Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Divulgação/The Nobel Prize

Trio americano ganha Nobel de Economia por pesquisa que ajuda no combate à pobreza

Pesquisadores da Universidade de Havard (EUA) desenvolveram métodos que auxiliam na saúde e educação de crianças e diminuem índice da pobreza e mortes precoces

Salvar imagemTexto para rádio

Três pesquisadores da Universidade de Havard, nos Estados Unidos, foram os ganhadores do Prêmio Nobel de Economia deste ano. O trio desenvolveu métodos que ajudam no combate à pobreza, com ações mais eficazes para melhorar a saúde e o desempenho escolar de crianças.

O americano Abhijit Banerjee, nascido na Índia, a franco-americana Esther Duflo, a mulher mais jovem a ganhar um Nobel de Economia, aos 47 anos, e Michael Kremer, também dos Estados Unidos, receberam os prêmios nesta segunda-feira (14).

Para o júri, os estudos desenvolvidos pelos pesquisadores permitiram ações mais dinâmicas na área da saúde e educação das crianças, como reformas educacionais que adaptam o ensino às necessidades dos alunos. Como resultado direto, mais de cinco milhões de crianças indianas foram beneficiadas com a metodologia dos ganhadores do Nobel.

A pesquisa mostrou também que as pessoas mais pobres são mais sensíveis à elevação de preço nos gastos com cuidados preventivos com a saúde. Em outra parte do estudo, as taxas de vacinas triplicaram depois que algumas aldeias foram selecionadas aleatoriamente para ter acesso a clínicas móveis.

Hoje, segundo o comitê do Nobel, mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo ainda vivem com rendimentos extremamente baixos e mais de cinco milhões de crianças morrem todos os anos por doenças que poderiam ser evitadas com tratamento barato. Além disso, cerca de metade das crianças do planeta ainda saem da escola sem habilidades básicas de alfabetização e aritmética.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Três pesquisadores da Universidade de Havard, nos Estados Unidos, foram os ganhadores do Prêmio Nobel de Economia deste ano. O trio desenvolveu métodos que ajudam no combate à pobreza, com ações mais eficazes para melhorar a saúde e o desempenho escolar de crianças.

O americano Abhijit Banerjee, nascido na Índia, a franco-americana Esther Duflo, a mulher mais jovem a ganhar um Nobel de Economia, aos 47 anos, e Michael Kremer, também dos Estados Unidos, receberam os prêmios nesta segunda-feira (14).

Para o júri, os estudos desenvolvidos pelos pesquisadores permitiram ações mais dinâmicas na área da saúde e educação das crianças, como reformas educacionais que adaptam o ensino às necessidades dos alunos. Como resultado direto, mais de cinco milhões de crianças indianas foram beneficiadas com a metodologia dos ganhadores do Nobel.

A pesquisa mostrou também que as pessoas mais pobres são mais sensíveis à elevação de preço nos gastos com cuidados preventivos com a saúde. Em outra parte do estudo, as taxas de vacinas triplicaram depois que algumas aldeias foram selecionadas aleatoriamente para ter acesso a clínicas móveis.

Hoje, segundo o comitê do Nobel, mais de 700 milhões de pessoas em todo o mundo ainda vivem com rendimentos extremamente baixos e mais de cinco milhões de crianças morrem todos os anos por doenças que poderiam ser evitadas com tratamento barato. Além disso, cerca de metade das crianças do planeta ainda saem da escola sem habilidades básicas de alfabetização e aritmética.

Reportagem, Jalila Arabi.