Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Saúde

Na região Sul do estado do Espírito Santo (ES), o Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), é referência para coleta e doação de leite materno

Baixar áudio

Na região Sul do estado do Espírito Santo (ES), o Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), é referência para coleta e doação de leite materno. A unidade além de atender o município de Cachoeiro de Itapemirim, ajuda na distribuição de leite humano a outras 16 cidades da região. 

O Banco de Leite Humano do HECI já coletou nos primeiros quatro meses deste ano, 264 litros de leite materno. A coleta já beneficiou 135 bebês prematuros e/ou de baixo peso internados em Unidade Neonatal na região que por algum motivo não puderam se alimentar do leite materno da própria mãe. A unidade tem conseguido manter as doações, no entanto, precisa de reforço no número de doadoras para atender de forma satisfatória toda a demanda regional.

A enfermeira e coordenadora do Banco de Leite Humano do HECI, Reneida Cabral, reforça a importância de receber neste momento mais doações de leite materno. Ela faz um chamamento para as necessidades do banco.

“Os Bancos de Leite Humano estão precisando da ajuda das mães que tem leite materno em demasia. Os recém-nascidos precisam desse alimento para ganhar peso. O papel do Banco de Leite Humano é fazer o processamento desse leite materno, para assim, levar a essas crianças que tanto precisam e que ficam internadas em unidades de terapia intensiva”.

O Banco de Leite Humano do Hospital Evangélico de Cachoeiro de Itapemirim (HECI), funciona de segunda-feira a domingo, das 7h às 19h. A unidade faz atendimento domiciliar e não precisa marcar horário no caso do atendimento no ponto de coleta. A unidade fica localizada Rua Anacleto Ramos, número 55, bairro dos Ferroviários. A mãe que preferir entrar em contato por telefone, basta ligar para o número: (28) -3521-7045.

A mãe e engenheira, Luiza Freitas Vidigal é doadora e tem dois filhos, o Henrique e o Marcelo. Ela fala um pouco da importância do gesto.

“Sempre vão ter crianças precisando. E quando a gente vê o nosso filho saudável, no nosso braço, temos que pensar que outras crianças nasceram prematuras e que tem mães que não conseguem amamentar esses pequenos. A doação de leite materno não custa nada, é o seu leite que está sobrando”.

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde

A unidade coletou até o mês de abril, 86 litros. A quantidade, ainda que baixa, já beneficiou 58 bebês prematuros e/ou baixo peso internados em Unidade Neonatal da região

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano do Hospital Maternidade Madre Gertrudes de São José, no município de Colatina (ES), está com o estoque de leite materno abaixo de 60%. A unidade coletou até o mês de abril, 86 litros. A quantidade, ainda que baixa, já beneficiou 58 bebês prematuros e/ou baixo peso internados em Unidade Neonatal da região. O gesto só ocorreu depois que 66 mães lactantes doaram o leite materno para o Banco de Leite Humano para ajudar essas crianças que por algum motivo não puderam se alimentar do leite da própria mãe.

A unidade funciona na rua Ladeira Cristo Rei, número 514 no centro da cidade. O Banco de Leite Humano funciona de segunda-feira a sexta-feira das 7h30 às 17h. Para entrar em contato com a unidade basta ligar no número: (27) 2102-2100. A unidade também realiza atendimento domiciliar uma vez por semana, além dos agendamentos.

Preocupada com a redução do estoque de leite materno no município, a enfermeira do Hospital Maternidade Madre Gertrudes de São José, Miria Costalonga faz um chamamento para as mães que estão amamentando, possíveis doadoras.

“Precisamos da sua doação. Nosso estoque está abaixo de 60% e não supre as necessidades de todos os bebês. Nós também realizamos atendimento hospitalar sem agendamento. E contamos com o serviço de rota domiciliar uma vez por semana, onde as doadoras podem realizar a ordenha e conservar o leite materno da forma que são orientadas para que possamos recolher com todo o cuidado. Continuamos com a rota mesmo neste período de pandemia”. 

