Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: CBMCE

Resgate das vítimas do desabamento em Fortaleza (CE) continua até que todas sejam retiradas dos escombros

Segundo o Corpo de Bombeiros do Ceará, as buscas estão sendo feitas com um maquinário mais pesado, de uma forma mais intensa

Salvar imagemTexto para rádio

Os trabalhos de resgate das vítimas do desabamento do Edifício Andréa, em Fortaleza (CE), continuam de forma ininterrupta até que todas sejam retiradas dos escombros. Por enquanto, seis pessoas morreram na tragédia.  

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará, coronel Luís Eduardo Soares de Holanda, conta que 135 bombeiros militares trabalham diariamente, apenas no ponto que é chamado pelas equipes de “zona quente”, ou seja, sobre os escombros. Só que agora, eles estão fazendo as buscas com maquinários mais pesados.

“Os trabalhos continuam. Nós passamos para uma fase onde começamos a usar o maquinário de uma forma mais intensa. Isso não quer dizer que não existe mais possibilidade de ainda resgatar pessoas vivas; mas, pelos protocolos internacionais, a gente já começa a fazer uma avaliação de usar maquinário também mais pesado e ainda continuar na busca técnica, manual, com ferramentas de menor impacto em locais que a gente considere mais sensível”, conta.

Segundo o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Estado, ainda há chances de encontrar sobreviventes.

“O colapso foi muito forte. As lajes ficaram sobrepostas de uma maneira muito intensa e isso, sem dúvida, dificulta ainda mais a progressão. Mas a gente está nesta progressão e ainda acredita sim que há possibilidade de ter alguém ainda vivo para que a gente possa resgatar”, relata.

De acordo com ele, praticamente 100% do efetivo do Corpo de Bombeiros que atua em Fortaleza e na Região Metropolitana da Capital está empregado na ocorrência. Além disso, bombeiros militares que estavam em serviço administrativo também foram deslocados para o local.

O resgate também conta com o auxílio de aproximadamente 40 bombeiros especialistas em busca e resgate em estruturas colapsadas, oficiais de Engenharia, também com especialização nessa área, equipes de busca e salvamento com cães, além do pessoal de busca, resgate e salvamento. Ou seja, no entorno da operação, são cerca de 500 pessoas trabalhando. Já na área denominada ‘zona morta’, estão sendo empregados cerca de 100 bombeiros militares. 

As equipes também utilizam um drone com uma câmera termográfica, controlado por peritos da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), que tem ajudado os profissionais a identificarem locais com maiores temperaturas e onde possam ter bolsões de ar.

Já as buscas com a ajuda de cães ocorrem duas vezes ao dia, quando são utilizados quatro cães operacionais do Corpo de Bombeiros. O trabalho deles consiste em farejar e sinalizar os pontos nos escombros, onde as vítimas possam estar.
 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Os trabalhos de resgate das vítimas do desabamento do Edifício Andréa, em Fortaleza (CE), continuam de forma ininterrupta até que todas sejam retiradas dos escombros. Por enquanto, seis pessoas morreram na tragédia.  

O comandante-geral do Corpo de Bombeiros Militar do Ceará, coronel Luís Eduardo Soares de Holanda, conta que 135 bombeiros militares trabalham diariamente, apenas no ponto que é chamado pelas equipes de “zona quente”, ou seja, sobre os escombros. Só que agora, eles estão fazendo as buscas com maquinários mais pesados.
 

“Os trabalhos continuam. Nós passamos para uma fase onde começamos a usar o maquinário de uma forma mais intensa. Isso não quer dizer que não existe mais possibilidade de ainda resgatar pessoas vivas; mas, pelos protocolos internacionais, a gente já começa a fazer uma avaliação de usar maquinário também mais pesado e ainda continuar na busca técnica, manual, com ferramentas de menor impacto em locais que a gente considere mais sensível.”

Segundo o comandante-geral do Corpo de Bombeiros do Estado, ainda há chances de encontrar sobreviventes.

“O colapso foi muito forte. As lajes ficaram sobrepostas de uma maneira muito intensa e isso, sem dúvida, dificulta ainda mais a progressão. Mas a gente está nesta progressão e ainda acredita sim que há possibilidade de ter alguém ainda vivo para que a gente possa resgatar.”

De acordo com ele, praticamente 100% do efetivo do Corpo de Bombeiros que atua em Fortaleza e na Região Metropolitana da Capital está empregado na ocorrência. Além disso, bombeiros militares que estavam em serviço administrativo também foram deslocados para o local.

O resgate também conta com o auxílio de aproximadamente 40 bombeiros especialistas em busca e resgate em estruturas colapsadas, oficiais de Engenharia, também com especialização nessa área, equipes de busca e salvamento com cães, além do pessoal de busca, resgate e salvamento. Ou seja, no entorno da operação, são cerca de 500 pessoas trabalhando. Já na área denominada ‘zona morta’, estão sendo empregados cerca de 100 bombeiros militares. 

As equipes também utilizam um drone com uma câmera termográfica, controlado por peritos da Perícia Forense do Estado do Ceará (Pefoce), que tem ajudado os profissionais a identificarem locais com maiores temperaturas e onde possam ter bolsões de ar.

Já as buscas com a ajuda de cães ocorrem duas vezes ao dia, quando são utilizados quatro cães operacionais do Corpo de Bombeiros. O trabalho deles consiste em farejar e sinalizar os pontos nos escombros, onde as vítimas possam estar.

Reportagem, Cintia Moreira