Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

CULTURA: No Dia do Cinema Nacional, relembre filmes que fazem parte da história brasileira

Especialista defende mais investimento em produções brasileiras

Salvar imagem

Já se passaram 110 anos desde que o Brasil lançou seu primeiro longa-metragem. O drama policial "Os Estranguladores" foi o primeiro filme a ser produzido e exibido no Brasil. A trama se passa no Rio de Janeiro, cidade que até hoje é palco de grandes filmes produzidos nacionalmente. Desde então, as telonas brasileiras já foram palco de muita história.

O filme “Minha Mãe é Uma Peça”, protagonizado por Paulo Gustavo, é um exemplo de sucesso. A série, que já possui dois lançamentos nas telonas, é a que tem a maior bilheteria nesta categoria: mais de 15 milhões de ingressos foram vendidos durante as exibições nos cinemas brasileiros.

Acontece que, mesmo com essa aceitação, os filmes nacionais ainda não são muito valorizados entre os brasileiros. Bilheterias de filmes internacionais costumam ser muito mais altas. De acordo com o especialista em cinema da Universidade de Brasília, Alex Calheiros, isso pode ser explicado pela falta de incentivos financeiros para esse setor.

“Em outros países que têm políticas específicas voltadas para o cinema, que é uma indústria poderosa, inclusive de geração de emprego, de renda, capital e exportação, têm políticas específicas incentivando para que os filmes sejam passados nos cinemas nacionais e, portanto vistos. Eu acho que há preconceito, mas o preconceito não advém da qualidade. O preconceito vem da falta de políticas específicas voltadas para a nossa produção cinematográfica.”

Mas nem a falta de incentivos foi um empecilho para que filmes nacionais fossem indicados ao maior prêmio de cinema mundial. O longa-metragem “Cidade de Deus”, dirigido por Fernando Meirelles, foi indicado em 2004 às categorias de melhor diretor, roteiro adaptado, edição e melhor fotografia do Oscar.

E a tradição brasileira no cinema não para por aí. Quem se lembra de Chicó e João Grilo? O Auto da Compadecida marcou e ainda marca a vida de muitos brasileiros com risadas, frases inesquecíveis e faz completa referência à cultura nordestina. Esse foi um dos filmes que levou a consultora de eventos Iris Grijó a se apaixonar pelos filmes nacionais. Ela conta que, na família dela, “a promessa sem jeito de Chicó” faz o maior sucesso até hoje.

“Eu gosto muito do fato da gente não precisar ler legenda, da gente se identificar com muitas coisas da cultura, da gente se identificar com muitos locais conhecidos. Eu acho que essa é uma das coisas que eu mais gosto em relação aos filmes nacionais.”

Se você não assiste filmes nacionais há algum tempo e bateu aquela curiosidade para sabe como anda o mercado, essa é a oportunidade. Nesta quinta-feira (20) tem estreia nos cinemas. O filme Mulheres Alteradas conta a história de quatro mulheres com rotinas diferentes que fazem de tudo para sobreviver em meio ao caos.

Reportagem, Sara Rodrigues

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.