraticamente. Mas o efeito disso ainda pesa sobre o mercado. Além disso, a demanda interna mais fraca faz com que os preços da arroba recuem nesse momento.”

A cotação da arroba do boi gordo começou esta quarta-feira com baixa de 2,91% no preço. O produto foi negociado a R$ 149,95, no estado paulista.

O Congresso Nacional adiou, para a próxima semana, a votação do crédito suplementar – a chamada regra de ouro. O prazo para a votação está terminando e há riscos do governo ficar sem dinheiro para outras questões. Nos dê mais detalhes sobre essa situação, Carla.
 

“Sem um acordo, a comissão mista formada por deputados e senadores adiou a votação do crédito suplementar de R$ 248 bilhões para a próxima terça, dia 11 de junho. Essa votação permitira que o Governo Federal tivesse a possibilidade de emitir títulos para ajudar nas suas finanças. Caso o faça sem a aprovação do Congresso, estaria cometendo o crime de responsabilidade fiscal. Um adiamento nessa votação acaba trazendo anúncios importantes para o agronegócio como a divulgação do Plano Safra 2019 e 2020, que já deveria ter sido feito ou sair nos próximos dias. Portanto, não temos uma data definida para isso”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. Para quem quiser saber mais sobre o agronegócio brasileiro e mundial: noticiasagricolas.com.br. Para ser o produtor rural mais bem informado. Até a próxima.”