Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Educação
02/10/2019 11:50h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, áreas transversais e metalmecânica demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado do Bahia terá de qualificar 389.750 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta semana.

Segundo o levantamento, entre as áreas que mais demandarão técnicos capacitados em quatro anos estão transversais (13.818); metalmecânica (9.288) e energia e telecomunicações (7.938). São chamados de profissionais transversais aqueles que trabalham em qualquer segmento, como técnicos em eletrotécnica e técnicos de controle da produção.

De acordo com a gerente de Educação Profissional do SENAI da Bahia, Patrícia Evangelista, essas e outras vagas de trabalho estarão disponíveis, mas o mercado vai exigir uma especialização, que pode ser adquirida por meio da formação ou qualificação técnica. 

“É um caminho de acesso ao mercado de trabalho. São oportunidades que o jovem tem de acessar, seja o primeiro emprego, seja se manter no mercado, ou seja buscar uma nova oportunidade a partir de programas de qualificação”, considera.

Metalmecânica

Na Bahia, o setor de metalmecânica precisará, segundo o estudo do SENAI, qualificar 20.094 novos profissionais técnicos nos próximos quatro anos. Essa área é vista como estratégica para a indústria, já que quase todas as outras do setor produtivo dependem dela. As indústrias desse segmento transformam metais nos mais diversos tipos de produtos, como máquinas e tubulações.

Para o diretor-executivo de Tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Alfredo Delgado, a educação profissional é o grande diferencial para quem busca uma vaga de emprego dentro do setor industrial.

“A educação profissional é a solução. Quando a gente fala de vagas nas empresas que não estão sendo preenchidas, normalmente é que a pessoa não atende os skills, ou seja, não tem o perfil que está sendo procurado”, ressalta.

Como forma de mudar a realidade de milhões de brasileiros que estão desempregados e fomentar a economia no país, o deputado federal Daniel Almeida (PCdoB) afirma que a solução é ampliar a oferta de formação técnica e profissional. “A formação técnica é absolutamente essencial para qualquer economia, para qualificar mão de obra” destaca.

Qualificação profissional

O Mapa do Trabalho Industrial mostra que entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão padeiros, confeiteiros e afins (6.106) e mecânicos de manutenção de máquinas industriais (5.949).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, basta acessar o site fieb.org.br ou comparecer a uma das unidades da instituição. Mais informações podem consultadas pelo telefone (71) 3534-8090.
 

Copiar o texto
Política
01/10/2019 14:58h

Segundo Mapa do Trabalho Industrial, do SENAI, as áreas de metalmecânica e energia são as que mais demandarão técnicos capacitados em quatro anos

Baixar áudio

O estado de Alagoas terá de qualificar 62.495 trabalhadores em ocupações industriais nos níveis superior, técnico, qualificação e aperfeiçoamento entre 2019 e 2023. Os dados são do Mapa do Trabalho Industrial, elaborado pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI) e divulgado nesta segunda-feira (30).
Segundo o coordenador de Educação Profissional do SESI/SENAI de Alagoas, Pedro Oliveira, entre as áreas que mais demandam formação técnica no estado, estão informática; eletrotécnica; edificações e metalmecânica.

Além da formação, Pedro ressalta que a qualificação profissional deve ser uma atividade constante na vida dos trabalhadores, já que o mercado de trabalho tem exigido cada vez mais atualizações.

“O mercado é dinâmico, muda bastante. É muito importante que todos estejam sempre atentos a essas mudanças. Uma alternativa para isso é a qualificação profissional, é o aperfeiçoamento. Então, estar sempre em busca de informação, de conhecimento, de aprender técnicas novas, tudo isso mantém o trabalhador inserido no mercado”, avalia.

Metalmecânica

Em Alagoas, o setor de metalmecânica precisará, segundo o estudo do SENAI, qualificar 1.714 novos profissionais técnicos nos próximos quatro anos. Essa área é vista como estratégica para a indústria, já que quase todas as outras do setor produtivo dependem dela. As indústrias desse segmento transformam metais nos mais diversos tipos de produtos, como máquinas e tubulações.

