Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Rompimento da barragem em Mariana completa 4 anos

Recentemente, mais de 100 pescadores de Linhares, no Espírito Santo, foram finalmente reconhecidos como atingidos e poderão assim ser indenizados

Salvar imagemTexto para rádio

O rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana (MG), completou 4 anos e até o momento, não houve punição para os responsáveis pelo desastre. A tragédia deixou um saldo de 19 mortos e prejuízos incalculáveis para mais de 300 famílias.

A destruição ambiental atingiu, além de Bento Rodrigues, as comunidades de Paracatu e Gesteira e uma bacia hidrográfica que chega a 230 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. Quem sobreviveu, conta o que viu.

“Estava conversando com os colegas na praça, quando ouvimos o barulho, vimos a poeira enorme em cima, junto com a lama, máquina, caminhão, tudo descendo. A gente se preocupou em subir, gritando para o pessoal para que eles saíssem, que a barragem estava estourando. Eu estava tomando banho. O banheiro começou a balançar junto comigo, tremendo. Eu falei: o que é isso, meu Deus? Quando eu vi a água já veio alta, aí eu saí correndo. Nunca esperava que isso ia acontecer”, contam.

De acordo com o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), os rejeitos de mineração da Empresa Samarco contaminaram o Rio Doce e se espalharam por 600 quilômetros de extensão e, até agora, os responsáveis seguem impunes.

“Os danos sociais, ambientais e econômicos são incalculáveis e os responsáveis seguem impunes. Os únicos condenados são as famílias das vítimas, que sofrem com a dor da perda e a certeza da impunidade”, relata o parlamentar.

Recentemente, mais de 100 pescadores de Linhares, no Espírito Santo, foram finalmente reconhecidos como atingidos e poderão ser indenizados. A Fundação Renova, que é a entidade responsável pela reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem, vai apresentar uma proposta para cada um desses pescadores. Se eles aceitarem, o pagamento deve ser feito em 90 dias.
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O rompimento da Barragem de Fundão, em Mariana (MG), completou 4 anos e até o momento, não houve punição para os responsáveis pelo desastre. A tragédia deixou um saldo de 19 mortos e prejuízos incalculáveis para mais de 300 famílias.

A destruição ambiental atingiu, além de Bento Rodrigues, as comunidades de Paracatu e Gesteira e uma bacia hidrográfica que chega a 230 municípios de Minas Gerais e do Espírito Santo. Quem sobreviveu, conta o que viu.

POVO-FALA
 

“Estava conversando com os colegas na praça, quando ouvimos o barulho, vimos a poeira enorme em cima, junto com a lama, máquina, caminhão, tudo descendo. A gente se preocupou em subir, gritando para o pessoal para que eles saíssem, que a barragem estava estourando. Eu estava tomando banho. O banheiro começou a balançar junto comigo, tremendo. Eu falei: o que é isso, meu Deus? Quando eu vi a água já veio alta, aí eu saí correndo. Nunca esperava que isso ia acontecer.”

LOC.: De acordo com o senador Fabiano Contarato (Rede-ES), os rejeitos de mineração da Empresa Samarco contaminaram o Rio Doce e se espalharam por 600 quilômetros de extensão e, até agora, os responsáveis seguem impunes.

TEC./SONORA: senador Fabiano Contarato (Rede-ES)
 

“Os danos sociais, ambientais e econômicos são incalculáveis e os responsáveis seguem impunes. Os únicos condenados são as famílias das vítimas, que sofrem com a dor da perda e a certeza da impunidade.”

LOC.: Recentemente, mais de 100 pescadores de Linhares, no Espírito Santo, foram finalmente reconhecidos como atingidos e poderão ser indenizados. A Fundação Renova, que é a entidade responsável pela reparação dos danos causados pelo rompimento da barragem, vai apresentar uma proposta para cada um desses pescadores. Se eles aceitarem, o pagamento deve ser feito em 90 dias.

Com colaboração da Rádio Senado, reportagem, Cintia Moreira