Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Arquivo/EBC

Embrapa alerta que momento é de monitorar doenças do trigo no Centro Oeste

A empresa recomenda que as irrigações sejam feitas apenas durante o período da noite. O intervalo entre as irrigações deve ser maior para diminuir o tempo de molhamento da área das plantas

Salvar imagemTexto para rádio

Praticamente encerrada nos estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Bahia e Distrito Federal, a semeadura do trigo chega a uma fase, sobretudo nas regiões predominadas pelo cerrado, de manejo de doenças com monitoramento das lavouras e acompanhamento das previsões climáticas. As informações constam no site da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Na avaliação do pesquisador do Núcleo Avançado de Trigo Tropical da Embrapa, Vanoli Fronza, mesmo diante de uma considerável incidência de brusone no ano passado, a oferta de sementes não foi afetada de forma a comprometer a safra de 2020.  Segundo ele, em relação ao trigo de sequeiro, por exemplo, foi notada uma tendência de diminuição de área em Goiás e no DF. O motivo foi as perdas com brusone na safra anterior. 

Para o pesquisador da Embrapa Trigo, Jorge Chagas, no sistema irrigado, a recomendação é evitar a semeadura no mês de abril, dando preferência para esta tarefa no mês de maio. Segundo Chagas, isso reduz as chances de a brusone afetar o espigamento, além de as temperaturas estarem mais favoráveis ao aumento do potencial produtivo da lavoura.

O produtor também deverá se atentar para outras doenças, como, por exemplo, manchas foliares, como a macha amarela e a mancha marrom. Neste caso, os fungicidas indicados para o controle apresentam eficiência elevada. No entanto, precisam ser aplicados no início do aparecimento dos sintomas foliares.

De acordo com a Embrapa, em anos de alta incidência da doença o manejo da irrigação deve ser alterado. A empresa recomenda que as irrigações sejam feitas apenas durante o período da noite. O intervalo entre as irrigações deve ser maior para diminuir o tempo de molhamento da área das plantas.
 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Praticamente encerrada nos estados de Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso do Sul, Bahia e Distrito Federal, a semeadura do trigo chega a uma fase, sobretudo nas regiões predominadas pelo cerrado, de manejo de doenças com monitoramento das lavouras e acompanhamento das previsões climáticas. As informações constam no site da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

Na avaliação do pesquisador do Núcleo Avançado de Trigo Tropical da Embrapa, Vanoli Fronza, mesmo diante de uma considerável incidência de brusone no ano passado, a oferta de sementes não foi afetada de forma a comprometer a safra de 2020.  Segundo ele, em relação ao trigo de sequeiro, por exemplo, foi notada uma tendência de diminuição de área em Goiás e no DF. O motivo foi as perdas com brusone na safra anterior. 

Para o pesquisador da Embrapa Trigo, Jorge Chagas, no sistema irrigado, a recomendação é evitar a semeadura no mês de abril, dando preferência para esta tarefa no mês de maio. Segundo Chagas, isso reduz as chances de a brusone afetar o espigamento, além de as temperaturas estarem mais favoráveis ao aumento do potencial produtivo da lavoura.

O produtor também deverá se atentar para outras doenças, como, por exemplo, manchas foliares, como a macha amarela e a mancha marrom. Neste caso, os fungicidas indicados para o controle apresentam eficiência elevada. No entanto, precisam ser aplicados no início do aparecimento dos sintomas foliares.

De acordo com a Embrapa, em anos de alta incidência da doença o manejo da irrigação deve ser alterado. A empresa recomenda que as irrigações sejam feitas apenas durante o período da noite. O intervalo entre as irrigações deve ser maior para diminuir o tempo de molhamento da área das plantas.

Reportagem, Marquezan Araújo