Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: USP

Pagar dívidas ou investir? Especialista dá dicas do que fazer com o dinheiro do FGTS

Segundo a Caixa, saques vão injetar mais de R$28 bilhões na economia

Salvar imagemTexto para rádio

Com a liberação dos saques do FGTS, 96 milhões de brasileiros vão ser beneficiados em todo o Brasil. Somente neste ano, a estimativa é que sejam injetados mais de R$ 28 bilhões na economia. Todos os trabalhadores que possuem contas ativas ou inativas do FGTS podem sacar até R$500 de cada conta. Caso a pessoa tenha conta poupança na Caixa Econômica Federal, o valor será depositado automaticamente.

O calendário com o cronograma foi divulgado nesta semana e os pagamentos começam a ser feitos em setembro para clientes da Caixa e em outubro para quem não é correntista do banco. Lembrando que as datas de recebimento vão variar de acordo com a data de nascimento do trabalhador.

O especialista em finanças Bruno Papi recomenda o uso do dinheiro para pagar dívidas apenas nos casos em que toda a dívida for quitada. Se sua ideia é fazer o dinheiro render, a dica é aplicar o dinheiro no Tesouro Direto, um dos investimentos mais populares do Brasil.

“Através de qualquer corretora ela consegue fazer isso. Vai pagar uma taxa muito pequena de 0,3% ao ano. Hoje, a maioria das corretoras e até os bancos isentam taxas de administração. Ela consegue investir com estes R$500, porque a partir de R$30 que ela investe no Tesouro Direto e aí ela já tem uma boa opção para ter uma reserva que hoje, provavelmente, ela não tem. R$500 vai mudar a vida das pessoas? Não. Mas é um primeiro passo e é um dinheiro inesperado, que é do trabalhador e estava lá retido no FGTS rendendo só 3% ao ano”, disse.

Outra sugestão de investimento é no Tesouro Selic ou no Certificado de Depósito Bancário, conhecido como CDB.

“Ele pode investir em um título, por exemplo, o Tesouro Selic, que vai render próximo de 6% ao ano ou em um CDB (Certificado de Depósito Bancário) de um bom banco, que paga 100% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que vai render também próximo de 6% ao ano, que é o dobro do que renderia no FGTS. E o melhor, é ter o dinheiro ali à disposição na mão dela, para qualquer eventualidade que precisar”, afirma.

Você pode consultar os valores disponíveis e obter mais informações sobre o pagamento do FGTS pelo site fgts.caixa.gov.br. Vale lembrar que as casas lotéricas e os correspondentes bancários da Caixa também estão autorizados a liberar o saque. Para sacar o dinheiro, além de documento de identificação com foto, da Carteira de Trabalho e do número de inscrição no PIS/PASEP, são exigidos documentos específicos, dependendo da circunstância em que o trabalhador solicitar a retirada do dinheiro.
 

Fonte: <a href='https://www.brasil61.com/noticias/pagar-dividas-ou-investir-especialista-da-dicas-do-que-fazer-com-o-dinheiro-do-fgts-pran197666' target='_blank'>Brasil 61</a>

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Com a liberação dos saques do FGTS, 96 milhões de brasileiros vão ser beneficiados em todo o Brasil. Somente neste ano, a estimativa é que sejam injetados mais de R$ 28 bilhões na economia. Todos os trabalhadores que possuem contas ativas ou inativas do FGTS podem sacar até R$500 de cada conta. Caso a pessoa tenha conta poupança na Caixa Econômica Federal, o valor será depositado automaticamente.

O calendário com o cronograma foi divulgado nesta semana e os pagamentos começam a ser feitos em setembro para clientes da Caixa e em outubro para quem não é correntista do banco. Lembrando que as datas de recebimento vão variar de acordo com a data de nascimento do trabalhador.

O especialista em finanças Bruno Papi recomenda o uso do dinheiro para pagar dívidas apenas nos casos em que toda a dívida for quitada. Se sua ideia é fazer o dinheiro render, a dica é aplicar o dinheiro no Tesouro Direto, um dos investimentos mais populares do Brasil.
 

“Através de qualquer corretora ela consegue fazer isso. Vai pagar uma taxa muito pequena de 0,3% ao ano. Hoje, a maioria das corretoras e até os bancos isentam taxas de administração. Ela consegue investir com estes R$500, porque a partir de R$30 que ela investe no Tesouro Direto e aí ela já tem uma boa opção para ter uma reserva que hoje, provavelmente, ela não tem. R$500 vai mudar a vida das pessoas? Não. Mas é um primeiro passo e é um dinheiro inesperado, que é do trabalhador e estava lá retido no FGTS rendendo só 3% ao ano.”

Outra sugestão de investimento é no Tesouro Selic ou no Certificado de Depósito Bancário, conhecido como CDB.

“Ele pode investir em um título, por exemplo, o Tesouro Selic, que vai render próximo de 6% ao ano ou em um CDB (Certificado de Depósito Bancário) de um bom banco, que paga 100% do CDI (Certificado de Depósito Interbancário), que vai render também próximo de 6% ao ano, que é o dobro do que renderia no FGTS. E o melhor, é ter o dinheiro ali à disposição na mão dela, para qualquer eventualidade que precisar.”

Você pode consultar os valores disponíveis e obter mais informações sobre o pagamento do FGTS pelo site fgts.caixa.gov.br. Vale lembrar que as casas lotéricas e os correspondentes bancários da Caixa também estão autorizados a liberar o saque. Para sacar o dinheiro, além de documento de identificação com foto, da Carteira de Trabalho e do número de inscrição no PIS/PASEP, são exigidos documentos específicos, dependendo da circunstância em que o trabalhador solicitar a retirada do dinheiro.

Reportagem, Cintia Moreira