Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Divulgação/Chapecoense

Personalidades lamentam morte do jornalista Rafael Henzel

O profissional morreu na noite desta terça-feira (26), após sofrer um infarto enquanto jogava uma partida de futebol em Chapecó

Salvar imagemTexto para rádio

A notícia do falecimento do jornalista Rafael Henzel, de 45 anos, foi lamentada por políticos, personalidades e entidades ligadas ao futebol.

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, lamentou profundamente a morte do jornalista e disse que ele “deixa um exemplo de amor à sua profissão e à cidade que escolheu para viver”. Luciano Buligon, prefeito de Chapecó, disse que Henzel “se tornou porta-voz da reconstrução da tragédia da Chapecoense pelas centenas de palestras que fez, pelos pronunciamentos nas rádios e pelos seus comentários”. O prefeito se solidarizou com toda a família e disse que o jornalista fará muita falta.

Pelas redes sociais, Jakson Follmann, um dos sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense, se solidarizou e disse que “tenta encontrar respostas, entender o que está acontecendo. Que Deus conforte o coração de toda a família. Deixará saudades como profissional, pai, esposo e amigo”, escreveu o ex-goleiro.

O jornalista Marcinho San, da Rádio Oeste Capital, onde Rafael Henzel trabalhava, foi o responsável por comunicar a morte aos ouvintes. Em nota, a Associação Chapecoense de Futebol lamentou o ocorrido, se solidarizou com toda a família e disse “que ele se tornou um símbolo da reconstrução do clube e, nas páginas verde e brancas da instituição, sempre haverá a lembrança de seu exemplo de superação e de tudo que fez com amor pelo time, pela cidade de Chapecó e por todos os apaixonados por futebol”. 

Uma das principais figuras do futebol brasileiro, o narrador Galvão Bueno, da TV Globo, enviou uma coroa de flores em homenagem à Henzel.

O radialista morreu na noite passada, vítima de um infarto enquanto jogava uma partida de futebol em Chapecó, no oeste catarinense. Ele chegou a ser levado ao hospital com vida, mas não resistiu. 
 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

A notícia do falecimento do jornalista Rafael Henzel, de 45 anos, foi lamentada por políticos, personalidades e entidades ligadas ao futebol.

O governador de Santa Catarina, Carlos Moisés, lamentou profundamente a morte do jornalista e disse que ele “deixa um exemplo de amor à sua profissão e à cidade que escolheu para viver”. Luciano Buligon, prefeito de Chapecó, disse que Henzel “se tornou porta-voz da reconstrução da tragédia da Chapecoense pelas centenas de palestras que fez, pelos pronunciamentos nas rádios e pelos seus comentários”. O prefeito se solidarizou com toda a família e disse que o jornalista fará muita falta.

Pelas redes sociais, Jakson Follmann, um dos sobreviventes do acidente aéreo da Chapecoense, se solidarizou e disse que “tenta encontrar respostas, entender o que está acontecendo. Que Deus conforte o coração de toda a família. Deixará saudades como profissional, pai, esposo e amigo”, escreveu o ex-goleiro.

O jornalista Marcinho San, da Rádio Oeste Capital, onde Rafael Henzel trabalhava, foi o responsável por comunicar a morte aos ouvintes. Em nota, a Associação Chapecoense de Futebol lamentou o ocorrido, se solidarizou com toda a família e disse “que ele se tornou um símbolo da reconstrução do clube e, nas páginas verde e brancas da instituição, sempre haverá a lembrança de seu exemplo de superação e de tudo que fez com amor pelo time, pela cidade de Chapecó e por todos os apaixonados por futebol”. 

Uma das principais figuras do futebol brasileiro, o narrador Galvão Bueno, da TV Globo, enviou uma coroa de flores em homenagem à Henzel.

O radialista morreu na noite passada, vítima de um infarto enquanto jogava uma partida de futebol em Chapecó, no oeste catarinense. Ele chegou a ser levado ao hospital com vida, mas não resistiu. 

Reportagem, Tainá Ferreira