Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Cultura

03/07/2020 00:00h

Todos os municípios do Brasil vão receber verba para auxiliar profissionais de cultura e locais de manifestação artística que perderam verbas na pandemia

Baixar áudio

O Governo Federal também estendeu a mão à cultura neste momento de crise financeira ocasionada pela pandemia. O presidente Jair Bolsonaro sancionou, no último dia 30, a Lei nº 14.017/2020. A Lei Aldir Blanc, batizada assim em homenagem ao compositor que faleceu em decorrência da Covid-19, destina auxílio financeiro de R$ 3 bilhões para o setor, que precisou parar por conta da emergência de saúde pública. O valor, oriundo, em sua maioria, do Fundo Nacional de Cultura (FNC), será repassado, em parcela única, para estados, municípios e Distrito Federal, e tem como objetivo auxiliar profissionais e locais de manifestação artística que perderam verbas em decorrência do coronavírus. 

O repasse dos recursos se dará de forma descentralizada, mediante transferências da União aos entes federados, preferencialmente por meio dos fundos estaduais, municipais e distrital de cultura ou, quando não houver, de outros órgãos ou entidades responsáveis pela gestão desses recursos. Metade desse valor deverá ser repassados aos estados e ao Distrito Federal, sendo 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Estados (FPE) e 80% proporcionalmente à população. Os outros R$ 1,5 bilhão vão para os municípios, sendo 20% de acordo com os critérios de rateio do Fundo de Participação dos Municípios (FPM) e 80% proporcionalmente à população.

O principal público alvo da medida são os artistas informais, que terão direito ao pagamento de três parcelas de R$ 600, ajuda similar ao benefício concedido pelo Governo Federal aos trabalhadores informais, microempreendedores individuais, autônomos e desempregados.

Para receber o benefício, os trabalhadores deverão comprovar, em forma de autodeclaração, terem atuado social ou profissionalmente nas áreas artística e cultural nos 24 meses imediatamente anteriores à data de publicação da lei. Além disso, é necessário ter renda familiar mensal per capita de até meio salário mínimo ou renda familiar mensal total de até três salários mínimos. O solicitante também não pode ter recebido, em 2018, rendimentos tributáveis acima de R$ 28.559,70, não ter emprego formal ativo e não receber benefício previdenciário ou assistencial.

Fúlvio Wagner, vice-presidente da Fundação de Cultura e Turismo de Caruaru, em Pernambuco, explica que o auxílio deve conseguir ajudar todos os trabalhadores ligados à cultura depois de mais de 100 dias de palcos vazios. Para isso, a prefeitura de Caruaru disponibilizou um portal para que os trabalhadores do setor possam fazer seu cadastro, inserindo todas as informações necessárias para que possam receber o auxílio emergencial. A fundação já possui um cadastro dos diversos grupos culturais de Caruaru, principalmente dos responsáveis, mas como o auxílio será dado à pessoa física, ela precisa do cadastramento de todos para que ninguém fique de fora.

Segundo Fúlvio Wagner, o mês de junho em Caruaru é de intensa movimentação cultural, com a contratação de mais de 500 artistas nesta época que seria festiva. Assim, o auxílio acaba vindo na hora de maior necessidade. 
“Essa lei foi uma conquista para o setor cultural no Brasil. São R$ 3 bilhões que serão destinados a quem faz parte dessa cadeia produtiva. O grande desafio, agora, é operacionalizar isso. A classe artística foi a primeira que parou os eventos culturais e provavelmente será a última que vai voltar”, ressalta o vice-presidente da Fundação.

Demais benefícios 

Em relação aos R$ 3 bilhões, 20% deverão ser usados na manutenção de espaços artísticos e micro e pequenas empresas culturais, cooperativa e instituições que tiveram as suas atividades interrompidas por força das medidas de isolamento social. O recurso também poderá ser usado para editais, chamadas públicas, prêmios, aquisição de bens e serviços vinculados ao setor cultural.

O município de Caruaru deve receber pouco mais de R$ 2,3 milhões, dos quais 20% devem ser destinados aos empreendimentos culturais. “As instituições que desenvolvem alguma atividade cultural e artística também serão beneficiadas. Para elas, será repassado um valor entre R$ 3 mil e R$ 10mil para honrar as despesas neste momento de pandemia. Esse valor também será efetuado em três parcelas”, explica Wagner.