Para o diretor-executivo de Tecnologia da Associação Brasileira da Indústria de Máquinas e Equipamentos (Abimaq), João Alfredo Delgado, a educação profissional é o grande diferencial para quem busca uma vaga de emprego dentro do setor industrial.

“A educação profissional é a solução. Quando a gente fala de vagas nas empresas que não estão sendo preenchidas, normalmente é que a pessoa não atende os skills, ou seja, não tem o perfil que está sendo procurado”, ressalta.

Como forma de mudar a realidade de milhões de brasileiros que estão desempregados, a saída, na avaliação da deputada federal Tereza Nelma (PSDB-AL), é ampliar a oferta de formação técnica e profissional.

“Eu defendo muito a educação profissional. Acredito na formação e sei que as escolas do SESI e do SENAI são escolas de primeira linha e muito bem aceitas pela comunidade”, afirma a parlamentar.

Qualificação profissional

Segundo o Mapa do Trabalho Industrial, entre as ocupações que exigem cursos de qualificação e que mais vão demandar profissionais capacitados, estão as de mecânicos de manutenção de veículos automotores (1.360) e padeiros, confeiteiros e afins (1074).

Para quem tiver interesse em saber mais sobre alguma dessas áreas, basta acessar o site fiea.org.br ou comparecer a uma das unidades da instituição. Mais informações podem consultadas pelo telefone (82) 2121-3000.
 

Copiar o texto
Política
25/09/2019 16:28h

Para o deputado Delegado Pablo (PSL-AM), o rádio é para a população do Norte do país o principal meio de se obter informações

Baixar áudio

O dia da Radiodifusão, comemorado nesta quarta-feira (25), foi lembrando pelos parlamentares na Câmara dos Deputados. Realizada durante sessão solene no Plenário da Casa, a comemoração foi requerida e presidida pelo deputado Delegado Pablo (PSL-AM).

Na ocasião, o parlamentar ressaltou que a radiodifusão é importante para região Norte, levando em conta que existem 131 emissoras de rádio FM com permissão para operar na Amazônia Legal. A área, segundo o deputado, tem o rádio como o principal meio de obter informação e como ferramenta de desenvolvimento e comunicação do país.

“É uma data muito importante. Eu acredito que, independentemente de outras plataformas de comunicação, o rádio é a forma mais segura de você transferir informação e é o meio mais atual ainda, por mais que seja o mais antigo, de você trazer entretenimento, seja em casa, no trabalho ou em qualquer outro lugar”, defendeu o deputado.

O presidente da Associação Brasileira de Rádio e Televisão, Márcio Novaes, também participou da solenidade na Câmara dos Deputados. Para ele, a data também é oportuna para ressaltar a importância do rádio no combate às notícias falsas.

“Nesses tempos de rede social, de mídia digital, onde se propaga livre e impunimente as notícias falsas, é no rádio e na televisão que o cidadão brasileiro encontra a verdade. É lá que ele pode checar se aquela informação que ele recebeu é de fato verdadeira”, afirmou.

A data para comemorar o Dia da Radiodifusão foi escolhido por conta do aniversário de Roquete Pinto, considerado o “pai” do rádio brasileiro, que em 1923 inaugurou oficialmente a primeira emissora do Brasil: a Sociedade do Rio de Janeiro.

Copiar o texto
Política
24/09/2019 23:15h

Segundo presidente do Senado, calendário inicial da tramitação da PEC 6/2019 não será prejudicado

Baixar áudio

Em acordo com os líderes partidários, o presidente do Senado, Davi Alcolumbre (DEM-AP), decidiu adiar para a próxima terça-feira (1º) a análise das emendas da reforma da Previdência na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ), assim como a votação, em primeiro turno, no Plenário da Casa. Ao lado de senadores, Alcolumbre participou nesta terça-feira (24) de encontro com o presidente do Supremo Tribunal Federal, ministro Dias Toffoli, para tratar da suspensão de liminar contra operações de busca e apreensão no Congresso Nacional.

