Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Câmara dos Deputados

Relator na comissão especial garante que texto da Previdência deve ser apresentado até 15 de junho

Após apresentação do parecer do deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), o texto precisa ser aprovado pela Comissão Especial e, então, seguir para a votação no Plenário da Câmara, onde precisará de 308 dos 513 votos

Salvar imagemTexto para rádio

O relator da proposta de reforma da Previdência na Comissão Especial que analisa o tema, deputado Samuel Moreira (PDSB-SP), afirmou que apresentará seu parecer sobre o tema até o próximo dia 15 de junho.

“Estamos trabalhando em cima do projeto que o governo enviou e vamos continuar assim. Haverá um relatório até o dia 15 de junho. Nós vamos apresentar um relatório e pode ser até antes”, garantiu.

A Câmara dos Deputados continua debatendo a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 6/19, que propõe a reforma da Previdência. Nesta semana, a comissão especial criada para discutir o assunto recebeu especialistas para debater o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o abono salarial.

Previsto da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), o BPC garante um salário mínimo para pessoas com deficiência e idosos com 65 anos ou mais que não têm como se manter com os próprios recursos ou com ajuda da família. Pela proposta apresentada pelo governo, o pagamento integral do salário fica restrito aos maiores de 70 anos. No entanto, os idosos passariam a ter direito a uma renda mensal antecipada de R$ 400 a partir dos 60 anos de idade.

A expectativa do governo é de que as alterações na regra do BPC sejam responsáveis pela economia de R$ 182 bilhões em dez anos.Defensor da reforma, o deputado federal Eduardo Cury (PSDB-SP) afirma que o Brasil se tornará inviável, caso as regras da Previdência não sejam alteradas e modernizadas.

“Nós temos um sistema Previdenciário que gasta muito e gasta mal. Nós gastamos com Previdência quase 15 vezes o que o orçamento federal gasta com educação”, comparou.

Para o parlamentar, “é impossível termos um país do futuro gastando tão pouco com jovens e gastando tanto com uma previdência absolutamente injusta, em nem todos são iguais”.

Após apresentação do parecer do relator, o texto precisa ser aprovado pela Comissão Especial e, então, seguir para a votação no Plenário da Câmara, onde precisará de 308 dos 513 votos, antes de entrar em pauta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Pontos da proposta

Da forma como foi enviada ao Congresso Nacional, o texto da nova Previdência estabelece, entre outras coisas, que a idade mínima para se aposentar seja de 62 anos para mulheres e 65 para homens. Os beneficiários deverão ainda contribuir por um período mínimo de 20 anos. O texto propõe ainda que policiais civis, federais, agentes penitenciários e socioeducativos possam se aposentar com 55 anos de idade e com tempo de contribuição específico para cada categoria.
 

Fonte: <a href='https://www.brasil61.com/noticias/relator-na-comissao-especial-garante-que-texto-da-previdencia-deve-ser-apresentado-ate-15-de-junho-pind191267' target='_blank'>Brasil 61</a>

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O relator da proposta de reforma da Previdência na Comissão Especial que analisa o tema, deputado Samuel Moreira (PSDB-SP), afirmou que apresentará seu parecer sobre o tema até o próximo dia 15 de junho.

TEC./SONORA: Samuel Moreira (PDSB-SP), deputado

“Estamos trabalhando em cima do projeto que o governo enviou e vamos continuar assim. Haverá um relatório até o dia 15 de junho. Nós vamos apresentar um relatório e pode ser até antes”. 
 

LOC.: A Comissão Especial que debate a reforma da Previdência recebeu, nesta semana, professores e especialistas para debater o Benefício de Prestação Continuada (BPC) e o abono salarial.

Previsto da Lei Orgânica da Assistência Social (LOAS), o BPC garante um salário mínimo para pessoas com deficiência e idosos com 65 anos ou mais que não têm como se manter com os próprios recursos ou com ajuda da família. Pela proposta apresentada pelo governo, o pagamento integral do salário fica restrito aos maiores de 70 anos. No entanto, os idosos passariam a ter direito a uma renda mensal antecipada de R$ 400 a partir dos 60 anos de idade. A expectativa é de que as alterações na regra sejam responsáveis pela economia de R$ 182 bilhões em dez anos.

Defensor da reforma, o deputado federal Eduardo Cury (PSDB-SP) afirma que o Brasil se tornará inviável, caso as regras da Previdência não sejam alteradas e modernizadas.

TEC./SONORA: Eduardo Cury (PSDB-SP), deputado federal

“Nós temos um sistema Previdenciário que gasta muito e gasta mal. Nós gastamos com Previdência quase 15 vezes o que o orçamento federal gasta com educação. É impossível termos um país do futuro gastando tão pouco com jovens e gastando tanto com uma previdência absolutamente injusta, em que nem todos são iguais. Então, nós precisamos fazer uma reforma.”
 

LOC.: Após apresentação do parecer, o texto precisa ser aprovado pela Comissão Especial e, então, seguir para a votação no Plenário da Câmara, onde precisará de 308 dos 513 votos, antes de entrar em pauta na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado.

Com a colaboração de João Paulo Machado, reportagem, Juliana Gonçalves