Para doar leite materno, a mãe precisa estar saudável, apresentar os exames realizados durante o pré-natal. Além disso, ela não pode estar com sintomas da Covid-19 ou tomando medicamentos que impeçam a doação.  O presidente da Rede Brasileira de Bancos de Leite Humano, João Aprígio de Almeida, reforça que precisamos da ajuda de todas as mães para aumentar os bancos de leite humano.

“Nós precisamos contar com outras mães que doem o leite materno excedente, aquele que sobra no peito depois da mamada porque esse alimento vai ser direcionado para esses bebês. Isso é uma síntese muito simples do que é o trabalho dos Bancos de Leite Humano, porque doar é um gesto fundamental para um grande número de bebês que nascem no nosso país todos os dias.”

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde

O documento foi produzido pelo Grupo de Trabalho sobre Distanciamento Social no âmbito do Observatório Covid-19 da Fiocruz

Baixar áudio

A Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), elaborou um relatório a pedido do Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), para auxiliar o estado sobre as medidas de distanciamento social na região. O documento foi produzido pelo Grupo de Trabalho sobre Distanciamento Social no âmbito do Observatório Covid-19 da Fiocruz.

De acordo com o relatório as medidas de distanciamento social devem ser encaradas como temporárias e devem estar combinadas com as ações de fortalecimento do Sistema Único de Saúde (SUS). Entre elas, a capacidade de vigilância e controle da transmissão da doença, como nas relacionadas à rede de saúde, incluindo leitos hospitalares e UTIs, por exemplo.

Os pesquisadores destacaram também as medidas distanciamento social, mesmo sendo importantes para o enfrentamento da Covid-19, não devem ser tratadas como um fim em si mesmas, pois o seu prolongamento também contribui para outros impactos na saúde, como os relacionados à saúde mental ou a violência doméstica. 

O grupo de trabalho ressaltou que três questões são fundamentais para o distanciamento social: primeiro que as decisões, para serem seguras, devem ser tomadas com bases em dados e evidências científicas sobre a Covid-19.  Considerando a necessidade de dados regulares e confiáveis sobre a evolução da pandemia. Além da e informações sobre a infraestrutura dos serviços, equipamentos e insumos disponíveis no SUS.

E segundo lugar os pesquisadores destacam para os critérios de entrada e saída do isolamento social. Para o grupo de trabalho a decisão deve ser tomada com ampla participação da sociedade, que precisa estar bem informada e envolvida nesse processo, assim como da sociedade civil, de empresários, do setor público, do judiciário, do legislativo e das esferas de governo.

Em terceiro e por fim, o grupo aponta que estudos demonstram que a pandemia já resulta em grandes impactos econômicos e sociais, e que sem a adoção de medidas de distanciamento social, estes custos serão ainda maiores. Neste cenário de intermitências da pandemia e de medidas de distanciamento social, mais do que nunca se faz necessário tanto fortalecer as medidas de proteção social, como também reorganizar a economia e as atividades sociais para reduzir estes impactos.

Copiar o texto
Economia

O valor que deverá ser creditado deve chegar a R$ 2,37 bilhões, segundo a previsão da Confederação Nacional dos Municípios

Baixar áudio

Municípios brasileiros devem receber nesta sexta-feira, (5) de junho a terceira parcela de recomposição do Fundo de Participação dos Municípios (FPM). A informação é da Secretaria do Tesouro Nacional. O crédito é uma transferência da União decorrente da arrecadação do Imposto de Renda (IR) e do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI).

A data foi informada durante transmissão ao vivo nas redes sociais da Confederação Nacional de Municípios (CNM), no início da semana. O repasse que está previsto na Medida Provisória (MP) 938/2020, tem como objetivo manter o fundo pelo menos no mesmo patamar de 2019, diante da queda n arrecadação em decorrência dos impactos da Covid-19 no Brasil.