Alcolumbre afirmou que a alteração de data não impede o cumprimento do calendário divulgado inicialmente para aprovação da reforma da Previdência, previsto para 10 de outubro.

“Nós restabelecemos esse prazo porque no acordo construído hoje, vota-se na CCJ na terça pela manhã, e na terça à noite no Plenário, em primeiro turno. Ou seja, continua o prazo estabelecido da primeira quinzena de outubro”, ressaltou Alcolumbre.

A notícia do adiamento não foi bem recebida pela presidente da CCJ, senadora Simone Tebet (MDB-MS). A parlamentar, no entanto, ressaltou que a decisão de alterar a data de votação não deve interferir no prazo final para conclusão do trâmite. “Acho que houve um erro de estratégia. Não é o momento de sinalizar qualquer dúvida para a sociedade em relação à reforma da Previdência”, ponderou.

Para ser promulgado e passar a valer, o texto principal da reforma da Previdência precisa dos votos favoráveis de, pelo menos, 49 dos 81 senadores, em dois turnos de votação no Plenário. O mesmo vale para a chamada PEC paralela. Esse texto alternativo foi criado para inserir estados e municípios na reforma, trecho que ficou de fora do texto aprovado na Câmara. 

A ideia dos senadores é que a PEC paralela substitua as alterações que seriam feitas na redação original da reforma, o que evitaria atraso na tramitação e nova rodada de análise por parte dos deputados.

Emenda

A emenda a ser votada na CCJ na próxima terça-feira (1) se trata da única acatada na última semana pelo relator da reforma da Previdência, Tasso Jeiressati (PSDB-CE).

O destaque, apresentado pelo senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), mantém a integralidade de benefícios variáveis concedidos a servidores públicos estaduais e municipais no valor da aposentadoria. Esses benefícios incluem, por exemplo, gratificações por produtividade e cursos de especialização. 

Pela proposta inicial do governo, aprovada pela Câmara, isso seria alterado, visto que esses bônus seriam aplicados proporcionalmente ao tempo de trabalho do servidor. Com a decisão de Jereissati, esses trabalhadores permanecem com o direito de incorporar os benefícios do último salário à aposentadoria, como já ocorre atualmente.
 

Copiar o texto
Política
19/09/2019 15:49h

Como o texto principal foi preservado quase em sua integralidade, o senador espera que a PEC da reforma da Previdência seja aprovada em Plenário ainda este mês

Baixar áudio

O relator da reforma da Previdência, Tasso Jereissati (PSDB-CE), acatou apenas uma das 77 emendas que o texto recebeu no Plenário do Senado. O parecer sobre as sugestões de alteração à PEC 6/2019 foi lido na manhã desta quinta-feira (19), na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ) da Casa.

A emenda, apresentada pelo senador Rodrigo Pacheco (DEM-MG), mantém a integralidade de benefícios variáveis concedidos a servidores públicos estaduais e municipais no valor da aposentadoria. Esses benefícios incluem, por exemplo, gratificações por produtividade e cursos de especialização. Pela proposta inicial do governo, aprovada pela Câmara, isso seria alterado, visto que esses bônus seriam aplicados proporcionalmente ao tempo de trabalho do servidor. Com a decisão de Jereissati, esses trabalhadores permanecem com o direito de incorporar os benefícios do último salário à aposentadoria, como já ocorre atualmente.

O pedido de vista coletivo do novo relatório foi atendido pela presidente da CCJ, Simone Tebet (MDB-MS), que marcou a votação para a próxima terça-feira (24), a partir das 10h na CCJ. A previsão é que a discussão se prolongue pela tarde, mas que o texto seja entregue para votação em Plenário no mesmo dia.

