Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Daniel Barahona/Facebook da Federação de Estudantes da Universidade do Chile

Número de mortos nos protestos do Chile sobe para 11

Governo chileno declarou estado de emergência nas cidades do norte e sul do país

Salvar imagemTexto para rádio

O número de pessoas mortas em protestos contra o aumento das passagens de metrô no Chile aumentou para 11. A informação foi dada nesta segunda-feira (21), pela governadora de Santiago, Karla Rubilar.  Segundo o balanço oficial mais recente, mais de mil e quatrocentas pessoas já foram detidas.

Desde sexta-feira (18), uma onda de protestos fez com que militares e a polícia usassem gás lacrimogêneo e jatos d'água contra os manifestantes e um toque de recolher foi imposto nas principais cidades. 

Neste domingo (20), o governo chileno declarou estado de emergência nas cidades do norte e sul do país. O presidente do Chile, Sebastián Piñera, afirmou que o país está "em guerra" contra os responsáveis pelos protestos. O chefe de estado disse ainda que entende que os cidadãos se manifestem, mas que considera "verdadeiros criminosos" os responsáveis pelos incêndios, pelas barricadas e pilhagens, assim como pelos mortos e feridos.

Uma fábrica de roupas foi alvo de roubos, no norte de Santiago; ocorreu um incêndio em um supermercado; ônibus foram queimados; dezenas de escolas suspenderam as aulas; e, mesmo que o presidente chileno tenha suspendido o aumento dos preços dos transportes, as manifestações e os confrontos prosseguiram no final de semana.

O aumento da tarifa do metrô foi apenas um "estopim" para que a crise se instalasse no país. Essa é a análise do professor Juliano da Silva Cortinhas, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB). Para o acadêmico, um descontentamento popular com a saúde, educação e previdência, pode ter motivado os protestos.

“[No Chile] A educação é paga, as pessoas se aposentam tardiamente – ganham muito pouco quando se aposentam. O sistema de saúde também está privatizado – não atende bem, não garante uma série de serviços, de procedimentos, de cirurgias, operações, com muita gente morrendo nos leitos de hospitais, sem condições de pagar. Então, é uma situação de longo prazo que vem se agravando, que é decorrente de um processo de privatizações, de adesão plena ao neoliberalismo, sem que haja instrumentos para que o Estado invista na economia e proteja a economia nacional de crises mundiais”, disse.

O estado de emergência no Chile permanece vigorando e conta com a mobilização de mais de 10 mil policiais.
 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

O número de pessoas mortas em protestos contra o aumento das passagens de metrô no Chile aumentou para 11. A informação foi dada nesta segunda-feira (21), pela governadora de Santiago, Karla Rubilar. Segundo o balanço oficial mais recente, mais de mil e quatrocentas pessoas já foram detidas.

Desde sexta-feira (18), uma onda de protestos fez com que militares e a polícia usassem gás lacrimogêneo e jatos d'água contra os manifestantes e um toque de recolher foi imposto nas principais cidades. 

Neste domingo (20), o governo chileno declarou estado de emergência nas cidades do norte e sul do país. O presidente do Chile, Sebastián Piñera, afirmou que o país está "em guerra" contra os responsáveis pelos protestos. O chefe de Estado disse ainda que entende que os cidadãos se manifestem, mas que considera "verdadeiros criminosos" os responsáveis pelos incêndios, pelas barricadas e pilhagens, assim como pelos mortos e feridos.

Uma fábrica de roupas foi alvo de roubos, no norte de Santiago; ocorreu um incêndio em um supermercado; ônibus foram queimados; dezenas de escolas suspenderam as aulas; e, mesmo que o presidente chileno tenha suspendido o aumento dos preços dos transportes, as manifestações e os confrontos prosseguiram no final de semana.

O aumento da tarifa do metrô foi apenas um "estopim" para que a crise se instalasse no país. Essa é a análise do professor Juliano da Silva Cortinhas, do Instituto de Relações Internacionais da Universidade de Brasília (UnB). Para o acadêmico, um descontentamento popular com a saúde, educação e previdência, pode ter motivado os protestos.
 

“[No Chile] A educação é paga, as pessoas se aposentam tardiamente – ganham muito pouco quando se aposentam. O sistema de saúde também está privatizado – não atende bem, não garante uma série de serviços, de procedimentos, de cirurgias, operações, com muita gente morrendo nos leitos de hospitais, sem condições de pagar. Então, é uma situação de longo prazo que vem se agravando, que é decorrente de um processo de privatizações, de adesão plena ao neoliberalismo, sem que haja instrumentos para que o Estado invista na economia e proteja a economia nacional de crises mundiais.”

O estado de emergência no Chile permanece vigorando e conta com a mobilização de mais de 10 mil policiais.

Reportagem, Cintia Moreira