Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Youtube

Trump afirma que China deslocou tropas para Hong Kong após confronto entre policiais e manifestantes em aeroporto

Em declaração por conta do episódio, Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, condenou “qualquer forma de violência”

Salvar imagemTexto para rádio

Em uma postagem publicada nas redes sociais, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que a China deslocou tropas para a fronteira com Hong Kong, em reação aos protestos contra o governo local. Imagens de TVs internacionais confirmam a informação.

A medida foi adotada por Pequim depois que o aeroporto de Hong Kong foi palco de protestos e confusão entre manifestantes e policiais, o que acarretou no cancelamento de todos os voos nesta terça-feira (13).

O diretor-executivo do Instituto Global Attitude, Rodrigo Reis, lembra que as manifestações começaram há mais de dois meses por conta de um projeto polêmico que, segundo ele, prejudica os cidadãos locais.

“O que iniciou isso aí, pontualmente, foi a proposta de lei que colocaria os hongkongers, os cidadãos de Hong Kong, em uma possível percepção de ameaça, no qual eles poderiam ser extraditados e julgados na China comunista. Obviamente, desde o retorno do território de Hong Kong do Reino Unido para a China, Hong Kong desfruta de um sistema um tanto quanto diferente do que a China continental”, conta.

Mais cedo, em entrevista concedida na Suíça, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, solicitou a investigação sobre a truculência adotada por policiais contra os manifestantes e condenou publicamente “qualquer forma de violência”.
 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Em uma postagem publicada nas redes sociais, o presidente americano, Donald Trump, afirmou que a China deslocou tropas para a fronteira com Hong Kong, em reação aos protestos contra o governo local. Imagens de TVs internacionais confirmam a informação.

A medida foi adotada por Pequim depois que o aeroporto de Hong Kong foi palco de protestos e confusão entre manifestantes e policiais, o que acarretou no cancelamento de todos os voos nesta terça-feira (13).

O diretor-executivo do Instituto Global Attitude, Rodrigo Reis, lembra que as manifestações começaram há mais de dois meses por conta de um projeto polêmico que, segundo ele, prejudica os cidadãos locais.
 

“O que iniciou isso aí, pontualmente, foi a proposta de lei que colocaria os hongkongers, os cidadãos de Hong Kong, em uma possível percepção de ameaça, no qual eles poderiam ser extraditados e julgados na China comunista. Obviamente, desde o retorno do território de Hong Kong do Reino Unido para a China, Hong Kong desfruta de um sistema um tanto quanto diferente do que a China continental”.

Mais cedo, em entrevista concedida na Suíça, a Alta Comissária da ONU para os Direitos Humanos, Michelle Bachelet, solicitou a investigação sobre a truculência adotada por policiais contra os manifestantes e condenou publicamente “qualquer forma de violência”.

Reportagem, Cintia Moreira