“Eu acredito que bem antes das 16h encerramos as discussões na CCJ. Se nós começarmos às 10h, eu acredito que não há necessidade de mais de quatro horas de trabalho, até pelo número de senadores que podem falar, pelo tempo que vai ser dado, pelos destaques possíveis. Eu acredito que quatro horas é um prazo razoável”, afirmou a parlamentar.

A maioria das emendas rejeitadas eram de temas ligados a servidores públicos, mudanças em pensões, idade mínima, regras de transição, aposentadorias especiais, cálculo da aposentadoria, abono salarial e regras especiais para grupos específicos. Segundo o relator, nas emendas “não se identificaram novos temas em relação ao deliberado anteriormente na CCJ e em relação às conclusões de seu parecer anterior”.

Como o texto principal foi preservado quase em sua integralidade, Tasso Jereissati espera que a PEC da reforma da Previdência seja aprovada em Plenário ainda este mês.

“A expectativa para a votação é positiva, já que não há grandes mudanças em relação ao relatório que já foi aprovado na CCJ. Houve apenas algumas emendas de redação, com pequenas modificações. Ela deixa o texto original do jeito que veio da Câmara e tem uma emenda do senador Rodrigo Pacheco que vai para a PEC paralela”, indicou o relator.

A única mudança feita por Jereissati é a que altera a passagem no texto principal que trata da criação de alíquota especial para trabalhadores informais. Diferente da redação aprovada na Câmara, que permitia alíquota especial apenas para trabalhadores de baixa renda e domésticas de baixa renda, o trecho alterado pelo senador dava a entender que todos os trabalhadores informais teriam direito ao benefício.

Isso, na avaliação de técnicos legislativos, poderia ser interpretado como alteração no mérito, o que faria com que a PEC retornasse para análise dos deputados. Para acabar com a confusão e evitar qualquer atraso na tramitação, Tasso Jereissati mudou a redação e apontou que “trabalhadores de baixa renda, inclusive os que se encontram em situação de informalidade” podem ser enquadrados, deixando claro que apenas os trabalhadores informais de baixa renda se aplicam à regra.

PEC paralela

A solução encontrada por senadores para aperfeiçoar o texto da PEC 6/19, sem que o texto voltasse à Câmara, foi criar uma proposta alternativa. O principal ponto defendido pelos parlamentares é a inclusão de estados e municípios, que inicialmente teriam que aprovar regras próprias para promover mudanças em seus sistemas previdenciários. Outro tema que foi incorporado à PEC paralela é a garantia de que a pensão por morte não seja inferior a um salário mínimo e que o percentual acrescido ao benefício, por dependentes menores de idade, suba para 20%.

O texto principal da reforma da Previdência precisa da aprovação de 49 votos dos 81 senadores em Plenário, em dois turnos de votação. O mesmo vale para a PEC paralela.

Copiar o texto
Educação
09/09/2019 16:05h

Além de Leandro Ribeiro Moreira, que subiu ao pódio, Eduardo Felipe Benvegnir e Lucas Lanzi receberam certificados de excelência

Baixar áudio

O paranaense Leandro Ribeiro Moreira conquistou a prata e foi um dos 13 medalhistas do Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões. O estudante de 23 anos, morador de Londrina, competiu na ocupação de Computação em Nuvem.

Formado em 2013 no curso de Técnico em Informática pelo SENAI, Moreira não teve uma trajetória só de alegrias na WorldSkills. Em 2017, não conseguiu se classificar para a edição que aconteceu em Abu Dhabi. A frustração, no entanto, virou motivação e trabalho em equipe.

