Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

ASSISTÊNCIA: Ministério da Saúde comemora avanços na saúde indígena

Atualmente, todos os 34 DSEIs, Distritos Sanitários Especiais Indígenas possuem equipes de saúde completas com médicos, dentistas, psicólogos, entre outros profissionais. Além de 354 Polos Base de Saúde, 68 Casas de Saúde Indígena e 751 Postos de Saúde

Salvar imagem

Tempo de áudio – 03'54''

REPÓRTER: No Dia Internacional dos Povos Indígenas, lembrado em 10 de dezembro, o Ministério da Saúde comemora avanços na atenção à saúde dessa população no Brasil. Atualmente, todos os 34 DSEIs, Distritos Sanitários Especiais Indígenas possuem equipes de saúde completas com médicos, dentistas, psicólogos, entre outros profissionais. Além de 354 Polos Base de Saúde, 68 Casas de Saúde Indígena e 751 Postos de Saúde. Existe uma estrutura de apoio a pacientes que precisam ser encaminhados para hospitais nas cidades, conforme explica o secretário especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Antônio Alves:

SONORA: secretário especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde – Antônio Alves

"E lá temos uma estrutura que chamamos de Casai que presta cuidados de enfermagem durante 24 horas para aquele que está doente e, geralmente, para o seu acompanhante. Nossas equipes, então, faz o agendamento desse paciente no SUS e o leva até esse atendimento. Quando é um caso de urgência e emergência, levamos pra cidade diretamente para um serviço de pronto-socorro. Após a sua alta do Sistema Único de Saúde, ele vai pra Casai, depois ele é levado de volta para a aldeia."

REPÓRTER: Por meio da Sesai, Secretaria Especial de Saúde Indígena, o Ministério da Saúde está fazendo obras de implantação e melhorias de abastecimento de água em 457 aldeias, e construção de banheiros em 113 aldeias. De acordo com o secretário especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde, Antônio Alves, algumas dessas ações são realizadas em acordo com as comunidades indígenas:

SONORA: secretário especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde – Antônio Alves

"Fornecimento de água para essas comunidades fazemos por meio de captação em fontes naturais como igarapés ou, então, em algum local, fazendo captação profunda no solo, por meio de poços artesianos e fazemos também educação ambiental do ponto de vista de buscar assegurar que essas comunidades possam ter a destinação adequada do lixo. E aí, muitas vezes, nós construímos a chamada melhoria sanitária domiciliar, construindo banheiros, quando essas comunidades assim permitem."   

REPÓRTER: Com o objetivo de dar mais agilidade aos processos administrativos e às contratações de profissionais para a saúde indígena, o Ministério da Saúde, está propondo a criação do Instituto Nacional de Saúde Indígena. A ideia é que toda a ação executiva, como contratação de pessoal e aquisição de material, passe a ser feita no âmbito desse Instituto. O indígena José Levino, do DISEI Interior Sul, fala da importância desse novo órgão para a melhoria da atenção à saúde da população indígena:

SONORA: indígena do DSEI Interior Sul – José Levino

"Para nós é de suma importância essa criação do Instituto porque ele nos garante os nossos profissionais que atuam dentro da saúde indígena. Não só a garantida dos profissionais, mas também a garantia das ações porque a própria Sesai, junto com os distritos, qualquer projeto, qualquer execução de ações leva oito meses, até um ano para as ações chegarem lá nas bases; e com o Instituto, não, isso pode levar um mês, dois meses, mas vai ser atendido, conforme as necessidades."

REPÓRTER: Atualmente, 14 mil trabalhadores atuam nos Distritos Sanitários Especiais Indígenas. Além das equipes de saúde, as comunidades indígenas contam com engenheiros, geólogos, arquitetos e agentes indígenas de saneamento. Para saber mais sobre as ações de saúde indígena, acesse: www.saude.gov.br/sesai

Reportagem, Ana Cláudia Amorim  

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.