Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

MINUTO DA SAÚDE: Paciente com cancro mole e sem tratamento tem 18 vezes mais chance de contrair o HIV

O risco de contágio por cancro mole em uma relação sexual sem preservativo com uma pessoa infectada é próximo de 80%.

Salvar imagemTexto para rádio

O cancro mole, uma Infecção Sexualmente Transmissível curável, é perigoso se permanecer sem tratamento. Além das dores agudas e a presença intensa de pus e secreções que intensificam a infecção da região afetada, uma pessoa com a doença e não tratada tem 18 vezes mais chance de contrair HIV, segundo o Ministério da Saúde. Isso porque o HIV é transmitido por vias sanguíneas. Por consequência, as feridas provocadas pelo cancro mole se tornam uma porta de entrada para o vírus.
Após infectar seu hospedeiro, a bactéria do cancro mole inicia uma fase de incubação e não manifesta sintomas que identifiquem o contágio. Essa fase pode durar de 3 a 14 dias antes que apareça algum sinal. Durante a fase inicial, a pessoa infectada passa a ser um novo transmissor da doença. A fase contagiosa pode se estender por semanas ou meses, enquanto durarem as lesões e sem que haja tratamento. A coordenadora-geral de Vigilância de ISTs do Ministério da Saúde, Angélica Espinosa, explica os sintomas da doença.

“É uma doença que causa várias lesões na região genital. São lesões que têm grande quantidade de pus e extremamente dolorosas. É uma lesão que maltrata quem foi infectado. frequência dela no Brasil, hoje, está muito baixa. Tem alguns bolsões específicos no nordeste e no norte. Em alguns lugares a gente já nem encontra mais o cancro mole”.

Pessoas que vivem em locais sem tratamento de água e esgoto ou que não fazem higiene pessoal com frequência são os hospedeiros originais da bactéria e a transmitem aos seus parceiros através do sexo vaginal, anal ou oral sem camisinha. O risco de contágio por cancro mole em uma relação sexual sem preservativo com uma pessoa infectada é próximo de 80%.
Caso suspeite que tenha sido contaminado, procure o serviço de saúde para obter o diagnóstico. Em caso de confirmação da infecção, faça o tratamento completo. Tanto os testes quanto os antibióticos utilizados para tratar o cancro mole são ofertados gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS.
Sem camisinha, você assume o risco. Use camisinha e se proteja do cancro mole e de outras ISTs, como HIV e hepatites. Para mais informações, acesse: saúde.gov.br/ist.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: O cancro mole, uma Infecção Sexualmente Transmissível curável, é perigoso se permanecer sem tratamento. Além das dores agudas e a presença intensa de pus e secreções que intensificam a infecção da região afetada, uma pessoa com a doença e não tratada tem 18 vezes mais chance de contrair HIV, segundo o Ministério da Saúde. Isso porque o HIV é transmitido por vias sanguíneas. Por consequência, as feridas provocadas pelo cancro mole se tornam uma porta de entrada para o vírus.
Após infectar seu hospedeiro, a bactéria do cancro mole inicia uma fase de incubação e não manifesta sintomas que identifiquem o contágio. Essa fase pode durar de 3 a 14 dias antes que apareça algum sinal. Durante a fase inicial, a pessoa infectada passa a ser um novo transmissor da doença. A fase contagiosa pode se estender por semanas ou meses, enquanto durarem as lesões e sem que haja tratamento. A coordenadora-geral de Vigilância de ISTs do Ministério da Saúde, Angélica Espinosa, explica os sintomas da doença.

TEC./SONORA: Angélica Espinosa, coordenadora-geral de Vigilância de ISTs do Ministério da Saúde.

“É uma doença que causa várias lesões na região genital. São lesões que têm grande quantidade de pus e extremamente dolorosas. É uma lesão que maltrata quem foi infectado. frequência dela no Brasil, hoje, está muito baixa. Tem alguns bolsões específicos no nordeste e no norte. Em alguns lugares a gente já nem encontra mais o cancro mole”.

LOC.: Pessoas que vivem em locais sem tratamento de água e esgoto ou que não fazem higiene pessoal com frequência são os hospedeiros originais da bactéria e a transmitem aos seus parceiros através do sexo vaginal, anal ou oral sem camisinha. O risco de contágio por cancro mole em uma relação sexual sem preservativo com uma pessoa infectada é próximo de 80%.
Caso suspeite que tenha sido contaminado, procure o serviço de saúde para obter o diagnóstico. Em caso de confirmação da infecção, faça o tratamento completo. Tanto os testes quanto os antibióticos utilizados para tratar o cancro mole são ofertados gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde, o SUS.
Sem camisinha, você assume o risco. Use camisinha e se proteja do cancro mole e de outras ISTs, como HIV e hepatites. Para mais informações, acesse: saúde.gov.br/ist.