Mesmo sem a sonhada vaga, o jovem paranaense começou a ajudar no treinamento dos competidores que disputariam o torneio naquele ano. Dois anos depois, a chance de participar da WorldSkills apareceu novamente e o estudante, dessa vez, passou pela seletiva e garantiu a vaga na categoria de Computação em Nuvem.
O esforço foi recompensado e lhe rendeu uma medalha de prata na edição de 2019, motivo de alegria para Leandro. “Foi algo incrível. Eu nunca tinha sentido algo assim na minha vida. Na hora que apareceu meu nome no telão, eu pensei em toda trajetória que segui até ali. Para mim é uma honra muito grande representar o SENAI e conseguir essa medalha”, contou ele.

Outros dois estudantes do Paraná foram premiados na WorldSkills 2019. Eduardo Felipe Benvegnir, de Cascavel, e Lucas Constancio Lanzi, de Curitiba, receberam certificados de excelência nas categorias de Tecnologia Automotiva e Redes de Cabeamento Estruturado, respectivamente. O reconhecimento é dado aos competidores que obtiveram nota acima da média na modalidade disputada.

O desempenho dos estudantes brasileiros repercutiu entre os parlamentares no Congresso Nacional. O senador Flavio Arns (REDE-PR) afirmou que o resultado alcançado pelos jovens demonstra que a formação técnica profissional é o caminho mais curto para inserção no mercado de trabalho.

“O ensino técnico é essencial, tem que ser valorizado e prestigiado no Brasil. É preciso articular o ensino médio com o ensino técnico, articular com a sociedade. Dessa forma, sem dúvida, vamos ajudar no desenvolvimento do Brasil”, pontuou.

Desempenho brasileiro

A delegação brasileira tem se estabelecido entre as equipes mais vitoriosas da WorldSkills. Foi a campeã na edição ocorrida em São Paulo, em 2015. Na edição de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em 2017, alcançou o segundo lugar. Em 2019, além das 13 medalhas, a delegação tupiniquim garantiu, ainda, 28 certificados de excelência, em 28 ocupações técnicas profissionais.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. O Brasil ficou em terceiro lugar na classificação geral. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, ficou em primeiro lugar. A Rússia, anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição.
 

Copiar o texto
Educação
09/09/2019 15:33h

No Congresso Nacional, parlamentar do RJ ressaltara que educação profissional é um ótimo instrumento para se alcançar cidadania e valorização

Baixar áudio

Das 13 medalhas conquistadas pelo Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões, uma de bronze foi adquirida pelo fluminense Ralph de Souza Crespo, de 21 anos. O jovem concorreu na categoria de soldagem – área do curso que concluiu em 2016, no SENAI de Campos Goytacazes.

Na seletiva da WorldSkills, Ralph disputou com estudantes de 10 estados e superou, inclusive, competidores do Rio Grande do Norte, estado invicto na categoria desde 2011.

O estudante conta que no dia da premiação da WorldSkills, em Kazan, na Rússia, não conteve a emoção ao se dar conta de que estava entre os três melhores competidores da categoria. Mas o medalhista reconheceu o esforço que fez para conquistar o êxito.

 “A cada dia de prova, a confiança aumentava. O resultado vem quando a gente consegue fazer uma boa prova e colocar em prática tudo que aprendemos no treinamento”, conta.

Repercussão no Congresso Nacional

A conquista das medalhas pelos estudantes brasileiros repercutiu entre os parlamentares no Congresso Nacional. A deputada federal Rosangela Gomes (Republicanos-RJ) destacou a importância que a educação profissional tem na formação dos jovens.

“O jovem precisa de oportunidade. A educação profissional é um ótimo instrumento para alcançarmos cidadania e valorização”, opina a parlamentar.

Desempenho brasileiro
A delegação brasileira tem se estabelecido entre as equipes mais vitoriosas da WorldSkills. Foi a campeã na edição ocorrida em São Paulo, em 2015. Na edição de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em 2017, alcançou o segundo lugar. Em 2019, além das 13 medalhas, a delegação tupiniquim garantiu, ainda, 28 certificados de excelência, em 28 ocupações técnicas profissionais.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. O Brasil ficou em terceiro lugar na classificação geral. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, na cidade de Xangai, ficou em primeiro lugar. A Rússia, anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição.
 

