Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

SÃO MIGUEL DO IGUAÇU (PR): Situação é de alerta para infestação do mosquito que transmite dengue, zika e chikungunya desde 2016

Principais criadouros do mosquito Aedes aegypti, apontados pela coordenadora de Vigilância Ambiental do Paraná, Ivana Belmonte, são lixos, pneus e recipientes que acumulam água parada

Salvar imagemTexto para rádio

O município de São Miguel do Iguaçu está com alerta de risco para infestação pelo mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. É o que revela o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti, o LIRAa. A situação é preocupante, pois o quadro se repete a cada ano desde 2016. Os dados do último balanço, divulgados no início do segundo semestre de 2019, apontam que o índice de infestação chega a 5,10% na cidade. De acordo com o Ministério da Saúde, a taxa mínima para receber a classificação de risco é de 4%.

Segundo Ivana Belmonte, coordenadora de vigilância ambiental da Secretaria de Saúde do Paraná, os principais criadouros do mosquito Aedes aegypti são lixos, pneus e recipientes que acumulam água parada.

“Praticamente 90% dos nossos criadouros são removíveis. Então, a nossa melhor atitude é trabalharmos na verificação semanal do nosso domicílio, no entorno do domicílio, fazendo a remoção desses criadouros”. 

Uma das vítimas do mosquito em São Miguel do Iguaçu foi a empresária e proprietária de uma panificadora, Cláudia Aparecida Huller, de 40 anos. Ela e a filha de 14 anos pegaram Dengue recentemente. A empresária relata quais foram os sintomas da doença. 

“Dava febre, ficava ruim, aquela dor no corpo. E até agora eu ainda tenho alergia por conta da Dengue”. 

Aqui vão algumas recomendações do Ministério da Saúde para a limpeza dos reservatórios de água. É importante mantê-los tampados. A limpeza deve ser periódica, com água, bucha e sabão. Ao acabar a água do reservatório, é necessário fazer uma nova lavagem nos recipientes e guardá-los de cabeça para baixo. Segundo o Ministério, esse cuidado é essencial porque os ovos do mosquito podem viver mais de um ano no ambiente seco. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa por você.

Para mais informações, acesse: saude.gov.br/combateaedes.
 

Fonte: <a href='https://www.brasil61.com/noticias/sao-miguel-do-iguacu-pr-situacao-e-de-alerta-para-infestacao-do-mosquito-que-transmite-dengue-zika-e-chikungunya-desde-2016-aede192613' target='_blank'>Brasil 61</a>

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O município de São Miguel do Iguaçu está com alerta de risco para infestação pelo mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. É o que revela o Levantamento Rápido de Índices de Infestação pelo Aedes aegypti, o LIRAa. A situação é preocupante, pois o quadro se repete a cada ano desde 2016. Os dados do último balanço, divulgados no início do segundo semestre de 2019, apontam que o índice de infestação chega a 5,10% na cidade. De acordo com o Ministério da Saúde, a taxa mínima para receber a classificação de risco é de 4%.

Segundo Ivana Belmonte, coordenadora de vigilância ambiental da Secretaria de Saúde do Paraná, os principais criadouros do mosquito Aedes aegypti são lixos, pneus e recipientes que acumulam água parada.
 

“Praticamente 90% dos nossos criadouros são removíveis. Então, a nossa melhor atitude é trabalharmos na verificação semanal do nosso domicílio, no entorno do domicílio, fazendo a remoção desses criadouros”. 
 

LOC.: Uma das vítimas do mosquito em São Miguel do Iguaçu foi a empresária e proprietária de uma panificadora, Cláudia Aparecida Huller, de 40 anos. Ela e a filha de 14 anos pegaram Dengue recentemente. A empresária relata quais foram os sintomas da doença. 

“Dava febre, ficava ruim, aquela dor no corpo. E até agora eu ainda tenho alergia por conta da Dengue”. 

LOC.: Aqui vão algumas recomendações do Ministério da Saúde para a limpeza dos reservatórios de água. É importante mantê-los tampados. A limpeza deve ser periódica, com água, bucha e sabão. Ao acabar a água do reservatório, é necessário fazer uma nova lavagem nos recipientes e guardá-los de cabeça para baixo. Segundo o Ministério, esse cuidado é essencial porque os ovos do mosquito podem viver mais de um ano no ambiente seco. E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa por você.

Para mais informações, acesse: saude.gov.br/combateaedes.