Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Divulgação/SENAI

Paraíba terá de qualificar 99 mil trabalhadores em profissões industriais até 2023

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas de transversais e energia e telecomunicações demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Salvar imagemTexto para rádio

O estado da Paraíba terá de qualificar 99.118 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Só de profissionais com habilidades transversais, o estado precisará qualificar 4.415. Esses profissionais são aqueles que trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção. Em seguida, as principais demandas virão das áreas de energia e telecomunicações (1.792); informática (1.397); têxtil (1.290); e metalmecânica (1.266).

Segundo o gerente-executivo de Educação Profissional e Tecnologia do SENAI da Paraíba, Janildo Sales, o setor da construção civil é responsável por aproximadamente metade do trabalho industrial realizado no estado. 

“A construção civil é transversal. Quando você está fazendo a construção de um condomínio, uma residência, você irá necessitar de profissionais com outras habilidades. Isso proporciona desenvolvimento amplo para todas as cidades”, aponta.

Para Sales, o SENAI está atento às dinâmicas e mudanças presentes na indústria paraibana e oferece cursos atualizados com o objetivo de abrir o leque de oportunidade para os alunos da região.

“Surgirão novas profissões. A gente tem incentivado as escolas a construírem. Estamos construindo novas ações, novos cursos. Nas nossas ações, também estamos trabalhando as metodologias ativas para que o aluno possa sair com uma condição de encarar o mercado de trabalho”, completou.

Qualificação profissional

A área têxtil será a quarta com maior demanda de formação por técnicos até 2023 no estado. Magno Rossi é diretor de uma fábrica da Coteminas na Paraíba. A empresa, com sede em Minas Gerais, conta com cerca de 1.400 funcionários e atua nas áreas de fiação e tecido de algodão. Para Rossi, a atuação do SESI e do SENAI é fundamental na formação de mão de obra qualificada para o setor.

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

Arte: Sabrine Cruz e Italo Novais/Agência do Rádio Mais

“Nós temos agora no SENAI, em João Pessoa, uma escola têxtil, onde fazem a formação de técnicos e até em curso superior na formação têxtil. Isso nos ajuda muito. O SENAI é fundamental. Tanto o SENAI, na parte técnica, quanto o SESI, na parte de saúde e segurança, são fundamentais para o nosso desenvolvimento”, ressaltou.

Para o deputado federal Ruy Carneiro (PSDB-PB), a capacitação profissional é fundamental, inclusive, para que os profissionais paraibanos possam atender às demandas de empresas instaladas fora do estado.

“Nós temos, às vezes, empresas que vêm de fora e precisam de uma mão de obra qualificada. Esse treinamento de mão de obra faz com que nós não percamos empregos no estado”, pontua.

O Mapa do Trabalho Industrial mostra ainda que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de técnicos de planejamento e controle de produção (2.114); e técnicos em eletrônica (987).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, é só acessar o site fiepb.com.br/senai ou comparecer a uma das unidades do SENAI. Mais informações podem consultadas pelo telefone (83) 2101-5311.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O estado da Paraíba terá de qualificar 99.118 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).

Só de profissionais com habilidades transversais, o estado precisará qualificar 4.415. Esses profissionais são aqueles que trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção. Em seguida, as principais demandas virão das áreas de energia e telecomunicações (1.792); informática (1.397); têxtil (1.290); e metalmecânica (1.266).

Segundo o gerente-executivo de Educação Profissional e Tecnologia do SENAI da Paraíba, Janildo Sales, o setor da construção civil é responsável por aproximadamente metade do trabalho industrial realizado no estado. 

TEC./SONORA: Janildo Sales, gerente-executivo de Educação Profissional e Tecnologia do SENAI da Paraíba

“A construção civil é transversal. Quando você está fazendo a construção de um condomínio, uma residência, você irá necessitar de profissionais com outras habilidades. Isso proporciona desenvolvimento amplo para todas as cidades.”

LOC.: A área têxtil será a quarta com maior demanda de formação por técnicos até 2023 no estado. Magno Rossi é diretor de uma fábrica da Coteminas na Paraíba. A empresa, com sede em Minas Gerais, conta com cerca de 1.400 funcionários e atua nas áreas de fiação e tecido de algodão. Para Rossi, a atuação do SESI e do SENAI é fundamental na formação de mão de obra qualificada para o setor.

TEC./SONORA: Magno Rossi, diretor da fábrica da Coteminas na Paraíba

“Nós temos agora no SENAI, em João Pessoa, uma escola têxtil, onde fazem a formação de técnicos e até em curso superior na formação têxtil. Isso nos ajuda muito. O SENAI é fundamental. Tanto o SENAI, na parte técnica, quanto o SESI, na parte de saúde e segurança, são fundamentais para o nosso desenvolvimento.”

LOC.: Para o deputado federal Ruy Carneiro (PSDB-PB), a capacitação profissional é fundamental, inclusive, para que os profissionais paraibanos possam atender às demandas de empresas instaladas fora do estado.

TEC./SONORA: Ruy Carneiro (PSDB-PB), deputado federal

“Nós temos, às vezes, empresas que vêm de fora e precisam de uma mão de obra qualificada. Esse treinamento de mão de obra faz com que nós não percamos empregos no estado.”

LOC.: O Mapa do Trabalho Industrial mostra ainda que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de técnicos de planejamento e controle de produção (2.114); e técnicos em eletrônica (987).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, é só acessar o site fiepb.com.br/senai ou comparecer a uma das unidades do SENAI. Mais informações podem consultadas pelo telefone (83) 2101-5311. Repetindo, (83) 2101-5311.

Com a colaboração de Paulo Henrique Gomes, reportagem Sara Rodrigues