Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Foto: Divulgação

Comum entre homens e mulheres, tricomoníase é uma infecção sexualmente transmissível que é silenciosa e letal

Salvar imagemTexto para rádio

A tricomoníase é uma Infecção Sexualmente Transmissível causada por um protozoário. É detectada com mais frequência na genitália feminina e causa corrimento amarelado, amarelo-esverdeado ou acinzentado, além de mau cheiro. O problema é que a pessoa infectada pode não apresentar sintomas.

Quando ocorre no homem, pode ser transmitido às parceiras involuntariamente. Segundo Antônio Pereira-Neves, biólogo e pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz, embora a infecção seja comum e curável, a tricomoníase pode causar sérios danos em longo prazo.

“Tem vários agravamentos. Um deles, que é um dos mais conhecidos, é o câncer cervical. A doença pode provocar, aumentar as chances de câncer cervical, câncer de colo de útero e, nos homens, foi descoberto agora, recentemente, a partir de 2017, de que a trichomonas também pode provocar câncer de próstata muito agressivo.  E, além disso, a doença também está associada ao aumento do risco de contaminação pelo vírus HIV. Aumenta em torno de 3 a 6 vezes a chance de contaminação por este vírus e de outras doenças infecções sexualmente transmissíveis, como a sífilis.”

Em gestantes, a tricomoníase pode levar ao parto prematuro e as crianças podem nascer com algumas deficiências cognitivas. Tanto no homem quanto na mulher, há risco de a infecção causar infertilidade temporária ou até mesmo permanente. Pereira-Neves alerta sobre o caráter assintomático da IST e que, por isso, não costuma entrar no rol dos exames.

“As pessoas não apresentam nenhuma manifestação clínica, nem as mulheres. Os homens praticamente todos são assintomáticos e as mulheres, cerca de 70%, não têm nenhuma manifestação clínica. E aí que mora o perigo porque o fato de não ter a manifestação clínica, não significa que o parasito está quieto, Ele está lá no aparelho urogenital, continuando a destruir o epitélio e a provocar, a longo prazo, esses efeitos mais graves.”

O melhor método de se prevenir é usar preservativo nas relações sexuais. Sem camisinha, você assume esse risco. Use camisinha e se proteja da tricomoníase e de outras ISTs, como HIV e hepatites. Para mais informações, acesse saude.gov.br/ist. 

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: A tricomoníase é uma Infecção Sexualmente Transmissível causada por um protozoário. É detectada com mais frequência na genitália feminina e causa corrimento amarelado, amarelo-esverdeado ou acinzentado, além de mau cheiro. O problema é que a pessoa infectada pode não apresentar sintomas.

Quando ocorre no homem, pode ser transmitido às parceiras involuntariamente. Segundo Antônio Pereira-Neves, biólogo e pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz, embora a infecção seja comum e curável, a tricomoníase pode causar sérios danos em longo prazo.

TEC./SONORA: Antônio Pereira-Neves, biólogo e pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz

“Tem vários agravamentos. Um deles, que é um dos mais conhecidos, é o câncer cervical. A doença pode provocar, aumentar as chances de câncer cervical, câncer de colo de útero e, nos homens, foi descoberto agora, recentemente, a partir de 2017, de que a trichomonas também pode provocar câncer de próstata muito agressivo.  E, além disso, a doença também está associada ao aumento do risco de contaminação pelo vírus HIV. Aumenta em torno de 3 a 6 vezes a chance de contaminação por este vírus e de outras doenças infecções sexualmente transmissíveis, como a sífilis.”

LOC.: Em gestantes, a tricomoníase pode levar ao parto prematuro e as crianças podem nascer com algumas deficiências cognitivas. Tanto no homem quanto na mulher, há risco de a infecção causar infertilidade temporária ou até mesmo permanente. Pereira-Neves alerta sobre o caráter assintomático da IST e que, por isso, não costuma entrar no rol dos exames.

TEC./SONORA: Antônio Pereira-Neves, biólogo e pesquisador em Saúde Pública da Fiocruz

“As pessoas não apresentam nenhuma manifestação clínica, nem as mulheres. Os homens praticamente todos são assintomáticos e as mulheres, cerca de 70%, não têm nenhuma manifestação clínica. E aí que mora o perigo porque o fato de não ter a manifestação clínica, não significa que o parasito está quieto, Ele está lá no aparelho urogenital, continuando a destruir o epitélio e a provocar, a longo prazo, esses efeitos mais graves.”

LOC.: O melhor método de se prevenir é usar preservativo nas relações sexuais. Sem camisinha, você assume esse risco. Use camisinha e se proteja da tricomoníase e de outras ISTs, como HIV e hepatites. Para mais informações, acesse saude.gov.br/ist. Ministério da Saúde, Governo Federal. Pátria Amada Brasil.