Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Agência Brasil

Obesidade afeta um em cada cinco brasileiros e aumenta risco de doenças graves como diabetes e câncer

Segundo endocrinologista da Novo Nordisk, alimentação não é único fator que causa a obesidade; diagnóstico inclui fatores psicológicos e até genéticos

Salvar imagemTexto para rádio

O comunicador Luciano Beregeno, 51 anos, morador de Brasília, é um dos milhões de brasileiros que já sofreram com a obesidade, doença que afeta quase um quinto da população, segundo o Ministério da Saúde. Há 10 anos, quando ele pesava 125 quilos, foi diagnosticado com um linfoma, tipo de câncer que ataca órgãos e tecidos que produzem as células responsáveis pela imunidade do organismo.

“Quando eu terminei a quimioterapia, o médico me alertou que eu precisava tratar a obesidade porque ela é um fator de risco que pode levar à reincidência do câncer”, conta.

“Alguns tipos de câncer são relacionados à obesidade. Ela diminui a expectativa de vida da pessoa e aumenta a mortalidade. É um problema de saúde pública que acomete grande parte da população brasileira. Então, é importante a gente identificar e tratar a obesidade”, alerta a endocrinologista e Diretora Médica da Novo Nordisk, Priscilla Mattar.

Além do câncer enfrentado por Luciano, a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Saúde Metabólica (ABESO) alerta que pessoas com obesidade têm mais chances de desenvolver pressão alta, problemas respiratórios, diabetes tipo 2 e complicações cardiovasculares, como insuficiência cardíaca, infartos e AVC.

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

No caso de Luciano Beregeno, após se consultar com especialistas, a indicação médica foi a cirurgia bariátrica. Hoje, ele pesa 70 quilos, mas alerta que a redução de estômago não é o que garante uma vida saudável nem a manutenção do peso. “O que eu pude perceber foi que eu mudei meus hábitos. Não só os hábitos alimentares, como também a prática de exercícios físicos. Eu sei que a bariátrica não é uma solução definitiva. Não existe fórmula mágica para você emagrecer. Agora, eu tenho que lutar para manter meu peso”, afirma.

Perigos

Em busca do corpo perfeito, os brasileiros têm colocado em risco a própria saúde ao seguirem tratamentos e dietas “milagrosas” para emagrecer, comumente encontrados na internet e nas redes sociais. Essa prática, segundo especialistas, é perigosa porque a alimentação não é o único fator causador da obesidade.

“O que é importante é fazer o diagnóstico. A gente recomenda a busca por um profissional especializado, que consegue dar suporte ao paciente. Não é um tratamento simples. A obesidade pode ser causada por várias coisas diferentes. Tem alguns distúrbios psicológicos e até fatores genéticos que podem causar o diagnóstico. O estilo de vida moderno também propicia a obesidade”, esclarece a endocrinologista Priscilla Mattar.

A especialista reforça ainda que a orientação de médicos e psicólogos durante o tratamento da obesidade evita que a condição física interfira, por exemplo, na autoestima e no processo de acompanhamento do paciente. “Isso é importante até para tirar o peso das costas da pessoa com obesidade. Ela costuma sentir culpa pelo estado em que está, mas a gente sabe que não é algo para se culpar. Na verdade, é uma doença crônica, assim como um diabetes ou uma hipertensão”, completa Priscilla.

Como forma de prevenir a obesidade, principalmente entre crianças, a Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere o consumo de alimentos como arroz, trigo e batatas, combinados com legumes, vegetais frescos, frutas e alimentos de fonte animal. A dica é dar preferência para alimentos integrais, que contêm grande fonte de fibras e aumentam a saciedade.

É recomendado reduzir a ingestão de alimentos com alto teor de açúcar, sal e gorduras, substituindo por vegetais crus, nozes sem sal e frutas secas, por exemplo. A OMS orienta ainda que a dieta diária deve incluir carnes brancas e alimentos naturais cozidos ou assados, em vez de fritos.

Além de uma alimentação balanceada, a endocrinologista Priscilla Mattar aponta que a prática de exercícios físicos, ao menos, três vezes na semana contribui para diminuir os riscos da obesidade.

