Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Ministério da Saúde

Cerca de 80% dos brasileiros são infectados com vírus Herpes Simples

Salvar imagemTexto para rádio

Presente em praticamente todas as partes do mundo, o herpes é uma doença que afeta cerca de 80% da população brasileira, de acordo com dados do Ministério da Saúde, divulgados em fevereiro de 2019. A enfermidade pode ser causada por dois tipos de vírus que nunca saem do corpo. Eles ficam em estado latente e podem ser reativados em estágios diferentes da vida.

Os vírus, classificados como Tipo 1 e Tipo 2, só são transmissíveis quando se tornam ativos e criam bolhas avermelhadas na pele das regiões orais e genitais. Essas bolhas contêm uma mucosa carregada com a infecção. Caso estourem, criam úlceras altamente contagiosas, que podem ser transmitidas pelo contato.

O herpes pode ser passado por beijos, conversas próximas, relações sexuais e até pelo parto. A coordenadora-geral de Vigilância das Infecções Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde, Angélica Espinosa, dá mais detalhes sobre o comportamento de quem tem a infecção.

“Normalmente, quando a pessoa tem herpes, deve procurar um serviço de saúde. A doença causa lesões bem dolorosas que criam bolhas. Quando as bolhas estouram, viram úlceras. Como são dolorosas, acaba exigindo que a pessoa procure urologistas, ginecologistas ou dermatologistas. Trata-se, no fim das contas, de um vírus bem frequente.” 

LOC.: Antes do aparecimento das bolhas, podem surgir sintomas como formigamento, ardor, coceira, febre e mal estar. No entanto, o herpes some espontaneamente em aproximadamente cinco dias. O vírus em estado latente pode ser ativado por fatores como estresse, cansaço, esforço excessivo, febre, exposição ao sol, traumatismo, uso de antibióticos e menstruação.

A recomendação do Ministério da Saúde é manter uma boa higiene, não furar as bolhas, não ter contato direto delas com outras pessoas e não aplicar pomadas sem recomendação profissional.

ISTs como herpes podem ser evitadas com o uso do preservativo. Sem camisinha, você assume o risco. Use camisinha e proteja-se dessas infecções e de outras, como HIV e Hepatites. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/ist.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Presente em praticamente todas as partes do mundo, o herpes é uma doença que afeta cerca de 80% da população brasileira, de acordo com dados do Ministério da Saúde, divulgados em fevereiro de 2019. A enfermidade pode ser causada por dois tipos de vírus que nunca saem do corpo. Eles ficam em estado latente e podem ser reativados em estágios diferentes da vida.

Os vírus, classificados como Tipo 1 e Tipo 2, só são transmissíveis quando se tornam ativos e criam bolhas avermelhadas na pele das regiões orais e genitais. Essas bolhas contêm uma mucosa carregada com a infecção. Caso estourem, criam úlceras altamente contagiosas, que podem ser transmitidas pelo contato.

O herpes pode ser passado por beijos, conversas próximas, relações sexuais e até pelo parto. A coordenadora-geral de Vigilância das Infecções Sexualmente Transmissíveis do Ministério da Saúde, Angélica Espinosa, dá mais detalhes sobre o comportamento de quem tem a infecção.
 

TEC./SONORA: Angélica Espinosa, coordenadora-geral de Vigilância das Infecções Sexualmente Transmissíveis

“Normalmente, quando a pessoa tem herpes, deve procurar um serviço de saúde. A doença causa lesões bem dolorosas que criam bolhas. Quando as bolhas estouram, viram úlceras. Como são dolorosas, acaba exigindo que a pessoa procure urologistas, ginecologistas ou dermatologistas. Trata-se, no fim das contas, de um vírus bem frequente.” 
 

LOC.: Antes do aparecimento das bolhas, podem surgir sintomas como formigamento, ardor, coceira, febre e mal-estar. No entanto, o herpes some espontaneamente em aproximadamente cinco dias. O vírus em estado latente pode ser ativado por fatores como estresse, cansaço, esforço excessivo, febre, exposição ao sol, traumatismo, uso de antibióticos e menstruação.

A recomendação do Ministério da Saúde é manter uma boa higiene, não furar as bolhas, não ter contato direto delas com outras pessoas e não aplicar pomadas sem recomendação profissional.

ISTs como herpes podem ser evitadas com o uso do preservativo. Sem camisinha, você assume o risco. Use camisinha e proteja-se dessas infecções e de outras, como HIV e Hepatites. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/ist.