Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Arquivo/EBC

Petrobras está entre as 20 empresas do mundo que respondem por um terço de toda a emissão de CO2 no mundo

O cálculo leva em conta as emissões desde a extração até o uso final do combustível

Salvar imagemTexto para rádio

Um estudo do instituto de pesquisas Climate Accountability Institute, divulgado inicialmente pelo jornal inglês The Guardian, aponta que um grupo de 20 empresas correspondem a um terço de toda a emissão de CO2 no mundo, desde 1965. A brasileira Petrobras ocupa a 20ª posição.

Essas empresas produtoras de petróleo, gás natural e carvão foram responsáveis por 480,17 bilhões de toneladas de dióxido de carbono e metano liberados na atmosfera, equivalendo a 35,45% das emissões totais de combustíveis fósseis e cimento, que foram de 1,35 trilhão de toneladas. O cálculo leva em conta as emissões desde a extração até o uso final do combustível.

A saudita Saudi Aramco encabeça a lista, com 59,26 bilhões de toneladas de dióxido de carbono jogados na atmosfera, correspondendo a 4,38% do total mundial no período. Em seguida aparecem a estadunidense Chevron, com 43,34 bilhões (3,20% do total), e a russa Gazprom, constando com 43,23 bilhões (3,19% do total). A Petrobras responde por 8,68 bilhões de toneladas, o que equivale a 0,64% do total.

O estudo diz que essas empresas possuem responsabilidade “moral, financeira e legal” pela crise climática, e proporcional carga de responsabilidade para combater o problema. A análise também aponta que a crise está piorando, e as emissões globais continuam crescendo. 

A pesquisa encerra afirmando que as empresas devem se comprometer a reduzir a futura produção de combustíveis fósseis e suas emissões, ajustado com o Acordo de Paris. Um dos objetivos do tratado é limitar o aumento da temperatura do planeta a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.


 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Um estudo do instituto de pesquisas Climate Accountability Institute, divulgado inicialmente pelo jornal inglês The Guardian, aponta que um grupo de 20 empresas correspondem a um terço de toda a emissão de CO2 no mundo, desde 1965. A brasileira Petrobras ocupa a 20ª posição.

Essas empresas produtoras de petróleo, gás natural e carvão foram responsáveis por 480,17 bilhões de toneladas de dióxido de carbono e metano liberados na atmosfera, equivalendo a 35,45% das emissões totais de combustíveis fósseis e cimento, que foram de 1,35 trilhão de toneladas. O cálculo leva em conta as emissões desde a extração até o uso final do combustível.

A saudita Saudi Aramco encabeça a lista, com 59,26 bilhões de toneladas de dióxido de carbono jogados na atmosfera, correspondendo a 4,38% do total mundial no período. Em seguida aparecem a estadunidense Chevron, com 43,34 bilhões (3,20% do total), e a russa Gazprom, constando com 43,23 bilhões (3,19% do total). A Petrobras responde por 8,68 bilhões de toneladas, o que equivale a 0,64% do total.

O estudo diz que essas empresas possuem responsabilidade “moral, financeira e legal” pela crise climática, e proporcional carga de responsabilidade para combater o problema. A análise também aponta que a crise está piorando, e as emissões globais continuam crescendo. 

A pesquisa encerra afirmando que as empresas devem se comprometer a reduzir a futura produção de combustíveis fósseis e suas emissões, ajustado com o Acordo de Paris. Um dos objetivos do tratado é limitar o aumento da temperatura do planeta a 1,5°C acima dos níveis pré-industriais.

Reportagem, Leopoldo Gomes Costa