Os locais que receberem o subsídio, cujo valor vai ser definido pela prefeitura, terão apenas uma obrigação após a retomada das atividades: realizar atividades gratuitas para alunos de escolas públicas, ou para a comunidade. Vale lembrar que todos os trabalhadores que fazem parte da cadeia produtiva dessa instituição que receberá o auxílio também poderão solicitar as três parcelas de R$ 600 da Lei Aldir Blanc, como pessoa física.

Bolsonaro prorroga auxílio emergencial e espera reação da economia após fim da validade do benefício

76% dos recursos do Auxílio Emergencial atingiram faixa mais pobre da população

Auxílio emergencial contemplou mais da metade dos domicílios da regiões Norte e Nordeste

No caso de Caruaru, esse valor de cerca de R$ 460 mil referente aos 20% do montante destinado ao município também deve ser proposto em editais, chamamentos públicos, cursos e premiações culturais. A prefeitura ainda está dialogando para encontrar a melhor forma de fazer isso, mas o destino deve ser o de apresentações por meio da internet, já que a orientação continua sendo a do distanciamento social.

Todos os municípios

A Confederação Nacional de Municípios (CNM) comemorou a iniciativa do Governo Federal, mesmo porque teve participação ativa durante toda a tramitação da lei. A organização também disponibilizou uma Nota Técnica com orientações aos gestores municipais de cultura, para já se prepararem no planejamento de execução de distribuição dos recursos.

Ana Clarissa Fernandes, analista técnica de cultura da Confederação Nacional de Municípios, explica que a Lei Aldir Blanc tem enorme impacto em termos de volume de recurso para um setor que neste momento, em meio à pandemia, se encontra com muitas dificuldades. Contudo, além de trazer auxílio neste momento difícil, a ação ganha destaque por trazer uma capilaridade nunca antes vista na história das políticas culturais do Brasil. Vários municípios brasileiros receberão pela primeira vez algum repasse da União destinado à cultura.

“Todos os municípios receberão recursos oriundos dessa lei. Em uma pesquisa que a CNM fez ano passado, com dados referentes aos anos de 2008 a 2018 conferimos que apenas 12% dos municípios conseguiram firmar um convênio ou um contrato de repasse com o antigo Ministério da Cultura. Estamos falando de 88% dos municípios que nos últimos 10 anos não conseguiram transferência da União no campo da cultura. Muitos deles receberão, então, esses recursos pela primeira vez”, ressalta Ana.

A CNM também publicou em seu site tabelas onde é possível pesquisar a estimativa de quanto cada município e cada estado vai receber. 

 

 

A lei não estipulou uma data para a transferência dos recursos por parte da União e os entes aguardam, agora, uma regulamentação federal que determine os prazos e esclareça alguns pontos dos repasses que ainda estão em aberto.

Copiar o texto
Cultura
09/06/2020 21:05h

Tradicional evento em Campina Grande (PB) acontece pela internet, sem a presença de público, e São João de Caruaru (PE) não tem previsão de data

Baixar áudio

A pandemia do novo coronavírus não poupou até mesmo as tradicionais festas juninas, que movimentam a economia de diversas cidades do país. Os eventos em Caruaru (PE) e Campina Grande (PB), que disputam o título de maior São João do mundo, não irão ocorrer presencialmente e organizadores dessas festas se esforçam para a data não passar em branco. 

A prefeitura de Caruaru afirma que no ano passado o evento injetou R$ 200 milhões na economia local. Com o objetivo de trazer um alívio financeiro a diversos trabalhadores que perderam a habitual renda trazida pela celebração, os organizadores da festa criaram a campanha São João Caruaru Solidário, a ação tem como intuito arrecadar alimentos, kits de higiene e dinheiro. Não há previsão de data para o evento neste ano. 

“Vamos ajudar milhares de famílias a passarem por esse momento tão difícil, é claro que queríamos o São João como acontece todos os ano. Mas, neste momento, precisamos preservar a nossa vida, a saúde da nossa família e a nossa cidade”, disse a prefeita da cidade, Raquel Lyra.

No estado vizinho, o prefeito de Campina Grande, Romero Rodrigues, anunciou que o tradicional São João da cidade vai ocorrer em outubro, caso não tenham mais restrições de isolamento. Em 2019, a festa movimentou R$ 300 milhões na economia do município. Mas para não deixar a data passar em branco, nos dias 23, 24 e 27 de junho, os organizadores irão transmitir lives de diversos artistas, entre eles Elba Ramalho.  

