Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Reprodução AFA

Para sair da fila, Argentina aposta em sangue novo

Hermanos acumulam jejum de 26 anos sem títulos importantes

Salvar imagemTexto para rádio

Com 14 troféus de Copa América no currículo, a Argentina chega ao Brasil com o objetivo de igualar o número de títulos do rival, Uruguai. Assim, os ‘hermanos’ dividiriam com a ‘celeste’, o posto de maior campeão das Américas.

O título deste ano, no entanto, pode representar algo ainda maior. O fim do jejum de 26 anos sem levantar troféus. A última grande conquista da seleção argentina foi justamente uma Copa América. Na edição de 1993, disputada no Equador, os argentinos venceram o México na final e ficaram com o título. O atacante Batistuta foi um dos grandes nomes da competição, marcando, inclusive, os dois gols da vitória na final.

De lá para cá, além da fila, muitas decepções. Ao todo, a Argentina chegou quatro vezes na final, ficando em segundo lugar em todas essas oportunidades.
Em 2004 e 2007 perdeu a final para o Brasil. Nas últimas duas edições, os ‘albicelestes’ acabaram derrotados para o Chile, nos pênaltis. Quando sediou a Copa América, em 2011, foi eliminada nas quartas de final para o Uruguai.

Além disso, a sucessão de fiascos em Copas do Mundo aumenta a pressão sobre os nossos vizinhos e sobre a principal estrela, Messi, que apesar de ter conquistado todos os títulos com o Barcelona, nunca foi campeão com a seleção principal.

Créditos: Ítalo Novais - Agência do Rádio Mais

Após o mundial do ano passado, três “medalhões” deixaram a equipe. Higuaín, personagem por perder gols claros nas finais, Mascherano e Banega não fazem mais parte do time.

O técnico Lionel Scaloni, que assumiu a equipe no ano passado, resolveu promover uma renovação. Para esta Copa América, convocou 10 nomes que jamais atuaram pela seleção em uma competição oficial. A lista, porém, ainda conta com personagens experientes, como Aguero, Di Maria, Dybala, Lo Celso e Otamendi.
Antes de estrear na Copa América, a Argentina fez um amistoso contra a Nicarágua e venceu com facilidade. Cinco a um, com dois gols de Messi, dois de Lautaro Martínez e um de Roberto Pereyra.

A Argentina está no grupo B e terá Colômbia, Paraguai e Catar como adversários. O primeiro compromisso dos ‘hermanos’ rumo ao título não será fácil. Os argentinos enfrentam a boa seleção colombiana, no sábado, dia 15 de junho, às sete da noite, na Arena Fonte Nova.

Continue Lendo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Com 14 troféus de Copa América no currículo, a Argentina chega ao Brasil com o objetivo de igualar o número de títulos do rival, Uruguai. Assim, os ‘hermanos’ dividiriam com a ‘celeste’, o posto de maior campeão das Américas.

O título deste ano, no entanto, pode representar algo ainda maior. O fim do jejum de 26 anos sem levantar troféus. A última grande conquista da seleção argentina foi justamente uma Copa América. Na edição de 1993, disputada no Equador, os argentinos venceram o México na final e ficaram com o título. O atacante Batistuta foi um dos grandes nomes da competição, marcando, inclusive, os dois gols da vitória na final.

De lá para cá, além da fila, muitas decepções. Ao todo, a Argentina chegou quatro vezes na final, ficando em segundo lugar em todas essas oportunidades.
Em 2004 e 2007 perdeu a final para o Brasil. Nas últimas duas edições, os ‘albicelestes’ acabaram derrotados para o Chile, nos pênaltis. Quando sediou a Copa América, em 2011, foi eliminada nas quartas de final para o Uruguai.

Além disso, a sucessão de fiascos em Copas do Mundo aumenta a pressão sobre os nossos vizinhos e sobre a principal estrela, Messi, que apesar de ter conquistado todos os títulos com o Barcelona, nunca foi campeão com a seleção principal.

Após o mundial do ano passado, três “medalhões” deixaram a equipe. Higuaín, personagem por perder gols claros nas finais, Mascherano e Banega não fazem mais parte do time.

O técnico Lionel Scaloni, que assumiu a equipe no ano passado, resolveu promover uma renovação. Para esta Copa América, convocou 10 nomes que jamais atuaram pela seleção em uma competição oficial. A lista, porém, ainda conta com personagens experientes, como Aguero, Di Maria, Dybala, Lo Celso e Otamendi.
Antes de estrear na Copa América, a Argentina fez um amistoso contra a Nicarágua e venceu com facilidade. Cinco a um, com dois gols de Messi, dois de Lautaro Martínez e um de Roberto Pereyra.

A Argentina está no grupo B e terá Colômbia, Paraguai e Catar como adversários. O primeiro compromisso dos ‘hermanos’ rumo ao título não será fácil. Os argentinos enfrentam a boa seleção colombiana, no sábado, dia 15 de junho, às sete da noite, na Arena Fonte Nova.

Reportagem, Raphael Costa