O valor que deverá ser creditado deve chegar a R$ 2,37 bilhões, segundo a previsão da Confederação Nacional dos Municípios. O valor é baseado nos dados do Fundo de maio de 2020. Essa já é a terceira de quatro parcelas prevista na Medida Provisória 938/2020.

A Confederação Nacional de Municípios destacou durante a transmissão ao vivo nas redes sociais que, por se tratar de auxílio, não há desconto para o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica (Fundeb), e que os valores não compõem a base de cálculo para repasse ao Legislativo local a título de duodécimo. 

Confira o valor destinado para cada município no link.
 

Copiar o texto
Economia

Neste primeiro momento, volta a funcionar o setor de serviços, que englobam as agências de automóveis, lojas de móveis e de decoração

Baixar áudio

A cidade do Rio de Janeiro inicia hoje a retomada gradual das atividades econômicas. Neste primeiro momento, volta a funcionar o setor de serviços, que englobam as agências de automóveis, lojas de móveis e de decoração. O comércio de rua permanece fechado.

Além disso, o funcionamento das lanchonetes, bares, e restaurantes continuam com o esquema de entrega em domicílio ou no local. As academias continuam fechadas. Os hotéis e hostels podem funcionar, mas os pontos turísticos continuam fechados.

De acordo com o plano de retorno das atividades do prefeito Marcelo Crivella, a partir de hoje, as pessoas podem frequentar as praias apenas para atividades físicas no calçadão. Fica liberado também os esportes aquáticos individuais, como o surf. Os parques também abrem somente para atividades físicas. Os voos livres individuais estarão liberados.

Já os shopping centers continuam fechados, funcionando só as lojas de alimentação no sistema de delivery, como já ocorre atualmente. Os shopping centers devem voltar a funcionar como completo na segunda fase do plano, com regras como a redução em um terço da capacidade do estacionamento, distanciamento entre frequentadores e horário de funcionamento das 12h às 20h. 

O plano de retorno das atividades na cidade do Rio de Janeiro está dividido em seis fases. Aqueles setores que desobedecerem aos critérios e às regras da retomada das atividades serão multados pela Vigilância Sanitária e órgãos fiscalizadores da prefeitura. A punição poderá resultar na cassação do alvará de funcionamento. O valor da multa varia de R$ 500 a R$ 2.800.

A partir de hoje os atendimentos de saúde poderão ser feitos mediante agendamento, exceto nas situações de emergência, mas com a proibição de aglomerações.
Outra atividade que volta a funcionar são os cultos religiosos, em igrejas e templos. A atividade deve seguir protocolos específicos, sem aglomeração e mediante desinfecção dos locais.

Segundo o prefeito Marcelo Crivela, as escolas devem retomar as atividades somente em julho. Para Crivella, as atividades na cidade estarão normalizadas em agosto, mas ainda com alguns cuidados.
 

Copiar o texto
Saúde

A coleta do leite materno já beneficiou 169 bebês prematuros /ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais na região

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano do Hospital dos Plantadores de Cana, no município de Campos dos Goytacazes (RJ), já doou 195 litros de leite materno até o mês de abril deste ano. A coleta do leite materno já beneficiou 169 bebês prematuros /ou de baixo peso internados em Unidades Neonatais na região. O gesto só ocorreu depois que 187 mães lactantes doaram o leite materno para o Bando de Leite Humano ajudando essas crianças que por algum motivo não puderam se alimentar do leite da própria mãe.

Todas as terças e quintas-feiras pela manhã os profissionais de saúde que atuam no Banco de Leite Humano do Hospital dos Plantadores de Cana, realizam a coleta do leite materno nas casas dessas mães.

A unidade funciona na Avenida Dr. José Alves de Azevedo, número 337, no bairro Parque Rosário. O banco funciona de segunda-feira a domingo das sete horas da manhã até as sete da noite. Para entrar em contato com a unidade basta ligar no número: (22) 2737-7431.