Exame gratuito

Para alertar e reforçar a conscientização da população sobre essa doença crônica que é um dos maiores desafios da saúde pública global, o Dia Mundial da Obesidade será lembrado, pela primeira vez no mundo todo, em 4 de março.

Em São Paulo, a campanha “Saúde Não Se Pesa”, uma parceria entre a ABESO e a Novo Nordisk, vai oferecer gratuitamente o exame de bioimpedância, que analisa a composição corporal e indica a quantidade aproximada de gordura no corpo.

Quem comparecer entre os dias 4 e 7 de março, das onze da manhã às oito da noite, no Shopping Eldorado, na Zona Oeste da capital paulista, também poderá tirar dúvidas e receber dicas de nutricionistas. As pessoas que forem diagnosticadas com obesidade serão orientadas a buscar um médico especialista.

A ação vai contar com a presença do ator e humorista Leandro Hassum. Mais informações podem ser consultadas pelo site saudenaosepesa.com.br ou pelas redes sociais da campanha no Facebook e no Instagram.

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O comunicador Luciano Beregeno, 51 anos, morador de Brasília, é um dos milhões de brasileiros que já sofreram com a obesidade, doença que afeta quase um quinto da população, segundo o Ministério da Saúde. Há 10 anos, quando ele pesava 125 quilos, foi diagnosticado com um linfoma, tipo de câncer que ataca órgãos e tecidos que produzem as células responsáveis pela imunidade do organismo.

Após se consultar com especialistas, a indicação médica foi a cirurgia bariátrica. Hoje, Beregeno pesa 70 quilos, mas alerta que a redução de estômago não é o que garante uma vida saudável nem a manutenção do peso.

TEC./SONORA: Luciano Beregeno, 51 anos

“O que eu pude perceber foi que mudei meus hábitos. Não só os hábitos alimentares, como também a prática de exercícios físicos. Eu sei que a bariátrica não é uma solução definitiva. Não existe fórmula mágica para emagrecer. Agora, eu tenho que lutar para manter meu peso.”

LOC.: Além do câncer enfrentado por Luciano, a Associação Brasileira para o Estudo da Obesidade e Saúde Metabólica (ABESO) alerta que pessoas com obesidade têm mais chances de desenvolver pressão alta, problemas respiratórios, diabetes tipo 2 e complicações cardiovasculares, como insuficiência cardíaca, infartos e AVC.

Em busca do corpo perfeito, os brasileiros têm colocado em risco a própria saúde ao seguirem tratamentos e dietas “milagrosas” para emagrecer, comumente encontrados na internet e nas redes sociais. Essa prática, segundo a endocrinologista e Diretora Médica da Novo Nordisk, Priscilla Mattar, é perigosa porque a alimentação não é o único fator causador da obesidade.

TEC./SONORA: endocrinologista e Diretora Médica da Novo Nordisk, Priscilla Mattar
 

“A gente recomenda a busca por um profissional especializado, que consegue dar suporte ao paciente. A obesidade pode ser causada por alguns distúrbios psicológicos e até fatores genéticos. O estilo de vida moderno também propicia a obesidade.”

LOC.: Para alertar a população sobre essa doença crônica, o Dia Mundial da Obesidade será lembrado, pela primeira vez no mundo todo, em 4 de março. Em São Paulo, a campanha “Saúde Não Se Pesa”, uma parceria entre a ABESO e a Novo Nordisk, vai oferecer gratuitamente um exame que analisa a composição corporal e indica a quantidade aproximada de gordura no corpo.

Quem comparecer entre os dias 4 e 7 de março, das onze da manhã às oito da noite, no Shopping Eldorado, na Zona Oeste da capital paulista, também poderá tirar dúvidas e receber dicas de nutricionistas. A ação vai contar ainda com a presença do ator e humorista Leandro Hassum. Mais informações podem ser consultadas pelo site saudenaosepesa.com.br ou pelas redes sociais da campanha no Facebook e no Instagram.

Reportagem, Daniel Marques