Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

RONDÔNIA: Estado cria ações de combate para municípios com altos índices de infestação para Aedes aegypti

Salvar imagemTexto para rádio

Para as autoridades de saúde, o começo do ano é fundamental no combate contra o mosquito Aedes aegypti. Nesse período, com a alternância de chuvas e calor, os ovos do inseto eclodem em ambientes líquidos e podem sobreviver até que poças e espaços se encham de água. Por causa disso, o governo de Rondônia se preocupa em tomar medidas antes que as águas caiam sobre os municípios. Como a coordenadora do Programa de

Dengue e outras Arboviroses do estado, Bárbara Moura Lopes, detalha.

“Nós estamos passando por nossos municípios, em que devemos fazer educação em saúde, mutirões de limpeza, incentivar os moradores a fazer a limpeza no seu quintal. Hoje, nosso estado conta com sete municípios com Índice de Infestação em estado de risco e 30 em estado de alerta. E os criadouros principais são os lixos e os pneus”.

As ações são promovidas com os municípios e bairros com índices mais preocupantes. É por isso que cidades como Espigão d’Oeste recebem atenção especial. O Índice de Infestação Predial de lá, nos dados liberados em novembro de 2019, alcançou o valor de 10,5, considerado de risco de exposição altíssimo. O valor indica a quantidade de imóveis com presença do mosquito. Com um número tão alto, é mais fácil que ele infecte mais pessoas.

Morador do bairro Morada do Sol, o servidor público Adalberto Coelho, de 52 anos, não ficou surpreso quando percebeu que estava com febre, dores na articulação, indisposto e sem apetite. Foi logo atrás do diagnóstico que confirmasse a dengue. Depois, ainda vieram manchas no corpo e coceiras. A suspeita antecipada do que era a doença estava diretamente relacionada com os índices do município.

“Olha, aqui a gente tem o mosquito praticamente em todos os bairros da cidade, mas pode ter sido até mesmo no bairro onde eu moro, na minha casa ou, às vezes, até mesmo no meu trabalho. Porque ele ataca mais durante o dia, né? É muito difícil a gente precisar o local aonde a gente foi contaminado”.

Rondônia ainda conta com outros seis municípios em estado de alerta, acima de 4 no Índice de Infestação Predial. Essas taxas se refletiram nos 810 casos prováveis de dengue registrados de janeiro a dezembro de 2019 no estado. No mesmo período, as autoridades de saúde notificaram 106 casos de chikungunya e 59 de zika. Os dados são do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde.

Então, em caso de suspeita, com o surgimento de qualquer sintoma, é fundamental procurar um profissional de saúde para o correto diagnóstico e prescrição dos medicamentos. A automedicação deve ser evitada, pois pode piorar as condições físicas e até levar à morte.

Os tratamentos são oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS.

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Para as autoridades de saúde, o começo do ano é fundamental no combate contra o mosquito Aedes aegypti. Nesse período, com a alternância de chuvas e calor, os ovos do inseto eclodem em ambientes líquidos e podem sobreviver até que poças e espaços se encham de água. Por causa disso, o governo de Rondônia se preocupa em tomar medidas antes que as águas caiam sobre os municípios. Como a coordenadora do Programa de Dengue e outras Arboviroses do estado, Bárbara Moura Lopes, detalha.

TEC./SONORA: Bárbara Moura Lopes, Coordenadora do Programa de Dengue e outras Arboviroses de Rondônia.

“Nós estamos passando por nossos municípios, em que devemos fazer educação em saúde, mutirões de limpeza, incentivar os moradores a fazer a limpeza no seu quintal. Hoje, nosso estado conta com sete municípios com Índice de Infestação em estado de risco e 30 em estado de alerta. E os criadouros principais são os lixos e os pneus”.
 

LOC.: As ações são promovidas com os municípios e bairros com índices mais preocupantes. É por isso que cidades como Espigão d’Oeste recebem atenção especial. O Índice de Infestação Predial de lá, nos dados liberados em novembro de 2019, alcançou o valor de 10,5, considerado de risco de exposição altíssimo. O valor indica a quantidade de imóveis com presença do mosquito. Com um número tão alto, é mais fácil que ele infecte mais pessoas.

Morador do bairro Morada do Sol, o servidor público Adalberto Coelho, de 52 anos, não ficou surpreso quando percebeu que estava com febre, dores na articulação, indisposto e sem apetite. Foi logo atrás do diagnóstico que confirmasse a dengue. Depois, ainda vieram manchas no corpo e coceiras. A suspeita antecipada do que era a doença estava diretamente relacionada com os índices do município.
 

TEC./SONORA: Adalberto Coelho, servidor de 52 anos do bairro Morada do Sol, em Espigão d’Oeste.

“Olha, aqui a gente tem o mosquito praticamente em todos os bairros da cidade, mas pode ter sido até mesmo no bairro onde eu moro, na minha casa ou, às vezes, até mesmo no meu trabalho. Porque ele ataca mais durante o dia, né? É muito difícil a gente precisar o local aonde a gente foi contaminado”.
 

LOC.: Rondônia ainda conta com outros seis municípios em estado de alerta, acima de 4 no Índice de Infestação Predial. Essas taxas se refletiram nos 810 casos prováveis de dengue registrados de janeiro a dezembro de 2019 no estado. No mesmo período, as autoridades de saúde notificaram 106 casos de chikungunya e 59 de zika. Os dados são do Boletim Epidemiológico do Ministério da Saúde.

Então, em caso de suspeita, com o surgimento de qualquer sintoma, é fundamental procurar um profissional de saúde para o correto diagnóstico e prescrição dos medicamentos. A automedicação deve ser evitada, pois pode piorar as condições físicas e até levar à morte.

Os tratamentos são oferecidos de forma integral e gratuita por meio do Sistema Único de Saúde, o SUS.

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.