Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Tony Oliveira - CNA

BOLETIM AGRO: Custo de hectare de soja no MT ultrapassa mil dólares

E mais nesta edição: SC assume protagonismo nas exportações de suínos

Salvar imagemTexto para rádio

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos os principais destaques do agronegócio.

O Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA) divulgou um relatório sobre a média de custos para cada hectare de soja plantado no estado. Segundo a pesquisa, para a safra 2019/2020 os produtores terão que pagar 7% a mais do que na última temporada.

Quem vai nos dar mais detalhes sobre essa valorização, além de abordar outros temas, é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

Seja bem-vinda, Carla.

“Esse relatório divulgado pela IMEA mostra que o custo total de um hectare de soja no estado do MT, maior estado produtor brasileiro de soja, supera os mil dólares. Os custos diretos, 48 sacas por hectare. Se o produtor tiver a sua terra arrendada, esse custo sobe para 59 sacas. No entanto, a produção média do estado é de 56 sacas. Então veja a diferença que nós temos nessa situação.”

Em uma crescente por conta da crise da peste suína africana, o Brasil tem visto seus números de exportação de carne suína apresentarem melhoras a cada índice divulgado. Dados apresentados pela Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento de Santa Catarina apontam para um protagonismo do estado nesse capítulo das negociações brasileiras. É isso mesmo, Carla?

“Somente em julho, o estado catarinense exportou mais de 35 mil toneladas de carne de porco, com faturamento superior a US$ 75 milhões. Isso é 3,5% maior que no mês anterior. Esse é o segundo melhor resultado do ano, ficando atrás apenas dos embarques registrados em maio. Se fizermos uma conta com o acumulado do ano, Santa Catarina apresenta uma alta de mais de 33% na receita das exportações de carne suína e de 29% na quantidade embarcada. Lembrando, a China têm realmente se tornado um grande mercado, mas os líderes da suinocultura de Santa Catarina não tem perdido de vista os outros mercados, que também são importantes.”

Para surpresa de muitos do mercado financeiro, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos apresentou dados sobre a cotação do milho com quedas significativas nas cotações do produto. De quanto foi a queda e o que isso significa, Carla?

“O mercado de milho fechou essa segunda-feira no limite de baixa na Bolsa de Chicago, ou seja, perdendo US$ 0,25 por 25 quilos de milho. Essa pressão intensa sobre as cotações do cereal vieram porque os dados do Departamento Americano de Agricultura vieram totalmente desalinhados às expectativas do mercado, que projetavam uma queda muito intensa na produção e na produtividade de milho nos Estados Unidos. “

Para fecharmos, uma frente fria avança pelo Sul do país no início dessa semana, de acordo com informações apresentadas pelo Climatempo. A chegada da massa de ar pode causar chuvas e quedas na temperatura. Tudo dentro do normal ou os produtores precisam prestar atenção, Carla?

“Eles precisam sim prestar atenção, porque essa massa de ar frio pode causar geada, e nós ainda temos algumas lavouras de trigo nos campos. Então essas pancadas de chuvas, raios, rajadas de vento, as próprias geadas podem trazer prejuízos grandes para algumas culturas, como o trigo por exemplo, além de hortaliças e frutas.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo. noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."
 

Fonte: <a href='https://www.brasil61.com/noticias/boletim-agro-custo-de-hectare-de-soja-no-mt-ultrapassa-mil-dolares-pran197686' target='_blank'>Brasil 61</a>

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

Olá, eu sou o Raphael Costa e esta é mais uma edição do Boletim Agro. Na edição de hoje, trazemos os principais destaques do agronegócio.

O Instituto Mato-Grossense de Economia Agropecuária (IMEA) divulgou um relatório sobre a média de custos para cada hectare de soja plantado no estado. Segundo a pesquisa, para a safra 2019/2020 os produtores terão que pagar 7% a mais do que na última temporada.

Quem vai nos dar mais detalhes sobre essa valorização, além de abordar outros temas, é a jornalista Carla Mendes, do Notícias Agrícolas.

Seja bem-vinda, Carla.

“Esse relatório divulgado pela IMEA mostra que o custo total de um hectare de soja no estado do MT, maior estado produtor brasileiro de soja, supera os mil dólares. Os custos diretos, 48 sacas por hectare. Se o produtor tiver a sua terra arrendada, esse custo sobe para 59 sacas. No entanto, a produção média do estado é de 56 sacas. Então veja a diferença que nós temos nessa situação.”

Em uma crescente por conta da crise da peste suína africana, o Brasil tem visto seus números de exportação de carne suína apresentarem melhoras a cada índice divulgado. Dados apresentados pela Secretaria da Agricultura, da Pesca e do Desenvolvimento de Santa Catarina apontam para um protagonismo do estado nesse capítulo das negociações brasileiras. É isso mesmo, Carla?

“Somente em julho, o estado catarinense exportou mais de 35 mil toneladas de carne de porco, com faturamento superior a US$ 75 milhões. Isso é 3,5% maior que no mês anterior. Esse é o segundo melhor resultado do ano, ficando atrás apenas dos embarques registrados em maio. Se fizermos uma conta com o acumulado do ano, Santa Catarina apresenta uma alta de mais de 33% na receita das exportações de carne suína e de 29% na quantidade embarcada. Lembrando, a China têm realmente se tornado um grande mercado, mas os líderes da suinocultura de Santa Catarina não tem perdido de vista os outros mercados, que também são importantes.”

Para surpresa de muitos do mercado financeiro, o Departamento de Agricultura dos Estados Unidos apresentou dados sobre a cotação do milho com quedas significativas nas cotações do produto. De quanto foi a queda e o que isso significa, Carla?

“O mercado de milho fechou essa segunda-feira no limite de baixa na Bolsa de Chicago, ou seja, perdendo US$ 0,25 por 25 quilos de milho. Essa pressão intensa sobre as cotações do cereal vieram porque os dados do Departamento Americano de Agricultura vieram totalmente desalinhados às expectativas do mercado, que projetavam uma queda muito intensa na produção e na produtividade de milho nos Estados Unidos. “

Para fecharmos, uma frente fria avança pelo Sul do país no início dessa semana, de acordo com informações apresentadas pelo Climatempo. A chegada da massa de ar pode causar chuvas e quedas na temperatura. Tudo dentro do normal ou os produtores precisam prestar atenção, Carla?

“Eles precisam sim prestar atenção, porque essa massa de ar frio pode causar geada, e nós ainda temos algumas lavouras de trigo nos campos. Então essas pancadas de chuvas, raios, rajadas de vento, as próprias geadas podem trazer prejuízos grandes para algumas culturas, como o trigo por exemplo, além de hortaliças e frutas.”

Obrigado pelos esclarecimentos, Carla. Quem quiser saber mais novidades do agronegócio é só acessar o Notícias Agrícolas, certo?

“É isso mesmo, noticiasagricolas.com.br para ser o produtor rural mais bem informado do Brasil."