Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Em Tocantins, abandono do tratamento da hanseníase pode agravar doença e causar sequelas

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível e de notificação obrigatória.

Salvar imagemTexto para rádio

Apareceu uma mancha aqui, outra ali e depois se espalhou pelo corpo inteiro. O que fazer? Vá imediatamente a uma Unidade Básica de Saúde. A recomendação é importante porque você pode estar com hanseníase e, o quanto antes ela for tratada, mais rapidamente estará curado. 

Isso mesmo, a hanseníase tem cura, basta tratar de imediato e levar as pessoas que convivem ao seu redor para prevenir e evitar que sejam contaminadas. O auxiliar técnico Adriano da Conceição, morador de Araguaína, teve essa atitude, foi curado e evitou que a família e amigos fossem contaminados.

“Comecei a sentir alguns sintomas, e daí procurei uma Unidade de Saúde aqui da minha cidade, aonde foram feitos vários exames, até ser constatado que eu estava com hanseníase. Primeiro fui internado e, quando recebi alta, as pessoas que eram próximas a mim, à minha família e às pessoas que tinham um contato mais próximo foram avisados para procurar o “postinho” mais próximo, para estar realizando exames periódicos. À primeira vista, eles fizeram uma espécie de ‘vistoria’, para estar examinando o corpo, para saber se havia sinais de que eles também teriam contraído a doença.”

Créditos: Ministério da Saúde

A hanseníase é uma doença crônica, transmissível e de notificação obrigatória. Ela acomete a pele e nervos e, se não for tratada de imediato e de forma correta, pode deixar graves sequelas. Somente no Tocantins, foram registrados 1.632 novos casos de hanseníase em 2018, sendo 116 em crianças menores de 15 anos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. A coordenadora do Programa da Hanseníase do Tocantins, Regina Teixeira, explica que, se um paciente abandona o tratamento, ele pode voltar a ter sintomas da doença e até transmitir para pessoas próximas. 

“Ele volta a ter sintomas, futuramente volta a transmitir de novo, ele pode ficar incapacitado, se está afetando os nervos da mão, a mão pode ir dobrando, fazendo o que a gente chama de ‘mão de garra’. Se não era na mão e sim no pé, o pé vai perdendo a força muscular e ele começa a andar arrastando o pé. De repente a mancha no pé ou na perna, encostou em um cano de moto, ele se queima e não sente nada, porque não fez um tratamento correto, porque abandonou o tratamento e não foi curado.”

Por isso, vale lembrar que hanseníase tem cura e você não precisa ter medo de entrar em contato com as pessoas doentes.  A doença só é transmitida quando há contato prolongado. O importante, mesmo, é ficar atento aos sinais do seu corpo. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. Todo o tratamento é disponibilizado gratuitamente pelo SUS. Em caso de dúvida, faça como o Adriano e procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima E não se esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações acesse saúde.gov.br/hanseníase.

Créditos: Ministério da Saúde

Fonte: <a href='https://www.brasil61.com/noticias/em-tocantins-abandono-do-tratamento-da-hanseniase-pode-agravar-doenca-e-causar-sequelas-hans190093' target='_blank'>Brasil 61</a>

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Apareceu uma mancha aqui, outra ali e depois se espalhou pelo corpo inteiro. O que fazer? Vá imediatamente a uma Unidade Básica de Saúde. A recomendação é importante porque você pode estar com hanseníase e, o quanto antes ela for tratada, mais rapidamente estará curado. 

Isso mesmo, a hanseníase tem cura, basta tratar de imediato e levar as pessoas que convivem ao seu redor para prevenir e evitar que sejam contaminadas. O auxiliar técnico Adriano da Conceição, morador de Araguaína, teve essa atitude, foi curado e evitou que a família e amigos fossem contaminados.

“Comecei a sentir alguns sintomas, e daí procurei uma Unidade de Saúde aqui da minha cidade, aonde foram feitos vários exames, até ser constatado que eu estava com hanseníase. Primeiro fui internado e, quando recebi alta, as pessoas que eram próximas a mim, à minha família e às pessoas que tinham um contato mais próximo foram avisados para procurar o “postinho” mais próximo, para estar realizando exames periódicos. À primeira vista, eles fizeram uma espécie de ‘vistoria’, para estar examinando o corpo, para saber se havia sinais de que eles também teriam contraído a doença.”

LOC.: A hanseníase é uma doença crônica, transmissível e de notificação obrigatória. Ela acomete a pele e nervos e, se não for tratada de imediato e de forma correta, pode deixar graves sequelas. Somente no Tocantins, foram registrados 1.632 novos casos de hanseníase em 2018, sendo 116 em crianças menores de 15 anos, segundo a Secretaria Estadual de Saúde. A coordenadora do Programa da Hanseníase do Tocantins, Regina Teixeira, explica que, se um paciente abandona o tratamento, ele pode voltar a ter sintomas da doença e até transmitir para pessoas próximas. 

“Ele volta a ter sintomas, futuramente volta a transmitir de novo, ele pode ficar incapacitado, se está afetando os nervos da mão, a mão pode ir dobrando, fazendo o que a gente chama de ‘mão de garra’. Se não era na mão e sim no pé, o pé vai perdendo a força muscular e ele começa a andar arrastando o pé. De repente a mancha no pé ou na perna, encostou em um cano de moto, ele se queima e não sente nada, porque não fez um tratamento correto, porque abandonou o tratamento e não foi curado.”

LOC.: Por isso, vale lembrar que hanseníase tem cura e você não precisa ter medo de entrar em contato com as pessoas doentes.  A doença só é transmitida quando há contato prolongado. O importante, mesmo, é ficar atento aos sinais do seu corpo. Quanto mais cedo for feito o diagnóstico, menores as chances de sequelas. Todo o tratamento é disponibilizado gratuitamente pelo SUS. Em caso de dúvida, faça como o Adriano e procure a Unidade Básica de Saúde mais próxima E não se esqueça: identificou, tratou, curou. Para mais informações acesse saúde.gov.br/hanseníase.