“Embora a prefeitura esteja fazendo a sua parte, acho que cada um também pode contribuir. É um momento de isolamento social”, afirmou Rodrigues no anúncio do adiamento. 

Contribuição 

Para ajudar os trabalhadores afetados com o cancelamento da festa presencial do São João de Caruaru, acesse saojoaocaruarusolidario.com.br ou se dirija a algum ponto de arrecadação de alimentos e produtos de higiene, localizados na prefeitura da cidade e na ONG Lions Internacional, situada na Rua Suíça, número 100, Bairro Universitário.


 

Copiar o texto
Cultura
27/05/2020 04:00h

Apresentação online faz parte da campanha FIERN Solidária e pretende arrecadar doações para entidades filantrópicas de Natal

Baixar áudio

Apresentação online faz parte da campanha FIERN Solidária e pretende arrecadar doações para entidades filantrópicas de Natal
A orquestra de jazz SESI Big Band, formada por instrutores e professores do SESI-RN, e o cantor e sanfoneiro Waldonys farão uma live beneficente, nesta quarta-feira (27), pelo YouTube. O show começa a partir das 18h.

O grupo e o sanfoneiro já se apresentaram juntos outras vezes e encantaram o público com um repertório diversificado, com canções executadas pela orquestra de jazz, composições de Luiz Gonzaga, Dominguinhos, Sivuca e do próprio Waldonys.

A finalidade do evento é arrecadar recursos e doações para entidades filantrópicas sediadas em Natal no enfrentamento à covid-19, por meio da campanha FIERN Solidária. A Fundação Eurico Bergsten, a Casa Espírita Bom Samaritano e a Fraternidade Toca de Assis serão contempladas.

O superintendente do SESI-RN, Juliano Martins, relata que, além da apresentação cultural, a programação reunirá ações voltadas para educação, formação e auxílio a empresas diante da pandemia.

“Além desta ‘live’, teremos vários produtos e serviços do SESI, do SENAI e do IEL sendo ofertados para nossos clientes, com desconto de até 70% e com facilidade no pagamento. Teremos outras ações, como um leque de webinars [seminários online], programadas durante toda a semana, transmitidos pelo nosso canal no YouTube, com temas que vão desde a segurança alimentar, construção civil e estratégias de enfrentamento da covid-19 pelas indústrias”, elenca.

Para Martins, ações como essa, desenvolvidas por instituições ligadas à indústria do estado, são “fundamentais” neste momento, pois ajudam empresas a enfrentarem a atual crise e manter o máximo de empregos possíveis.

“O Sistema FIERN é sensível ao momento atual de dificuldade da indústria e vem trabalhando para amenizar os problemas que os clientes vêm passando nesse período de covid-19. O SESI, SENAI e IEL estão próximos das indústrias para sentir a real dificuldade de todos, criando novos produtos inovadores para atender de forma rápida e eficiente as demandas mais urgentes”, ressalta Martins.

Solidariedade

Lançada em abril deste ano, a campanha FIERN Solidária destina valores arrecadados por doação a instituições filantrópicas do estado. Os recursos são destinados a centros de assistência de Natal que atendem pessoas em situação de rua, idosos e dependentes químicos.
 
Para o presidente da FIERN, Amaro Sales de Araújo, a iniciativa é um ato de estender a mão aos mais necessitados, neste momento em que muitas famílias estão sem renda, alimentos e itens básicos de higiene. “Essa campanha tem o objetivo de atingir aquelas pessoas que estão desamparadas, tanto as que têm algum emprego quanto as que não têm um ‘ganha pão’. Essa campanha é baseada no acolhimento às pessoas mais pobres”, afirma.
 
Para ajudar, você pode fazer uma transferência bancária, de qualquer valor, para a conta do Banco do Brasil: agência 2870-3, conta corrente nº 21.139-7. Caso você não tenha conta nesse banco, acrescente o CNPJ 08.435.778/0001-35 para concluir o TED ou DOC. As doações podem ser feitas até o fim de junho. Mais informações podem ser acessadas em fiern.org.br.

 

Copiar o texto
Cultura
20/05/2020 11:13h

Informação foi publicada pelo presidente Jair Bolsonaro em rede social; atriz vai assumir a Cinemateca Brasileira

Baixar áudio

O presidente Jair Bolsonaro anunciou na manhã desta quarta-feira (20) que Regina Duarte não é mais secretária especial de Cultura. Por meio do seu perfil em uma rede social, o presidente afirmou que a atriz vai assumir a Cinemateca em São Paulo — instituição responsável pela preservação e difusão da produção audiovisual brasileira.