Atualmente o Banco de Leite Humano do Hospital dos Plantadores de Cana está com os estoques em dia, no entanto, não está sobrando leite materno para atender outras demandas.  Por esse motivo a coordenadora do Banco de Leite Humano do Hospital dos Plantadores Cana, Fabiana Passos, ressalta que para doar basta estar saudável e com os exames do pré-natal em dia.

“Sempre pedimos os últimos exames do pré-natal de cada mãe. Essa doadora tem que estar sadia, sem sintoma gripal. A mãe doadora liga para o nosso Banco de Leite Humano, fazemos um pré-cadastro por telefone e agendamos uma visita a casa da doadora.” 

A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani, ressalta que mesmo com os estoques em dia, os Bancos de Leite Humano, precisam estar sempre abastecidos.

“Não existe uma época específica para realizar a doação de leite materno. Durante todo o ano precisamos de doação, pois os bebês prematuros nascem diariamente no país. Também não existe indicação de um horário específico para realizar a coleta, o ideal é que seja um horário onde a mulher esteja menos sobrecarregada e possa realizar a ordenha com tranquilidade.”

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde

Em 2020, de acordo com os dados Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a instituição só coletou, até o momento, 32 litros de leite materno

Baixar áudio

O Banco de Leite Humano Keiko Miyasaki, localizado no município de Santos (SP) está com o estoque de leite materno abaixo do ideal. Em 2020, de acordo com os dados Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), a instituição só coletou, até o momento, 32 litros de leite materno. No entanto, a doação já ajudou 86 bebês na região. Cento e quarenta mães fizeram com que os recém-nascidos prematuros e/ou de baixo peso ficassem protegidos e se recuperassem mais rápido. 

Com o leite materno a criança fica protegida dee diarreias, infecções respiratórias e alergias e têm menos risco de desenvolver hipertensão, colesterol alto, diabetes e obesidade na vida adulta. Todas as mulheres que amamentam estão aptas a doar leite materno. Basta estar saudável e não tomar nenhum medicamento contraindicado para amamentação.

Quando for coletar o leite materno, lembre-se de escolher um local limpo e confortável, use touca para cobrir os cabelos, lave as mãos e os braços até o cotovelo e lave as mamas apenas com água e utilize máscara ou um pano limpo para cobrir o nariz e a boca, Coloque o frasco de vidro e a tampa plástica em uma panela, cobrindo-os com água e deixe ferver por 15 minutos, contando o tempo a partir do início da fervura. Ao coletar o leite, anote, na tampa do pote, seu nome, a data e a hora em que realizou a primeira coleta do seu leite. O frasco deve ser fechado imediatamente e guardado no freezer ou no congelador. Sua validade para doação é de até 10 dias.

“Sei da importância que o leite materno tem na vida de um recém-nascido e também o quanto os hospitais estão precisando. Tenho bastante para saciar a necessidade da minha filha e assim, também ajudo as outras crianças, principalmente nesse momento de covid-19.”

A mãe que desejar doar, pode procurar o Banco de Leite Humano Keiko Miyasaki Teruya. Ele fica localizado na rua Doutor Oswaldo Cruz, número 197, no bairro Boqueirão, em Santos (SP). A unidade faz coleta domiciliar e funciona de segunda a sexta, das sete da manhã às cinco da tarde. O número para o contato é: (13) 3202-1323.

A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani ressalta que toda mãe saudável e com leite em excesso pode doar.

“Toda mulher saudável que está amamentando pode doar leite materno. Porém, não deve utilizar nenhum medicamento que seja incompatível com a amamentação e evitar álcool, cigarros ou outras substâncias ilícitas. O ideal é que procure um Banco de Leite Humano mais próximo para mais informações.”

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde

O maior Banco de Leite Humano do estado, no Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, da capital, está trabalhando com apenas 10% do ideal para atender os bebês prematuros e/ou de baixo peso  internados nas Unidades Neonatais

Baixar áudio

O estado de São Paulo já registra queda de 60% nas doações de leite materno em decorrência da circulação do novo coronavírus. O maior Banco de Leite Humano do estado, no Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros, da capital, está trabalhando com apenas 10% do ideal para atender os bebês prematuros e/ou de baixo peso  internados nas Unidades Neonatais. 

