Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Divulgação/SESC

Cortes no Sistema S vão afetar, principalmente, parcela mais pobre da população, alerta vice-presidente da CNC

Declaração foi dada nesta quinta-feira (30) durante audiência pública na Câmara dos Deputados que debateu o tema

Salvar imagemTexto para rádio

Os cortes nos recursos destinados ao Sistema S, sinalizados pelo governo federal, se efetivados, vão afetar, principalmente, a parcela mais pobre da população brasileira. Essa é a avaliação do vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Francisco Cavalcante, que participou nesta quinta-feira (30/5) de audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados.

No encontro, Cavalcante afirmou que “o prejuízo seria para a camada mais pobre da população, que recebe mais permanentemente as ações do Sistema S”. Uma das instituições que pode ser afetada é o Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac), voltado à qualificação de mão de obra dos setores de serviço, comércio e turismo. Em 2018, o curso de guia de turismo foi o mais procurado: 4.500 matrículas foram feitas nas unidades do Senac em todo o país. Em seguida, aparecem os cursos ligados à hospedagem e alimentação, como governança em hotelaria e técnicas básicas para cozinheiro.

Para debater a relevância do Sistema S, deputados federais e representantes da indústria se reuniram para que fossem apresentados dados dos serviços prestados pelas nove instituições.

A audiência pública foi pedido do deputado federal Glaustin Fokus (PSC-GO), que presidiu a sessão na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados.

Um dos parlamentares presente na reunião foi o deputado federal Tiago Dimas (SD-TO). Na avaliação dele, “o poder público não consegue ter eficiência em determinadas áreas, enquanto o Sistema S consegue ser muito eficiente naquilo que propõe”.

Durante o debate, Dimas destacou que a ideia de um possível corte nos recursos do Sistema S é preocupante. “Isso não pode atrapalhar, de forma alguma, o brilhante trabalho que essas instituições vêm fazendo para o país”, afirmou.

O encontro contou ainda com a participação do deputado federal Amaro Neto (PRB-ES). O parlamentar acredita que o governo se precipitou ao anunciar cortes no Sistema S sem fazer um estudo sobre o trabalho realizado pelas instituições. Ele ressaltou que, no Espírito Santo, o Sistema S é “forte, parceiro de órgãos e instituições, atuante nos problemas e nas soluções do Espírito Santo”.

Amaro Neto elogiou a iniciativa de se realizar audiência pública para debater o tema. “Nada melhor que uma conversa como essa com os deputados e com a sociedade, para que as pessoas possam conhecer ainda mais o trabalho”, completou.

Representante de um estado onde se concentra um dos maiores polos industriais do País, o deputado federal Zé Neto (PT-BA) declarou que vê a ideia do corte como “um retrocesso”. Ele disse estar preocupado com o que assiste do ponto de vista do “capital nacional” do país, com processo de “destruição do Estado brasileiro”.

“Há um processo de destruição do Estado brasileiro e estou muito ciente disso, das instituições, que vão desde as representações até os nossos órgãos, como eu disse há pouco sobre o IBGE. Não dá para ouvir de um órgão do governo que o IBGE não tem credibilidade. Isso é conquista do Estado brasileiro, não do governo, como digo que o Sistema S é uma conquista da sociedade brasileira, da indústria brasileira”.

Segundo o parlamentar, o empresariado não pode aceitar essa redução dos recursos destinados ao Sistema S por achar que isso vai melhorar o ambiente de negócios. "É preciso colocar na cabeça do empresário a diferença entre custo, o que é preço e o que e investimento", salientou.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Os cortes nos recursos destinados ao Sistema S, sinalizados pelo governo federal, se efetivados, vão prejudicar, principalmente, a parcela mais pobre da população brasileira. Essa é a avaliação do vice-presidente da Confederação Nacional do Comércio (CNC), Francisco Cavalcante, que participou nesta quinta-feira (30/5) de audiência pública na Comissão de Desenvolvimento Econômico, Indústria, Comércio e Serviços da Câmara dos Deputados.

Diante de questionamentos sobre os cortes nos recursos destinados ao Sistema S, sinalizados pelo governo federal, Cavalcante afirmou que a medida terá um impacto negativo, sobretudo, para a parcela mais pobre da população.
 

“O prejuízo seria para a camada mais pobre da população, que recebe mais permanentemente as ações do Sistema S. Então, o prejuízo seria para o povo mais pobre, para o povo mais carente.”

LOC.: Um dos parlamentares que participaram da reunião foi o deputado federal Tiago Dimas (SD-TO). Para ele, a ideia de cortar a verba que auxilia na formação de pessoas e na capacitação de mão de obra qualificada causa preocupação.

“Essa é uma questão que nos preocupa. E aqui a gente está buscando formas de assegurar que isso não seja prejudicado. Isso não pode atrapalhar, de forma alguma, o brilhante trabalho que essas instituições vêm fazendo para o país.”

LOC.: Durante a audiência, o deputado federal Amaro Neto (PRB-ES) elogiou os trabalhos realizados por instituições como SESI e SENAI. Na visão do parlamentar, o governo se precipitou ao anunciar cortes no Sistema S sem fazer um estudo prévio.

“O governo federal, em vez de primeiro iniciar um diálogo, começa com declarações, falando de cortes no sistema sem conhecer a realidade. Nada melhor que uma conversa como essa com os deputados e com a sociedade, para que as pessoas possam conhecer ainda mais o trabalho.”

LOC.: A audiência pública desta quinta também contou ainda com a presença do diretor geral do SESI e do SENAI, Rafael Lucchesi, do analista da Diretoria Técnica do SEBRAE Nacional, Juarez de Paula, do presidente da Fecomécio – PA, Sebastião Campos, e do presidente da Confederação Nacional do Transporte, Vander Costa.

Com a colaboração de Marquezan Araújo, reportagem Tácido Rodrigues