Regina Duarte deixa o cargo após pouco mais de dois meses à frente da pasta. Ela assumiu a secretaria de Cultura em 4 de março. De acordo com o presidente, a atriz  relatou que sente falta da família. Bolsonaro também afirmou que, nos próximos dias, o trabalho de Regina à frente da pasta será divulgado.

Em vídeo que acompanha a publicação na rede social, Regina Duarte aparece ao lado de Bolsonaro e afirmou que assumir a Cinemateca é um “presente e sonho de qualquer profissional de comunicação, audiovisual e teatro”. A atriz confirmou que sente falta dos netos e dos filhos, mas que vai continuar auxiliando o governo no novo cargo.

Durante o vídeo, Bolsonaro negou que estivesse fritando a atriz nos últimos dias e lamentou a saída de Regina.

Copiar o texto
Cultura
18/04/2020 10:00h

Principal atração do dia, Wesley Safadão canta sucesso e músicas inéditas na gravação do DVD “WS em Casa 2”; transmissão ocorre a partir das oito da noite, no YouTube

Baixar áudio

Por conta do isolamento social, as apresentações de artistas pela internet, as famosas lives, têm se tornado mais comuns. Isso, claro, faz a alegria do público, que, dentro de casa, consegue acompanhar os shows de seus cantores preferidos.

Para este sábado (18), a diversão está garantida. A partir das oito da noite, Wesley Safadão deve levar alegria a milhões de brasileiros por meio de seu canal no YouTube. A apresentação vai ter direito a músicas inéditas e a gravação do DVD “WS em Casa 2”. E aí, você está solteiro de novo ou vai declarar juras de amor ao mozão?

A “sofrência” também está garantida com o cantor Pablo do Arrocha. O artista começa a apresentação no seu canal do YouTube a partir das dez da noite e prova mais uma vez que homem chora, sim.

Para quem gosta de uma boa música sertaneja, a dica é acompanhar Fernando e Sorocaba, que tocam a partir das dez e quinze da noite. A dupla também vai cantar seus principais sucessos pelo YouTube. Enquanto não dá pra viajar nem pra São Paulo, nem pra Madri, a dica é curtir uma boa "terapinga". 

Já a galera forrozeira de plantão vai contar com a apresentação virtual de Mano Walter, no seu canal no YouTube, a partir das quatro da tarde. Às dez e meia, o DJ, produtor e cantor Pedro Sampaio fará sua segunda live no YouTube e deve matar a saudade daqueles funks que a gente gosta.

Se o seu estilo não se encaixa em nenhuma dessas opções, tem música internacional também neste sábado. A cantora pop Lady Gaga participa, às nove da noite, da live que faz parte da campanha “#TodosEmCasa”, da Organização Mundial da Saúde. A apresentação da artista pode ser acompanhada pelo YouTube e pelo Facebook.


 

Copiar o texto
Cultura
20/01/2020 10:34h

Baixar áudio


Depois de declarar que precisava conversar “olho no olho” com o presidente Bolsonaro sobre o convite para ser ministra da Cultura, Regina Duarte receberá Bolsonaro, hoje, no Rio de Janeiro. O presidente embarcou para a cidade fluminense na manhã desta segunda-feira (20), onde encontrará também com o prefeito Marcelo Crivella e o comandante da Marinha, Almirante de Esquadra Ilques Barbosa Junior, para uma agenda oficial. O retorno para Brasília está previsto para 15h.

Para receber Regina Duarte, Bolsonaro estaria cogitando retomar a estrutura de Ministério, que foi reduzida a secretaria e está subordinada ao Ministério do Turismo. O nome da atriz foi levantado na última sexta-feira (17), após Bolsonaro demitir o dramaturgo Roberto Alvim. Um dia antes, Alvim parafraseou em discurso Joseph Goebbel, um dos idealizadores do nazismo. O vídeo recebeu inúmeras críticas pelo conteúdo e o secretário foi exonerado. 



 

Copiar o texto
Cultura
23/11/2019 13:45h

Clarisse Lispector foi uma das mais importantes escritoras do modernismo brasileiro

Baixar áudio

O mês de dezembro vai marcar o centenário de nascimento de uma das mais expressivas escritoras do Brasil, Clarice Lispector. As comemorações serão marcadas com reedição de várias obras da escritora, com capa e conteúdo inéditos.