A unidade de saúde conta, por mês, com 10 litros de leite materno. Para o funcionamento em 100%, o ideal é que a maternidade colete de 50 a 100 litros por mês. A quantidade disponível atende à Unidade Neonatal por apenas três dias. 

A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani, reforça a importância do gesto de doar para a saúde de bebês prematuros e/ou de baixo peso internados. A gestora destaca ainda que toda mulher que está amamentando e está saudável pode doar.

“Toda mulher saudável que está amamentando pode doar leite materno. Para isso, ela também não pode estar utilizando medicamento que seja incompatível com a amamentação, álcool, cigarros ou outras substâncias ilícitas. O ideal é que procure um Banco de Leite Humano ou Posto de Coleta de Leite Humano mais próximo para mais informações.”

A Luiza Freire Vidigal, de 33 anos, é mãe do Henrique, de três, e do Marcelo, de 45 dias. Além de amamentar os dois filhos, a engenheira também doa leite materno excedente.

“Eu fiquei insegura achando que o meu leite estava pouco na minha primeira gravidez. Aí, fui na maternidade, mais para ter uma orientação do que para doar. Lá, fui super bem atendida. As meninas me mostraram que o meu leite era mais do que o suficiente. Ainda sobrava um pouco depois da mamada. E elas me incentivaram a doar. Fazer isso é muito gratificante.” 

A Rede de Bancos de Leite Humano do Estado de São Paulo é a maior do país. A região conta com 56 Bancos de Leite Humano, sendo eles estaduais, municipais, filantrópicos e privados. Neste ano, até o momento o estado já coletou 17.691 litros de leite. O alimento beneficiou 13.557 bebês em todo o estado. Mais de 13 mil doadoras. Em 2019, foram coletados 55.313,3 litros de leite materno de 42.858 doadoras, distribuídos para 43.023 bebês.

O Hospital Maternidade Leonor Mendes de Barros fica na avenida Celso Garcia, 2477, Belenzinho, São Paulo. O telefone da unidade é (11) 6292-4188.

Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite.

Copiar o texto
Saúde

Isso só foi possível graças à solidariedade de 1.037 mulheres. Apesar da pandemia, a quantidade doada desse alimento superou a registrada nos quatro primeiros meses de 2019

Baixar áudio

Até abril, o Espírito Santo coletou 2.861 litros de leite materno, atendendo a 671 bebês prematuros e/ou de baixo peso que estavam internados em Unidades Neonatais. Isso só foi possível graças à solidariedade de 1.037 mulheres. Apesar da pandemia, a quantidade doada desse alimento superou a registrada nos quatro primeiros meses de 2019.

A técnica de enfermagem Julia Garcia, de 23 anos, trabalha em um Banco de Leite Humano em Vila Velha. Mãe do pequeno Théo, de apenas dois meses, Julia sabe bem que bebês prematuros e/ou de baixo peso internados e que não podem ser amamentados pelas próprias mães dependem do leite materno para se recuperarem mais rápido e crescerem com mais saúde.

“Eu sei da importância da doação de leite materno porque eu vivenciei isso lá dentro, estando do outro lado como profissional. E a gente sabe que aqueles bebês da UTI precisam desse leite. Hoje, estando do outro lado, eu faço questão de doar, por entender e saber da importância do leite materno. É o único alimento que o bebê precisa até os seis meses de vida”.

No estado, há seis Bancos de Leite Humano e três pontos de coleta. O Centro de Referência é o Banco de Leite Humano do Hospital Universitário Cassiano Antônio de Moraes, que fica na Avenida Marechal Campos, número 1.355, em Vitória. O local funciona de segunda a sexta-feira, das sete às onze da manhã e de meio-dia às sete da noite, com possibilidade de coleta domiciliar.

A coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani, reforça que o leite materno tem tudo o que bebê precisa até os seis meses de idade e protege a criança de diarreias, infecções respiratórias e alergias.

