Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Marcos Corrêa/ PR/ Agência Brasil

Regina Duarte diz “sim” a Bolsonaro e assumirá pasta da Cultura

Apesar da sinalização positiva da atriz, a data para oficializar ainda não foi divulgada e a nomeação depende de publicação no Diário Oficial da União.

Salvar imagemTexto para rádio

O “casamento” de Regina Duarte com o presidente Jair Bolsonaro sairá do papel. A atriz aceitou o convite de Bolsonaro para assumir a Secretaria de Cultura do governo. Ela assume vaga deixada por Roberto Alvim, demitido após fazer discurso com referências nazistas. Apesar da sinalização positiva da atriz, a data para oficializar ainda não foi divulgada e a nomeação depende de publicação no Diário Oficial da União. 

Regina terá pela frente a missão de atuar na formulação de políticas, programas, projetos e ações que promovam a cidadania por meio da cultura. O setor audiovisual e a Agência Nacional do Cinema (Ancine) estão sob o guarda-chuva da secretaria, assim como o Programa Nacional de Cultura, o Programa de Incentivo à Leitura, o Programa de Cultura do Trabalhador e o Programa Nacional de Apoio à Cultura, instituído pela Lei Rouanet.

Embora não tenha sido oficialmente nomeada, na semana passada Regina convidou a atual secretária de Diversidade Cultural, Jane Silva, conhecida como Reverenda Jane, para o cargo de secretária-adjunta da pasta. A Secretaria Especial da Cultura foi criada em janeiro de 2019, quando Bolsonaro extinguiu o Ministério da Cultura (MinC).

Em nota da Rede Globo de TV afirmou que a emissora e Regina Duarte estão “negociando o fim da relação contratual, em função da decisão da atriz de aceitar o convite para ocupar” o cargo no governo.

 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

O “casamento” de Regina Duarte com o presidente Jair Bolsonaro sairá do papel. A atriz aceitou o convite de Bolsonaro para assumir a Secretaria de Cultura do governo. Ela assume vaga deixada por Roberto Alvim, demitido após fazer discurso com referências nazistas. Apesar da sinalização positiva da atriz, a data para oficializar ainda não foi divulgada e a nomeação depende de publicação no Diário Oficial da União. 

Regina terá pela frente a missão de atuar na formulação de políticas, programas, projetos e ações que promovam a cidadania por meio da cultura. O setor audiovisual e a Agência Nacional do Cinema (Ancine) estão sob o guarda-chuva da secretaria, assim como o Programa Nacional de Cultura, o Programa de Incentivo à Leitura, o Programa de Cultura do Trabalhador e o Programa Nacional de Apoio à Cultura, instituído pela Lei Rouanet.

Embora não tenha sido oficialmente nomeada, na semana passada Regina convidou a atual secretária de Diversidade Cultural, Jane Silva, conhecida como Reverenda Jane, para o cargo de secretária-adjunta da pasta. A Secretaria Especial da Cultura foi criada em janeiro de 2019, quando Bolsonaro extinguiu o Ministério da Cultura (MinC).

Em nota da Rede Globo de TV afirmou que a emissora e Regina Duarte estão “negociando o fim da relação contratual, em função da decisão da atriz de aceitar o convite para ocupar” o cargo no governo.

Reportagem, Camila Costa