As primeiras obras que serão relançadas pela editora Rocco são: Perto do Coração Selvagem (1943), O Lustre (1946) e A Cidade Sitiada (1949).

O projeto gráfico é assinado pelo designer Victor Burton. As obras vão ter recortes de telas feitas por Clarice. Os textos de contracapa e orelhas são de especialistas nas obras de Clarice, como Nádia Battella Gotlib, Clarisse Fuklman e Benjamin Moser.

Clarisse Lispector nasceu em 1920, na Ucrânia. Ela se naturalizou brasileira, estudou Direito, na Universidade Federal do Rio de Janeiro e atuou como tradutora.

Clarisse escreveu oito romances e diversas crônicas, contos e literatura infantil. Ela teve destaque como uma das maiores escritoras da terceira fase do modernismo brasileiro. Suas obras lhe renderam diversos prêmios, como o Graça Aranha. A escritora faleceu em 1977, aos 56 anos.

 

Copiar o texto
Cultura
03/10/2019 00:00h

Com piadas para todos os públicos, filme consegue passar por assuntos em evidência sem perder a delicadeza e a pitada de humor

Baixar áudio

A guerra entre o pássaro Red e o porquinho verde Leonardo ganha uma trégua do segundo filme de Angry Birds, filme derivado de um jogo para smartphones. A animação, que chega nessa quinta-feira (3) nas telonas, eleva o nível da disputa entre a Ilha dos Pássaros e a Ilha dos Porcos. Red, Leonardo, Chuck, Bomb e Mega Águia, que tiveram os holofotes no primeiro filme, de 2016, voltam agora com a ajuda de uma equipe bem inusitada – destaque para a gênia da engenharia Silver. 

A trégua entre os pássaros que não sabem voar e os porquinhos verdes ladrões de ovos surge com a ameaça de uma nova ilha nos arredores, a Ilha das Águias. Sem saber o motivo dos ataques, Red, Leonardo e sua turma se unem para desvendar o mistério e derrotar o mais novo inimigo. 

Dirigido agora pelo norte-americano Thurop Van-Orman, que tem no currículo as atribuições de cartunista, animador, artista de voz, escritor de televisão, produtor e diretor, “Angry Birds 2 – O Filme” traz uma pitada a mais de humor, que consegue divertir crianças e adultos – prepare os ouvidos para a famosa “Baby Shark”, que faz parte da famosa trilha sonora, característica bem marcante do primeiro filme. 

Muito mais que divertir, o filme consegue trazer, ainda que sutilmente, algumas críticas e reflexões ao atual momento em que vive a sociedade. A fragilidade masculina, ainda hoje um tabu, e a liderança feminina fazem parte da trama do filme de 2019. A passarinha Silver, gênia da engenharia, tem destaque não à toa: ela consegue trazer o feminismo à obra com delicadeza e ainda ser fonte de inspiração paras as crianças das ilhas – enquanto Red luta contra o estigma de ser um pássaro solitário que precisa manter, a todo custo, o status de líder. 

O filme faz também uma reflexão sobre o espírito de equipe, já que, juntos, os pássaros e os porcos conseguem um melhor resultado ao defenderem suas ilhas. Com linguagem simples para as crianças, o filme passa a mensagem que dividir os holofotes com bons amigos é melhor que tê-los para si – e só para si. 

Angry Birds 2 estreia nessa quinta-feira (3) nos cinemas. 
 

Copiar o texto
Cultura
06/09/2019 17:51h

Você pode conferir essa divertida história no cinema a partir do dia 12 de setembro

Baixar áudio

A família mais famosa do Méier está de volta em “Vai Que Cola 2”, sequência do filme que trouxe o famoso programa de TV para as telas de cinema. Quatro anos após o lançamento do primeiro filme, o novo longa é, na verdade, uma prequela, ou seja, a história se passa antes dos acontecimentos do primeiro Vai Que Cola.

A história é sobre como Dona Jô, Jéssica, Teresinha, Ferdinando e Maicon se conheceram, de uma forma bem inusitada, e como criaram esse laço fora do comum. Tiziu, marido de Teresinha e dono do Morro do Cerol, aparece pela primeira vez para o público, e sua figura é uma surpresa e tanto. Porém, ele não é o único a fazer uma aparição surpresa durante o filme.

