Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Especialista em dopagem afirma que usar amônia é comum no esporte e não crê em punição para a Rússia

Médico da seleção russa admite que jogadores inalaram substância durante jogos da Copa

Salvar imagem

O desempenho da Rússia na Copa do Mundo surpreendeu. Jogando em casa, os russos fizeram uma boa campanha na fase de grupos, eliminaram a Espanha, uma das favoritas ao título, nas oitavas, mas caíram nas quartas diante da Croácia. O resultado foi bom, mas o que os russos fizeram para alcançar isso?

Recentemente, o médico da seleção russa, Eduard Bezuglov, confirmou que os jogadores da equipe inalaram amônia para melhorar o desempenho em partidas da Copa. Segundo a biomédica da Autoridade Brasileira de Controle de Dopagem, Lara Duarte, explica como a amônia interfere no desempenho dos atletas.

“A amônia é uma substância que tem alguns efeitos no quesito esportivo. O primeiro deles seria o de estimulante. Ela deixa a pessoa mais acordada, digamos assim. Então o atleta teria, supostamente, mais foco, teria mais atenção, mais força. A segunda questão, seria a questão de abertura das vias aéreas, de aumentar a circulação de oxigênio. Então, essas seriam os dois efeitos principais do uso da amônia pelos atletas”.

Médico da Rússia durante o mundial, Bezuglov defendeu que o uso da amônia não é configurado como doping. Segundo ele, “vários atletas fazem isso para ganharem ânimo” e a prática seria “utilizada há décadas”. A biomédica Lara Duarte se mostrou surpresa com a repercussão do fato. Segundo ela, a prática é, de fato, antiga e é considerada como algo normal no esporte.

“Essa prática, na verdade, ela é bem antiga. Inclusive, nós, profissionais do meio, estamos até espantados com a polêmica que tem causado isso porque isso é uma prática muito comum, há muitos anos, em várias modalidades, não só nos jogadores de futebol, mas têm muitos casos descritos no boxe, em levantamento de peso. Inclusive durante a competição do Rio 2016, houve um atleta, um halterofilista, que inalou amônia na frente das câmeras. Então, a gente está espantado mesmo com essa polêmica porque é uma coisa bem antiga mesmo”.

Apesar de fazer mal à saúde, a amônia não consta na lista de substâncias proibidas da Agência Mundial Antidoping, a Wada. Isso significa que a Rússia não deve ser punida, como explica Lara Duarte.

“Não, não há risco de punição. A amônia não está na lista da Wada, que é o órgão mundial de controle de dopagem, e é essa a lista que a FIFA se baseia para punir o uso de substâncias proibidas. Como a amônia não está nessa lista, eles não tem porquê sofrer punição”.

A Rússia já se envolveu em alguns escândalos relacionados a doping. Em 2017, o país foi banido pelo Comitê Olímpico Internacional e não participou dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2018. O país europeu foi acusado de patrocinar uma rede de fornecimento de substâncias ilícitas para atletas e de fraudes em exames. Por conta disso, já havia sido proibido de participar das provas de atletismo das Olimpíadas de 2016, no Rio de Janeiro, e teve seu laboratório antidoping suspenso pela Wada.

Reportagem, Paulo Henrique Gomes

Copa2018

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.