Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: DNIT

Conclusão das obras da BR-163 representa "marco para redução do custo logístico", aponta CNI

Trecho asfaltado, de pouco mais de 50 quilômetros, liga os municípios de Moraes Almeida e Novo Progresso, ambos no Pará

Salvar imagemTexto para rádio

Na mesma semana em que o governo federal anunciou que o principal trecho da BR-163, entre Novo Progresso e Miritituba, no Pará, está pronto, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) emitiu um comunicado nesta terça-feira (3) em que aponta que a conclusão das obras é "um marco para redução do custo logístico". A rodovia federal é a principal ligação entre a maior região produtora de grãos do país, em Mato Grosso, para os portos da região Norte.

Segundo o especialista em infraestrutura da CNI, Matheus de Castro, a BR-163 em boas condições proporciona uma via alternativa segura e curta de exportação dos produtos agrícolas.

“São mais de 40 anos esperando a conclusão dessas obras de pavimentação, principalmente da BR-163 e, finalmente, o governo conseguiu este feito de concluir e entregar o trecho. Essa rodovia, mesmo antes da pavimentação, já era um eixo importantíssimo para o escoamento da produção nacional, especialmente da agroindústria do Mato Grosso. Sua conclusão vai dar mais segurança e diminuir muito o custo logístico, tanto de quem já transporta por ela, quanto de possíveis interessados”, disse.

O trecho asfaltado, de pouco mais de 50 quilômetros, liga os municípios de Moraes Almeida e Novo Progresso, ambos no Pará. O especialista em infraestrutura da CNI Matheus de Castro lembra que, antes da obra, passar pela rodovia era um calvário para os caminhoneiros.

“Além da complexidade de engenharia e das dificuldades de acesso a estas regiões, se enfrentava problemas como chuvas constantes e muito fortes, que acabava comprometendo a qualidade das obras que já haviam sido feitas. Então, temos muito o que comemorar de fato (com a conclusão da obra)”, afirma.

A obra foi concluída por militares do Exército, do 8º Batalhão de Engenharia e Construção (8º BEC). Além das obras de asfaltamento e manutenção, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, o DNIT, também iniciou o trabalho de hidrossemeadura na região, ou seja, aplicação de sementes para criar vegetação de proteção no local. O objetivo da medida é proteger o terreno de erosões.
 

Continue Lendo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Na mesma semana em que o governo federal anunciou que o principal trecho da BR-163, entre Novo Progresso e Miritituba, no Pará, está pronto, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) emitiu um comunicado nesta terça-feira (3) em que aponta que a conclusão das obras é "um marco para redução do custo logístico". A rodovia federal é a principal ligação entre a maior região produtora de grãos do país, em Mato Grosso, para os portos da região Norte.

Segundo o especialista em infraestrutura da CNI, Matheus de Castro, a BR-163 em boas condições proporciona uma via alternativa segura e curta de exportação dos produtos agrícolas.
 

TEC./SONORA: Matheus de Castro, especialista em infraestrutura da CNI.

“São mais de 40 anos esperando a conclusão dessas obras de pavimentação, principalmente da BR-163 e, finalmente, o governo conseguiu este feito de concluir e entregar o trecho. Essa rodovia, mesmo antes da pavimentação, já era um eixo importantíssimo para o escoamento da produção nacional, especialmente da agroindústria do Mato Grosso. Sua conclusão vai dar mais segurança e diminuir muito o custo logístico, tanto de quem já transporta por ela, quanto de possíveis interessados.”
 

LOC.: O trecho asfaltado, de pouco mais de 50 quilômetros, liga os municípios de Moraes Almeida e Novo Progresso, ambos no Pará. O especialista em infraestrutura da CNI Matheus de Castro lembra que, antes da obra, passar pela rodovia era um calvário para os caminhoneiros.

TEC./SONORA: Matheus de Castro, especialista em infraestrutura da CNI.

“Além da complexidade de engenharia e das dificuldades de acesso a estas regiões, se enfrentava problemas como chuvas constantes e muito fortes, que acabava comprometendo a qualidade das obras que já haviam sido feitas. Então, temos muito o que comemorar de fato (com a conclusão da obra).”
 

LOC.: A obra foi concluída por militares do Exército, do 8º Batalhão de Engenharia e Construção (8º BEC). Além das obras de asfaltamento e manutenção, o Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes, o DNIT, também iniciou o trabalho de hidrossemeadura na região, ou seja, aplicação de sementes para criar vegetação de proteção no local. O objetivo da medida é proteger o terreno de erosões.

Reportagem, Cintia Moreira