Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Imagem: Tomaz Silva/Agência Brasil

Confira dicas para curtir a folia com segurança

Tempo de festa e alegria, Carnaval também exige cuidados e responsabilidades por parte dos foliões

Salvar imagemTexto para rádio

Começou o Carnaval. A festa, uma das mais populares e tradicionais do Brasil, movimenta ruas, praças e avenidas de cidades de todas as regiões do país. Os eventos variam desde festas em ambientes fechados, passando por circuitos em trios elétricos e blocos de marchinhas carnavalescas.
A grande aglomeração de público, porém, levanta o alerta para que a população adote medidas de segurança e prevenção. A reportagem conversou com o porta-voz da Polícia Militar do Distrito Federal, Major Michello Bueno, que fala de maneira geral sobre quais cuidados os foliões devem ter na hora de pular carnaval.
De acordo com ele, é recomendado que as pessoas evitem transportar objetos de valor, procurem sempre andar em grupo e evitem manusear aparelhos eletrônicos em lugares isolados.


“Primeira dica que a gente passa para a população é não ir com carro próprio, ir de transporte coletivo: ônibus, táxi ou qualquer transporte por aplicativo, menos de carro. Segunda coisa: antes de sair de casa, verifique se você está bem hidratado, bem alimentado. Vá com roupas leves. Não ostentar objetos de valor como joias, relógios caros, celulares. Porque o criminoso aproveita uma distração para te furtar ou até mesmo te roubar o celular. Eles ficam de olho, ficam ali em grupinhos. É muito rápido! Como eu falei, leve pouco dinheiro ou um cartão e uma identidade com foto. Pode ser a carteira de identidade ou a carteira de motorista. Então essas são as principais dicas para você não ser vítima”, explica.


Além dos cuidados com a segurança, o folião também precisa estar atento à própria saúde. É preciso ter responsabilidade para se livrar dos perigos das infecções sexualmente transmissíveis (IST), como o HIV, por exemplo. E a melhor forma de se proteger é usando camisinha. Por isso, o Ministério da Saúde enviou cerca de 130 milhões de preservativos masculinos para os 26 estados, além do Distrito Federal. O quantitativo é 22% maior do que distribuído pela pasta no ano passado.

 

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Começou o Carnaval. A festa, uma das mais populares e tradicionais do Brasil, movimenta ruas, praças e avenidas de cidades de todas as regiões do país. Os eventos variam desde festas em ambientes fechados, passando por circuitos em trios elétricos e blocos de marchinhas carnavalescas.
A grande aglomeração de público, porém, levanta o alerta para que a população adote medidas de segurança e prevenção.

A reportagem conversou com o porta-voz da Polícia Militar do Distrito Federal, Major Michello Bueno, que fala de maneira geral sobre quais cuidados os foliões devem ter na hora de pular carnaval.
De acordo com ele, é recomendado que as pessoas evitem transportar objetos de valor, procurem sempre andar em grupo e evitem manusear aparelhos eletrônicos em lugares isolados.
 

“Primeira dica que a gente passa para a população é não ir com carro próprio, ir de transporte coletivo: ônibus, táxi ou qualquer transporte por aplicativo, menos de carro. Segunda coisa: antes de sair de casa, verifique se você está bem hidratado, bem alimentado. Vá com roupas leves. Não ostentar objetos de valor como joias, relógios caros, celulares. Porque o criminoso aproveita uma distração para te furtar ou até mesmo te roubar o celular. Eles ficam de olho, ficam ali em grupinhos. É muito rápido! Como eu falei, leve pouco dinheiro ou um cartão e uma identidade com foto. Pode ser a carteira de identidade ou a carteira de motorista. Então essas são as principais dicas para você não ser vítima.”

Além dos cuidados com a segurança, o folião também precisa estar atento à própria saúde. É preciso ter responsabilidade para se livrar dos perigos das infecções sexualmente transmissíveis (IST), como o HIV, por exemplo. E a melhor forma de se proteger é usando camisinha. Por isso, o Ministério da Saúde enviou cerca de 130 milhões de preservativos masculinos para os 26 estados, além do Distrito Federal. O quantitativo é 22% maior do que distribuído pela pasta no ano passado.

Reportagem, Isabella França