Copiar o texto
Política
09/09/2019 05:00h

No Congresso Nacional, parlamentares ressaltaram que educação profissional é o caminho mais rápido para inserção dos jovens no mercado de trabalho

Baixar áudio

Das 13 medalhas conquistadas pelo Brasil na WorldSkills 2019, competição conhecida como o mundial das profissões, três foram obtidas por estudantes da Bahia. Daniela Carneiro, de 22 anos, de Conceição do Coité, e os soteropolitanos Ítalo Gonçalves, de 20 anos, e Edmilson Silva Souza Neto, de 21 anos, levaram bronze no torneio.

A estudante competiu na WorldSkills pela primeira vez este ano e concluiu o curso técnico profissional de química, no SENAI de Feira de Santana. “Para mim, é uma felicidade imensa, porque é a primeira vez da minha modalidade. Estou feliz também por representar a Bahia. É só felicidade”, comemorou.

O também medalhista de bronze Ítalo Carlos Costa Gonçalves, de 20 anos, estudava eletrotécnica no SENAI CIMATEC em Salvador, quando despertou interesse em participar do mundial de profissões. Ele focou no objetivo de estar entre os melhores do país, venceu as seletivas locais, estaduais e nacionais, e se tornou o primeiro estudante da Bahia a ser selecionado para a WordSkills. Ítalo conquistou a medalha de bronze em mecatrônica, modalidade que é disputada em dupla. “Você tem que estar bem comunicado com o seu parceiro, sabendo o que cada um está fazendo - ainda mais em mecatrônica porque uma atividade depende da outra. A gente tem que estar bem sincronizado”, ressaltou.

Ítalo teve ao seu lado o estudante do SESI Edmilson Silva Souza Neto, que é filho de um técnico em eletrônica. O jovem conta que passou a infância montando e desmontando peças, placas e componentes eletrônicos, quando se apaixonou pela mecatrônica. “A área do meu pai é muito boa, mas não envolvia programação, que é a minha paixão”, disse o medalhista.

Repercussão no Congresso Nacional

A conquista das medalhas pelos estudantes brasileiros repercutiu entre os parlamentares no Congresso Nacional. O senador Angelo Coronel (PSD-BA) afirmou que o desempenho dos jovens demonstra que a formação técnica profissional é o caminho mais curto para inserção no mercado de trabalho. 

“O ensino técnico profissional é a solução para o Brasil, porque o jovem fica menos tempo em um banco de escola e, com isso, pode galgar cargos na indústria. Eu louvo muito o Sistema S por promover cursos profissionais”, opinou.

A deputada federal Alice Portugal (PCdoB-BA) revelou que a delegação brasileira deverá ser homenageada na Câmara dos Deputados pelo feito. A parlamentar destacou ainda o papel de instituições como SESI e SENAI na formação técnica dos jovens estudantes.

“Nós temos um êxito do Sistema S na formação técnica para jovens estudantes e trabalhadores. Essa atitude gera técnicos capacitados para atuarem no mercado de trabalho. Isso acarretou, inclusive, nessa premiação”, afirmou a deputada.

Na avaliação do deputado federal Daniel Almeida (PCdoB-BA), os cursos técnicos profissionais têm capacidade de mudar a realidade dos jovens brasileiros e de suas famílias. Para o congressista, Daniela, Ítalo e Edmilson devem ser vistos como inspiração para outros estudantes.

Quando um jovem se destaca, se torna orgulho para a família e para toda a comunidade. A formação técnica é essencial para qualquer economia, para qualificar mão de obra”, considerou.

Desempenho brasileiro

A delegação brasileira tem se estabelecido entre as equipes mais vitoriosas da WorldSkills. Foi a campeã na edição ocorrida em São Paulo, em 2015. Na edição de Abu Dhabi, nos Emirados Árabes Unidos, em 2017, alcançou o segundo lugar. Em 2019, além das 13 medalhas, a delegação tupiniquim garantiu, ainda, 28 certificados de excelência, em 28 ocupações técnicas profissionais.