O foco do longa é o humor, por isso tudo vira piada. Mas, com certeza, os melhores momentos são as cenas que fazem referências a outros filmes. De Rei Leão (1994), a Xuxa em Lua de Cristal (1990) e até a cena icônica de Matrix (1999), todas extremamente engraçadas. Um ponto ruim de tudo ser piada é que em determinadas cenas ela não funciona e acaba deixando o espectador desconfortável com a situação.

Dessa vez sem Paulo Gustavo, o elenco continua com a mesma essência leve e divertida de sempre. Marcus Majella, que interpreta Ferdinando, é a grande estela e tem vários momentos de diva durante o filme. Com músicas originais criadas exclusivamente para o filme, a trilha sonora também é algo muito positivo e casa com as situações dos personagens, principalmente de Ferdinando.

Com facilidades no roteiro, como o personagem Sanderson que aparece só para amarrar algumas pontas soltas, “Vai Que Cola 2” conversa com o espectador sobre diversidade e amizade, além de nos agradar com momentos cômicos que mostram o verdadeiro jeitinho brasileiro de fazer humor no cinema.

Você pode conferir essa divertida história no cinema a partir do dia 12 de setembro.

Copiar o texto
Cultura
31/08/2019 12:35h

O Amor Dá Trabalho conta ainda com Flávia Alessandra e Bruno Garcia no elenco

Baixar áudio

Com mais uma estreia nas telonas, Leandro Hassum interpreta um homem reclamão no filme “O Amor Dá Trabalho”. Na comédia, o ator dá vida a Anselmo, um homem de meia-idade que trabalha no serviço público e trata mal todas as pessoas que o rodeiam.

Após um acidente de trabalho, Anselmo morre e para se redimir e não ir para o “inferno”, ele precisa cumprir algumas horas de trabalho para os deuses. É assim que ele entra na vida de Flávia Alessandra, que vive Elisângela, e Bruno Garcia no papel de Paulo Sérgio. Ele precisa unir esse casal, e então estará a salvo.
Leandro Hassum sempre esteve nos holofotes para fazer seus fãs gargalharem, mas nas últimas vezes o ator tem vivido personagens que também apelam para o lado emocional, como no filme “Não Se Aceitam Devoluções”, em que ele descobre ser pai de uma menina.

Ele explica que essa é uma das questões que mudaram depois de ter emagrecido. Disse também que anteriormente, as pessoas não o convidavam para papeis como Dr. Teodoro no longa “Dona Flor e Seus Dois Maridos”, mas agora é algo recorrente.

“Eu nunca parei para pensar ‘agora eu vou fazer filmes diferentes. São quase trinta anos de carreira, e você fica curioso. Eu gosto de dirigir, teatro, televisão, cinema, e começaram a pintar projetos que me interessaram, e por coincidência numa nova fase minha. Foram coisas que foram acontecendo, e não que eu decidi que queria mudar o meu estilo de comédia. Gosto de fazer projetos que me interessam”, revelou Hassum.

Além da óbvia comédia romântica, o diretor Alê Machado tentou abordar uma concepção abrangente sobre religião. Ele reuniu atores e atrizes como Dani Calabresa, Maria Clara Gueiros e Hélio de la Peña.

“Teve uma ideia de fazer rir, mas de abordar essas religiões com respeito e com o conhecimento delas. A gente pesquisou muito em relação a essas religiões, mas colocar todos na mesma mesa. Da mesma forma que a gente coloca o hinduísmo com religiões afro-brasileiras, cristianismo, judaísmo, religião grega, tem até egípcio, religião nórdica. A gente misturou tudo conhecendo do ponto de vista mitológico, mas brincamos com isso”, conta o diretor.

Apesar de ser mais uma comédia clichê de Leandro Hassum, e ter inúmeros furos de roteiro, o filme ainda agrada quem quer ver uma trama leve e sem muitos rodeios. O papel de Flávia Alessandra chama atenção por ser uma mulher que está atrás do grande amor da sua vida e, mesmo em uma época onde as mulheres são tão livres, ela ainda se sente no dever de viver um “conto de fadas”.

Bruno Garcia, por sua vez, no papel de Paulo Sérgio, tem uma forma de conquistar o público, assim como ele faz com as mulheres do filme. Mas o personagem é cheio de erros e fica muito óbvio perceber quem ele realmente é desde o início do longa.

No fim das contas, é mais um filme nacional que tem o objetivo de divertir, levar o público a refletir sobre a própria vida e emocionar. Só não garanto que ele realmente cumpra com seus objetivos.
 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio