Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Crédito: Sabrine Cruz/Agência do Rádio Mais

Mais de 12 milhões de brasileiros foram vítimas de golpes financeiros em 2018, estima levantamento

O maior número de fraudes está relacionado ao não recebimento de produtos e à clonagem de cartões de crédito. Prejuízos somados chegam a cerca de R$ 1,8 bilhão

Salvar imagemTexto para rádio

Quase a metade (46%) dos internautas brasileiros foi vítima de algum tipo de golpe financeiro no último ano. Isto equivale a um pouco mais de 12 milhões de pessoas. A estimativa é de um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito, o SPC Brasil. Ainda segundo a pesquisa, as fraudes somaram prejuízos de cerca de R$ 1,8 bilhão.

As fraudes mais comuns apontadas são o não recebimento de item comprado e a clonagem de cartões de crédito. Os consumidores também foram prejudicados por produtos ou serviços diferentes das especificações da venda.

Os criminosos têm como alvo consumidores, empresas e o governo – o que representa risco para a segurança da economia brasileira.

Fernando de Negraes Brisolla, de 35 anos, dono de uma empresa especializada em filmagens e fotografias áreas de São Paulo, comprou um drone pela Internet, em julho passado. Até o momento, não recebeu o produto.

“O drone custava R$ 9.499. Uma loja, em Brasília, fez uma promoção, com desconto de quase R$ 1.900. Fiz uma transferência de R$ 7.600, no dia 23/7, pelo site da empresa. O produto seria entregue no dia 1/8. Depois, foi adiado para o dia 6/8 e, depois, para o dia 9/8. Desde então, ninguém mais me responde e-mails”, relata o consumidor.

Os canais mais comuns para a ocorrência de fraudes são as lojas online (54%), bancos (9%), lojas físicas pequenas (8%), lojas físicas de grande porte (8%) e as financeiras (6%). Eletrônicos e vestuário lideram o ranking de itens não recebidos.

E o pior, de acordo com o levantamento, três em cada 10 vítimas tiveram o nome negativado (30%) após serem vítimas de fraude. Esses problemas podem afetar o acesso ao crédito do consumidor e até mesmo ocasionar problemas emocionais e de saúde.

O superintendente da CNDL, Marco Antonio Corradi, explica quais cuidados que os consumidores devem tomar para evitar fraudes financeiras.

“É muito importante termos a segurança dos nossos dados, dos nossos documentos. Não compartilhar dados de forma indevida em redes sociais e qualquer meio eletrônico, porque são passíveis de serem acessados e serem copiados. Então, dentro dos nossos patrimônios, os nossos dados são extremamente valiosos”, ressalta.

A pesquisa ouviu mais de 900 homens e mulheres, residentes das capitais do país, com idades iguais ou maiores a 18 anos e de todas as classes sociais.
 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Quase a metade (46%) dos internautas brasileiros foi vítima de algum tipo de golpe financeiro no último ano. Isto equivale a um pouco mais de 12 milhões de pessoas. A estimativa é de um levantamento feito pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e do Serviço de Proteção ao Crédito, o SPC Brasil. Ainda segundo a pesquisa, as fraudes somaram prejuízos de cerca de R$ 1,8 bilhão.

As fraudes mais comuns apontadas são o não recebimento de item comprado e a clonagem de cartões de crédito. Os consumidores também foram prejudicados por produtos ou serviços diferentes das especificações da venda.

Os criminosos têm como alvo consumidores, empresas e o governo – o que representa risco para a segurança da economia brasileira.

Fernando de Negraes Brisolla, de 35 anos, dono de uma empresa especializada em filmagens e fotografias áreas de São Paulo, comprou um drone pela Internet, em julho passado. Até o momento, não recebeu o produto.
 

“O drone custava R$ 9.499. Uma loja, em Brasília, fez uma promoção, com desconto de quase R$ 1.900. Fiz uma transferência de R$ 7.600, no dia 23/7, pelo site da empresa. O produto seria entregue no dia 1/8. Depois, foi adiado para o dia 6/8 e, depois, para o dia 9/8. Desde então, ninguém mais me responde e-mails”.

Os canais mais comuns para a ocorrência de fraudes são as lojas online (54%), bancos (9%), lojas físicas pequenas (8%), lojas físicas de grande porte (8%) e as financeiras (6%). Eletrônicos e vestuário lideram o ranking de itens não recebidos.

E o pior, de acordo com o levantamento, três em cada 10 vítimas tiveram o nome negativado (30%) após serem vítimas de fraude. Esses problemas podem afetar o acesso ao crédito do consumidor e até mesmo ocasionar problemas emocionais e de saúde.

O superintendente da CNDL, Marco Antonio Corradi, explica quais cuidados que os consumidores devem tomar para evitar fraudes financeiras.
 

“É muito importante termos a segurança dos nossos dados, dos nossos documentos. Não compartilhar dados de forma indevida em redes sociais e qualquer meio eletrônico, porque são passíveis de serem acessados e serem copiados. Então, dentro dos nossos patrimônios, os nossos dados são extremamente valiosos”.

A pesquisa ouviu mais de 900 homens e mulheres, residentes das capitais do país, com idades iguais ou maiores a 18 anos e de todas as classes sociais.

Reportagem, Cintia Moreira