Na edição deste ano, 1.354 jovens de 63 países participaram do torneio. O Brasil ficou em terceiro lugar na classificação geral. A China, que sediará a próxima WorldSkills, em 2021, na cidade de Xangai, ficou em primeiro lugar. A Rússia, anfitriã do torneio, conquistou a segunda posição.
 

Copiar o texto
Política
09/09/2019 04:00h

Previdência vai para plenário do Senado, na terça-feira; licenciamento ambiental vai ser discutido nesta segunda-feira (9), na Câmara dos Deputados.

Baixar áudio

Semana de discussões de pautas importantes no Congresso Nacional. Na Câmara dos Deputados, será discutido nesta segunda-feira (9), em comissão geral, a partir das 15 horas, "o licenciamento ambiental e a utilização de agroquímicos".

O assunto é analisado por um grupo de trabalho na Câmara, que consolidou as propostas de lei geral para o setor. Para o coordenador do colegiado, deputado Kim Kataguiri (DEM-SP), o consenso para o tema deverá surgir do equilíbrio entre proteção ambiental e desenvolvimento econômico. 

Foram convidados para a comissão geral, pesquisadores da área; representantes do setor produtivo e de ONGs; secretários estaduais e municipais de meio ambiente; e representantes de órgãos do setor, como Ibama e ministérios do Meio Ambiente; Infraestrutura; e Turismo.

Já no Plenário do Senado, começa a ser analisado nesta terça-feira (10) a reforma da Previdência Social. As duas propostas de emendas à Constituição (PECs) que tratam do tema terão a primeira sessão de discussão. A PEC principal pode ser votada ainda durante a semana.

Uma série de mudanças propostas pelos senadores foram compiladas em um segundo texto (PEC 133/2019), a chamada “PEC paralela”. Entre os seus dispositivos estão a inclusão de estados e municípios, a previsão de novas receitas para a Previdência e, ainda, uma revisão das intervenções da PEC original sobre benefícios assistenciais.

Ambas as PECs estão prontas para serem votadas em primeiro turno. Antes da sessão deliberativa, o Plenário terá uma sessão especial para discutir a reforma, com a presença de economistas, acadêmicos e do secretário especial de Trabalho e Previdência do Ministério da Economia, Rogério Marinho.
 

Copiar o texto
Economia
09/09/2019 04:00h

Jogador está atrás somente de Cristiano Ronaldo (2°) e Lionel Messi (1°)

Baixar áudio

Nem os escândalos e problemas profissionais têm atrapalhado a vida financeira de Neymar Jr. Aos 27 anos, o jogador está na terceira posição no ranking geral da Forbes dos Atletas Mais Bem Pagos do Mundo em 2019.
 
Com salário/bônus estimado em US$ 75 milhões e patrocínio de US$ 30 milhões (total de US$105 milhões), Neymar está atrás somente de Cristiano Ronaldo, na segunda posição (US$ 109 milhões), e Lionel Messi, na primeira (US$ 127 milhões).

Em 2018, o atacante já ocupava o terceiro lugar na modalidade futebol e quinto no ranking geral, com o lutador de artes marciais Conor McGregor e o boxeador norte-americano Floyd Mayweather à frente. Os ganhos do jogador em 2018 foram de US$ 71 milhões em salários/bônus e US$ 19 milhões em patrocínios, total de US$ 90 milhões.

O jogador foi contratado pelo Paris Saint-Germain até 2022 com um salário de US$ 350 milhões. A ida do ex-atacante do Barcelona para o time francês em 2017 custou ao PSG US$ 263 milhões e ainda é considerada a transferência mais cara do mundo.

 

Copiar o texto

Acesse nossos conteúdos de rádio