Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Ministério da Saúde

Arapiraca (AL) intensifica combate ao Aedes aegypti

Tudo para evitar a repetição do cenário de 2019, quando foram registradas 7 mil notificações de dengue na cidade.

Salvar imagemTexto para rádio

A prefeitura de Arapiraca intensificou o combate ao mosquito transmissor da dengue, Zika e chikungunya. Tudo para evitar a repetição do cenário de 2019, quando foram registradas 7 mil notificações de dengue na cidade. Agentes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), e da Coordenação de Endemias, Departamento de Promoção da Saúde vão realizar, a partir de março, mutirões para eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti em casas, imóveis e terrenos. 

Nesta primeira quinzena de março, a ação percorrerá as comunidades de Mangabeiras, Senador Arnon de Mello, Cacimbas, Olho D’água dos Cazuzinhas, Brisa do Lago, Primavera e João Paulo II.

No restante do mês, os agentes de endemias farão vistorias em Manoel Teles, Zélia Barbosa, Jardim das Paineiras, Nilo Coelho, Cavaco, Baixão, Planalto, Quati, Baixa Grande, Jardim Esperança, Bom Sucesso, Residencial Nossa Senhora Aparecida, Residencial Agreste, Senador Teotônio Vilela, Caititus, Brasiliana, Jardim de Maria e Santa Edwiges.

Os bairros Baixão, Cacimba, Itapuã, Jardim de Maria, Olho D’Água dos Cazuzinhos e Primavera mais são que mais preocupam por causa dos altos índices de infestação do mosquito.

A técnica responsável pelas arboviroses do município, Sôilymar de Oliveira Santana, explica, nestas localidades, o armazenamento incorreto de água contribui para a proliferação do Aedes.

“Mais de 80% dos focos estão dentro das residências, em locais onde as pessoas armazenam água para consumo humano. Tem ciclos de trabalho que chegam a quase 90%, que são nos depósitos que estão a nível do solo.”

Marileide Santana, de 54 anos, moradora do bairro Alto Cruzeiro, teve chikungunya, em abril do ano passado, e relata que ficou debilitada. Ela ainda sofre com as consequências da doença.

“Até hoje, continuo com sequelas dessa enfermidade. Não movimento bem as mãos e, às vezes, tenho algumas inflamações nas articulações. Tenham muito cuidado com os depósitos de água. A prevenção não depende só do governo, mas de todos nós.”

Para trabalhar no combate ao Aedes, a Secretaria de saúde conta com 146 agentes de endemias que trabalham diariamente em ações educativas e de controles aos focos do mosquito. Só no ano passado, eles fizeram mais de 548 mil visitas. Em 2020, esperar realizar, no mínimo, essa quantidade novamente.

Se você deseja solicitar visita de agentes ou fazer alguma denúncia, entre em contato com a Ouvidoria Municipal pelo Ouvidoria 0800 282 3331 e pelo (82) 3521 1064.

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes. 

Arte: Ítalo Novais/Sabrine Cruz

Continue Lendo

Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC: A prefeitura de Arapiraca intensificou o combate ao mosquito transmissor da dengue, zika e chikungunya. Tudo para evitar a repetição do cenário de 2019, quando foram registradas 7 mil notificações de dengue na cidade. Agentes do Centro de Controle de Zoonoses (CCZ), e da Coordenação de Endemias, Departamento de Promoção da Saúde vão realizar, a partir de março, mutirões para eliminar criadouros do mosquito Aedes aegypti em casas, imóveis e terrenos.

Nesta primeira quinzena de março, a ação percorrerá as comunidades de Mangabeiras, Senador Arnon de Mello, Cacimbas, Olho D’água dos Cazuzinhas, Brisa do Lago, Primavera e João Paulo II. 

No restante do mês, os agentes de endemias farão vistorias em Manoel Teles, Zélia Barbosa, Jardim das Paineiras, Nilo Coelho, Cavaco, Baixão, Planalto, Quati, Baixa Grande, Jardim Esperança, Bom Sucesso, Residencial Nossa Senhora Aparecida, Residencial Agreste, Senador Teotônio Vilela, Caititus, Brasiliana, Jardim de Maria e Santa Edwiges.

Os bairros Baixão, Cacimba, Itapuã, Jardim de Maria, Olho D’Água dos Cazuzinhos e Primavera mais são que mais preocupam por causa dos altos índices de infestação do mosquito.

A técnica responsável pelas arboviroses do município, Sôilymar de Oliveira Santana, explica, nestas localidades, o armazenamento incorreto de água contribui para a proliferação do Aedes.

“Mais de 80% dos focos estão dentro das residências, em locais onde as pessoas armazenam água para consumo humano. Tem ciclos de trabalho que chegam a quase 90%, que são nos depósitos que estão a nível do solo.”

LOC.:  Marileide Santana, de 54 anos, moradora do bairro Alto Cruzeiro, teve chikungunya, em abril do ano passado, e relata que ficou debilitada. Ela ainda sofre com as consequências da doença.

“Até hoje, continuo com sequelas dessa enfermidade. Não movimento bem as mãos e, às vezes, tenho algumas inflamações nas articulações. Tenham muito cuidado com os depósitos de água. A prevenção não depende só do governo, mas de todos nós.” 

LOC: Para trabalhar no combate ao Aedes, a Secretaria de saúde conta com 146 agentes de endemias que trabalham diariamente em ações educativas e de controles aos focos do mosquito. Só no ano passado, eles fizeram mais de 548 mil visitas. Em 2020, esperar realizar, no mínimo, essa quantidade novamente.

Se você deseja solicitar visita de agentes ou fazer alguma denúncia, entre em contato com a Ouvidoria Municipal pelo Ouvidoria 0800 282 3331 e pelo (82) 3521 1064.

E você? Já combateu o mosquito hoje? A mudança começa dentro de casa. Proteja a sua família. Para mais informações, acesse saude.gov.br/combateaedes.