“O leite materno é uma das mais eficazes interveções para redução da mortalidade infantil, principalmente para crianças prematuras e/ou de baixo peso internadas em Unidade Neonatais. O bebê que recebe leite materno desenvolve menos complicações durante o período de internação, que podem levar a morte como problemas intestinais e respiratórios. Os benefícios de receber leite materno perduram por toda a vida da criança”.

Segundo a Secretaria Estadual de Saúde, durante esse momento de isolamento social, muitas mães têm receio de receber funcionários da Rede Capixaba do Banco de Leite Humano em casa, mas lembra que todas as medidas preventivas são adotadas pelos profissionais e que não há risco de contaminação pelo coronavírus. 

Por isso, doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença. Procure o Banco de Leite Humano mais próximo ou ligue para o Disque Saúde, no número 136, para tirar qualquer dúvida. Para mais informações, acesse saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto
Saúde

O Ministério da Saúde informa que para ser uma doadora, basta estar saudável e não usar medicamentos controlados

Baixar áudio

 Doar leite materno, esse gesto de solidariedade pode salvar vidas. No entanto, neste momento em que o país vive uma pandemia por conta da Covid-19, as mamães estão com muitas dúvidas se podem ou não realizar a doação. O Ministério da Saúde informa que para ser uma doadora, basta estar saudável e não usar medicamentos controlados.   Além disso, é importante que a mãe tenha feito o acompanhamento do pré-natal.

Daniela Vasconcelos, 40 anos, mãe do pequeno Vinícius de dois meses e meio, começou a doar leite materno a pouco tempo. Ela nunca imaginou que pudesse ser doadora, mas buscou informações sobre o assunto e hoje entende a importância do gesto. Toda semana ela doa seu leite ao Banco de Leite Humano do Hospital Regional Asa Norte (HRAN), em Brasília (DF). Daniela explica um pouco sobre os cuidados que as mamães devem tomar ao extrair o leite materno, mesmo durante essa pandemia. 

“Os cuidados são praticamente os mesmos adotados anteriormente para a doação de leite materno. Porém, com um olhar mais minucioso. Usar sempre a máscara, prender os cabelos, usar toucas ou lanço para cobri-los e, higienizar bem as mãos com água e sabão por no mínimo 20 segundos antes e depois de retirar o leite. Colocar o leite em um vidro devidamente higienizado, conforme orientação do Banco de Leite Humano e Ministério da Saúde", disse.

Doação leite materno - Imagem: Artes

 

Se você mãe apresentar sintomas gripais entre eles, febre, tosse, nariz escorrendo, dor de garganta e dificuldade para respirar ou estiver morando com alguém com esses sintomas, a recomendação é suspender a doação por 14 dias, como orienta a coordenadora de Saúde da Criança e Aleitamento Materno do Ministério da Saúde, Janini Selva Ginani. 

“A doação de leite materno é recomendada apenas para mulheres que estejam plenamente saudáveis. Se você já for doadora e estiver com suspeita ou confirmação da Covid-19 ou morar com alguém que tenha os sintomas deve suspender a doação por 14 dias. No entanto, a mulher pode continuar amamentando o seu próprio filho, pois até o momento, não há evidência científica robusta de transmissão da doença pelo leite materno"ressaltou.

 É importante que as mulheres que estejam doando ou desejam doar o seu leite entre em contato com os Bancos de Leite Humanos (BLH) ou com Pontos de Coleta de Leite Humano (PCLH) mais próximos de sua casa para se cadastrar e se certificar sobre a maneira mais segura de doar. Alguns pontos não realizam coleta domiciliar. Além disso, devem seguir rigorosamente as devidas orientações. A lista com os contatos dos Bancos de Leite Humano disponíveis no país está disponível na página: saúde.gov.br/doacaodeleite

“Doe leite materno. Nessa corrente pela vida, cada gota faz a diferença”. Para mais informações, ligue 136 ou acesse o site saude.gov.br/doacaodeleite. 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio