Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Pixabay

“Que nível está a sua consciência negra?”

A escolha de 20 de novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra foi inspirada na data da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695

Salvar imagemTexto para rádio

Nesta quarta-feira, dia 20 de novembro, é celebrado o Dia Nacional da Consciência Negra. Segundo o presidente do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Roberto Alves, antes de citar dados, é preciso fazer uma reflexão sobre o significado da data.

“Que nível está a sua consciência negra? Porque consciência é com ciência, conhecimento. Então, o que nós conhecemos ainda sobre os negros no Brasil, sobre a cultura negra no Brasil, sobre a riqueza cultural, de inteligência, de beleza, de contribuição? Se a nossa consciência negra estivesse mais consciente, com certeza diminuiria essa diferença que ainda tem com a comunidade negra no Brasil”, afirma.

Diferença essa que, infelizmente, ainda existe em pleno século 21. De acordo com o informativo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, a população negra tem 2,7 mais chances de ser vítima de assassinato do que os brancos.

Além disso, o levantamento aponta que pretos e pardos, que compõem a população negra do país, são maioria entre trabalhadores desocupados (64,2%) ou subutilizados (66,1%). No que diz respeito a ocupação de cargos gerenciais, os negros são a minoria (29,9%).

Porém, no que se refere ao ensino superior em instituições públicas brasileiras, os dados são positivos. De acordo com a analista de indicadores sociais do IBGE Luanda Botelho, a proporção de pessoas pretas ou pardas cursando o ensino superior em instituições públicas brasileiras chegou a 50,3% em 2018. De acordo com ela, esta é a primeira vez que a população negra ultrapassa a metade das matrículas em universidades e faculdades públicas.

“Melhoraram os indicadores, levando a uma maior proporção de pessoas pretas ou pardas concluindo o ensino médio, estando aptas a cursar o ensino superior; e a gente tem também nos anos 2000, as políticas de expansão do ensino superior e de democratização do acesso, que seriam as políticas de cotas. Então eu acho que a gente pode explicar esse resultado por essa trajetória de melhora desses indicadores, pelas políticas de acesso ao ensino superior e também por este aumento na autodeclaração da população preta ou parda”, conta.

O empresário Fernando Cândido, negro, de 30 anos, tem uma hamburgueria em São Paulo chamada Rap Burguer, com uma temática de Hip-Hop e Rap. Ele conta que o preconceito racial ainda existe e é visível, mas essa realidade vem mudando gradativamente.

“Quando você tem essa consciência racial, que você consegue, de fato, perceber que você está em uma sociedade que tem um preconceito, um racismo impregnado nela, é impossível viver sem, de fato, combater esse problema”, disse.

A escolha de 20 de novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra foi inspirada na data da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Zumbi foi a liderança mais conhecida do chamado Quilombo dos Palmares, que se localizava na Serra da Barriga, em Alagoas. A data foi estabelecida pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011.

 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Nesta quarta-feira, dia 20 de novembro, é celebrado o Dia Nacional da Consciência Negra. Segundo o presidente do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Roberto Alves, antes de citar dados, é preciso fazer uma reflexão sobre o significado da data.

TEC./SONORA: presidente do Núcleo de Estudos Afro-brasileiros e Indígenas do Centro Universitário de Anápolis UniEVANGÉLICA, Roberto Alves.

“Que nível está a sua consciência negra? Porque consciência é com ciência, conhecimento. Então, o que nós conhecemos ainda sobre os negros no Brasil, sobre a cultura negra no Brasil, sobre a riqueza cultural, de inteligência, de beleza, de contribuição? Se a nossa consciência negra estivesse mais consciente, com certeza diminuiria essa diferença que ainda tem com a comunidade negra no Brasil.”
 

LOC.: Diferença essa que, infelizmente, ainda existe em pleno século 21. De acordo com o informativo Desigualdades Sociais por Cor ou Raça no Brasil, divulgado pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, a população negra tem 2,7 mais chances de ser vítima de assassinato do que os brancos.

Além disso, o levantamento aponta que pretos e pardos, que compõem a população negra do país, são maioria entre trabalhadores desocupados (64,2%) ou subutilizados (66,1%). No que diz respeito a ocupação de cargos gerenciais, os negros são a minoria (29,9%).

Porém, no que se refere ao ensino superior em instituições públicas brasileiras, os dados são positivos. De acordo com a analista de indicadores sociais do IBGE Luanda Botelho, a proporção de pessoas pretas ou pardas cursando o ensino superior em instituições públicas brasileiras chegou a 50,3% em 2018. De acordo com ela, esta é a primeira vez que a população negra ultrapassa a metade das matrículas em universidades e faculdades públicas.
 

TEC./SONORA: analista de indicadores sociais do IBGE, Luanda Botelho.

“Melhoraram os indicadores, levando a uma maior proporção de pessoas pretas ou pardas concluindo o ensino médio, estando aptas a cursar o ensino superior; e a gente tem também nos anos 2000, as políticas de expansão do ensino superior e de democratização do acesso, que seriam as políticas de cotas. Então eu acho que a gente pode explicar esse resultado por essa trajetória de melhora desses indicadores, pelas políticas de acesso ao ensino superior e também por este aumento na autodeclaração da população preta ou parda”.
 

LOC.: O empresário Fernando Cândido, negro, de 30 anos, tem uma hamburgueria em São Paulo chamada Rap Burguer, com uma temática de Hip-Hop e Rap. Ele conta que o preconceito racial ainda existe e é visível, mas essa realidade vem mudando gradativamente.

TEC./SONORA: Fernando Cândido, empresário, 30 anos, morador de São Paulo.

“Quando você tem essa consciência racial, que você consegue, de fato, perceber que você está em uma sociedade que tem um preconceito, um racismo impregnado nela, é impossível viver sem, de fato, combater esse problema.”
 

LOC.: A escolha de 20 de novembro como o Dia Nacional da Consciência Negra foi inspirada na data da morte de Zumbi dos Palmares, em 1695. Zumbi foi a liderança mais conhecida do chamado Quilombo dos Palmares, que se localizava na Serra da Barriga, em Alagoas. A data foi estabelecida pela Lei nº 12.519, de 10 de novembro de 2011.

Reportagem, Cintia Moreira