Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Arquivo/EBC

Simplificação de impostos deve ser prioridade na reforma tributária, defendem parlamentares do Paraná

Comissão mista que analisa o tema deve criar novas regras para acabar com guerra fiscal entre estados e mudar fórmula de arrecadação do ICMS

Salvar imagemTexto para rádio

A comissão mista especial que analisa a reforma tributária no Congresso Nacional discute o texto que atualizará o modelo de cobrança de impostos no Brasil. Os senadores e deputados do colegiado vão se basear nos textos apresentados na PEC 110/2019 e PEC 45/2019, que tramitam no Senado e na Câmara, para elaborar as novas normas.  

Segundo o deputado federal Enio Verri (PT-PR), uma das necessidades que o novo modelo deve observar é a simplificação tributária, já que isso vai ajudar o Brasil a se tornar mais “produtivo” e com “maior capacidade econômica” para receber novos investimentos. A expectativa do parlamentar é que seja elaborado um texto que atinja os anseios dos contribuintes, inclusive com geração de emprego e renda.

“Qualquer intenção de construir uma síntese das duas reformas é positiva. Particularmente, a bancada está animada com essa reforma, embora a gente entenda que ela é apenas um bom início para o debate. A proposta do ex-deputado Luiz Carlos Hauly e proposta do deputado Baleia Rossi têm muitas coisas em comum, dá para construir um texto único”, entende o parlamentar.

Os textos unificam a cobrança de impostos sobre bens e serviços nos estados, municípios e governo federal, e, em contrapartida, criam o Imposto Sobre Bens e Serviços (IBS) e o Imposto Seletivo (IS). As propostas modernizam ainda o sistema de arrecadação tributária com a adoção de procedimentos digitais e reformulam a dinâmica dos impostos cumulativos que, atualmente, são cobrados durante as etapas de produção das mercadorias. Esse formato é o principal alvo de críticas do setor produtivo.   

O senador Oriovisto Guimarães (PODE-PR) avalia que o país ainda não tem condições de reduzir a carga tributária porque União, estados e municípios precisam manter a arrecadação. Aumentar as cobranças, segundo Guimarães, também não convém porque a população já paga muitos impostos. Por isso, a solução para o país seria, ao menos, “tornar o sistema tributário mais claro e objetivo”.

“Nesse momento, aumentar a carga tributária é inviável. Se não tem como baixar o quanto se cobra, que pelo menos simplifique a forma de arrecadação. Hoje, é um absurdo. Uma empresa tem que manter um departamento com 10 ou 15 funcionários, dependendo do tamanho da companhia, só para preencher papel referente ao pagamento de imposto”, critica.

ICMS 

A fórmula de arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) também deve ser revista pelos parlamentares da comissão mista da reforma tributária. A princípio, a ideia de deputados e senadores é agregar essa tributação ao IBS, com alíquota padronizada em todos os entes da federação, com parte do valor flexível e sob competência dos estados, como prevê o texto da PEC 45/2019.

Além disso, a cobrança do imposto estadual deve ter a dinâmica invertida. No modelo atual, o ICMS é cobrado no estado onde o produto é fabricado. Com a criação do IBS, o tributo passa a ser retido no destino da mercadoria. A tática pode contribuir para diminuir a “guerra fiscal” e tornar a concorrência mais justa entre as unidades da Federação.
 

Fonte: <a href='https://www.brasil61.com/noticias/simplificacao-de-impostos-deve-ser-prioridade-na-reforma-tributaria-defendem-parlamentares-do-parana-pind201820' target='_blank'>Brasil 61</a>

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A comissão mista especial que analisa a reforma tributária no Congresso Nacional discute o texto que atualizará o modelo de cobrança de impostos no Brasil. Os senadores e deputados do colegiado vão se basear nos textos apresentados na PEC 110/2019 e PEC 45/2019, que tramitam no Senado e na Câmara, para elaborar as novas normas.  

Segundo o deputado federal Enio Verri (PT-PR), uma das necessidades que o novo modelo deve observar é a simplificação tributária, já que isso vai ajudar o Brasil a se tornar mais “produtivo” e com “maior capacidade econômica” para receber novos investimentos. A expectativa do parlamentar é que seja elaborado um texto que atinja os anseios dos contribuintes, inclusive com geração de emprego e renda.

TEC./SONORA.: Enio Verri, deputado federal (PT-PR)

“Qualquer intenção de construir uma síntese das duas reformas é positiva. Particularmente, a bancada está animada com essa reforma. A proposta do ex-deputado Luiz Carlos Hauly e proposta do deputado Baleia Rossi têm muitas coisas em comum, dá para construir um texto único.”
 

LOC.: Os textos unificam a cobrança de impostos sobre bens e serviços nos estados, municípios e governo federal, e, em contrapartida, criam o Imposto Sobre Bens e Serviços (IBS) e o Imposto Seletivo (IS). As propostas modernizam ainda o sistema de arrecadação tributária com a adoção de procedimentos digitais e reformulam a dinâmica dos impostos cumulativos que, atualmente, são cobrados durante as etapas de produção das mercadorias. Esse formato é o principal alvo de críticas do setor produtivo.   

O senador Oriovisto Guimarães (PODE-PR) avalia que o país ainda não tem condições de reduzir a carga tributária porque União, estados e municípios precisam manter a arrecadação. Aumentar as cobranças, segundo Guimarães, também não convém porque a população já paga muitos impostos. Por isso, a solução para o país seria, ao menos, “tornar o sistema tributário mais claro e objetivo”.
 

TEC./SONORA: Oriovisto Guimarães senador (PODE-PR) 

“Nesse momento, aumentar a carga tributária é inviável. Se não tem como baixar o quanto se cobra, que pelo menos simplifique a forma de arrecadação. Hoje, é um absurdo. Uma empresa tem que manter um departamento com 10 ou 15 funcionários, dependendo do tamanho da companhia, só para preencher papel referente ao pagamento de imposto.”
 

LOC.: A fórmula de arrecadação do Imposto Sobre Circulação de Mercadorias e Serviços, o ICMS, também deve ser revista pelos parlamentares da comissão mista da reforma tributária. A princípio, a ideia de deputados e senadores é agregar essa tributação ao IBS, com alíquota padronizada em todos os entes da federação, com parte do valor flexível e sob competência dos estados, como prevê o texto da PEC 45/2019.

Além disso, a cobrança do imposto estadual deve ter a dinâmica invertida. No modelo atual, o ICMS é cobrado no estado onde o produto é fabricado. Com a criação do IBS, o tributo passa a ser retido no destino da mercadoria. A tática pode contribuir para diminuir a “guerra fiscal” e tornar a concorrência mais justa entre as unidades da Federação.

Reportagem, Marquezan Araújo