Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Ítalo Novaes

BOA VISTA (RR): Saiba como tratar a mastite e garantir amamentação

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil.

Salvar imagemTexto para rádio

O momento da amamentação é idealizado por várias mães durante a gestação. Mas, durante esse processo, podem surgir desafios que interferem no sonho do aleitamento exclusivo, como a mastite. A inflamação das mamas é comum durante este período e, se o problema não for identificado e tratado rapidamente, pode interromper a amamentação, comprometendo a saúde de mãe e bebê. 

No caso da economista Karlaila Abreu, faltou informação. Quinze anos depois da primeira gestação, a moradora de Boa Vista pensou que a amamentação aconteceria naturalmente. Mas quando o pequeno Gabriel chegou, a posição errada da boca do bebê no peito resultou em uma grave inflamação nas mamas. Com isso, as mamadas se tornaram dolorosas para a mãe.

“Eu fiz uma ‘pega’ errada e meu peito virou sangue e pus. Primeiro foi em um seio, e aí eu fiquei usando só o outro seio. Até que, em uma madrugada, eu fui olhar e estavam os dois seios com sangue e pus. Aí eu me desesperei, porque pensei: ‘E agora?’”

Após buscar orientação no Banco de Leite Humano de Boa Vista e tratamento com um médico mastologista, Karlaila voltou a amamentar Gabriel exclusivamente com leite materno.

A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento do Ministério da Saúde, Janine Ginani, esclarece que, frequentemente, infecções e outras complicações durante o processo de aleitamento resultam de técnicas erradas na hora de amamentar o bebê. Ela dá as dicas para evitar a mastite e outros problemas:

“Normalmente, o processo de mastite vem de uma pega inadequada, de uma fissura e aquilo ali promove uma infecção. Outra questão que também é importante é a duração da mamada. A criança precisa esvaziar a mama. Este leite que está ficando pode empedrar e, em alguns casos, pode demandar cirurgia. Então esvaziar a mama e – atentar para – a pega adequada é o melhor jeito de prevenir.”

Arte: Sabrine Cruz/Agência do Rádio

Janine Ginani reforça ainda a necessidade de que mães busquem informações em Unidades de Saúde da Família e Bancos de Leite Humano para aprender mais sobre as técnicas e experiências que podem favorecer o período da amamentação. 

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece para amamentarem seus filhos.  Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/amamentacao. 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O momento da amamentação é idealizado por várias mães durante a gestação. Mas, durante esse processo, podem surgir desafios que interferem no sonho do aleitamento exclusivo, como a mastite. A inflamação das mamas é comum durante este período e, se o problema não for identificado e tratado rapidamente, pode interromper a amamentação, comprometendo a saúde de mãe e bebê. 

No caso da economista Karlaila Abreu, faltou informação. Quinze anos depois da primeira gestação, a moradora de Boa Vista pensou que a amamentação aconteceria naturalmente. Mas quando o pequeno Gabriel chegou, a posição errada da boca do bebê no peito resultou em uma grave inflamação nas mamas. Com isso, as mamadas se tornaram dolorosas para a mãe.

TEC./SONORA: Karlaila Abreu, economista.

“Eu fiz uma ‘pega’ errada e meu peito virou sangue e pus. Primeiro foi em um seio, e aí eu fiquei usando só o outro seio. Até que, em uma madrugada, eu fui olhar e estavam os dois seios com sangue e pus. Aí eu me desesperei, porque pensei: ‘E agora?’”

LOC.: Após buscar orientação no Banco de Leite Humano de Boa Vista e tratamento com um médico mastologista, Karlaila voltou a amamentar Gabriel exclusivamente com leite materno.

A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento do Ministério da Saúde, Janine Ginani, esclarece que, frequentemente, infecções e outras complicações durante o processo de aleitamento resultam de técnicas erradas na hora de amamentar o bebê. Ela dá as dicas para evitar a mastite e outros problemas:

TEC./SONORA: Janine Ginani, Coordenadora da Saúde da Criança do Ministério da Saúde

“Normalmente, o processo de mastite vem de uma pega inadequada, de uma fissura e aquilo ali promove uma infecção. Outra questão que também é importante é a duração da mamada. A criança precisa esvaziar a mama. Este leite que está ficando pode empedrar e, em alguns casos, pode demandar cirurgia. Então esvaziar a mama e – atentar para – a pega adequada é o melhor jeito de prevenir.”
 

LOC.: Janine Ginani reforça ainda a necessidade de que mães busquem informações em Unidades de Saúde da Família e Bancos de Leite Humano para aprender mais sobre as técnicas e experiências que podem favorecer o período da amamentação. 

A amamentação é a forma de proteção mais econômica e eficaz para redução da mortalidade infantil. Por isso, incentive todas as mulheres que você conhece para amamentarem seus filhos.  Incentive a família, alimente a vida. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/amamentacao.