Cadastro de mídia

TERMO DE USO E PARCERIA

TERMO DE USO E PARCERIA

Regras de Uso

1º - A utilização gratuita e livre dos materiais produzidos pelo Brasil 61 só será permitida depois que este termo de parceria for aceito pelo usuário, prevendo as seguintes regras:

a) A utilização do material - na íntegra, ou em partes - só será permitida desde que as informações não sejam distorcidas, manipuladas ou alteradas.

b) Não é necessário a identificação do Brasil 61 na hora da replicação do conteúdo. Mas toda e qualquer veiculação de áudios produzidos pelo Brasil 61 prevê o cadastro no site, com a disponibilização de dados que serão utilizados para a organização do mailing desta empresa,

2º - OBRIGAÇÕES DO BRASIL 61

a) O Brasil 61 se compromete, a partir deste termo de uso, a produzir conteúdo particularizado diariamente, trazendo informações de dia-a-dia e bastidores do Planalto Central, além de outras temáticas de relevância do noticiário nacional. 

b) O acesso ao conteúdo jornalístico (na versão de leitura) é livre e gratuito, podendo ser replicado por qualquer usuário que acesse o site. O download do áudio para que seja utilizado na programação das rádios requer que o radialista realize o login no site da Agência do Rádio - informando e-mail e senha cadastrados. 

3º - OBRIGAÇÕES DOS COMUNICADORES PARCEIROS

Não alterar o sentido dos materiais, ou distorcer fala de entrevistados ou mudar a conotação das mensagens dos materiais. 

ADENDOS IMPORTANTES SOBRE A PARCERIA

a) O Brasil 61 poderá distribuir conteúdo patrocinado com ou sem assinatura dos clientes patrocinadores do boletim e sem aviso prévio ao comunicador. 

b) As rádios parceiras não vão ter participação financeira sobre o faturamento do Brasil 61.

c) Os comunicadores podem patrocinar os conteúdos do Brasil 61, desde que não alterem o sentido e a conotação dos conteúdos oferecidos. Nesses casos, o Brasil 61 Mais não terá participação nos lucros conquistados pelos veículos parceiros. 

Ao clicar em ACEITO, a emissora aqui cadastrada afirma concordar e estar ciente de todas as condições apresentadas neste Termo de Utilização de Conteúdo.

Créditos: Ministério da Saúde

Metade dos jovens brasileiros entre 16 e 25 tem HPV

Salvar imagemTexto para rádio

Um estudo realizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, apontou que o HPV atinge mais da metade dos jovens brasileiros com idade entre 16 e 25 anos.  O estudo foi conduzido nas capitais brasileiras em 2018.

Mas, o que é HPV? Trata-se do Papillomavirus humano, vírus que afeta 11,7% da população global. O contágio, nesse caso, se torna mais fácil, porque a contaminação depende apenas do contato direto com a pele ou mucosa infectada.

A infecção é caracterizada pelo aparecimento de verrugas e lesões na região genital e deve ser tratada por infectologista, ginecologista ou urologista tão logo surjam os primeiros sinais. A principal forma de transmissão é pela via sexual, seja oral, genital ou manual, mesmo que não ocorra penetração.

Embora o HPV possa não manifestar sintomas, existem 13 tipos causadores de câncer, dentre eles, o câncer do colo do útero, o cervical, o de pênis e o de orofaringe.

Daniela Cardoso, chefe do setor DST/AIDS do Município de Salvador, destaca que os jovens têm se mostrado resistentes ao uso de preservativo durante as relações sexuais. Essa falta de cuidado, na avaliação dela, aumenta significativamente o risco de infecção.

“Nós estamos passando por uma situação muito delicada com relação às infecções sexualmente transmissíveis. Temos muita informação, insumos de prevenção disponíveis, mas ainda temos dificuldade de mudar o comportamento dos jovens para evitar o contágio de ISTs. Hoje, os jovens são muito ligados à internet, nas redes sociais, mas não buscam muitas informações sobre as práticas preventivas. Essa é uma dificuldade que nós estamos passando.”
 
Vanessa (que prefere não se identificar com o sobrenome), tem 27 anos de idade. Aos 22 anos veio o susto, ao perceber verrugas na região genital. Era HPV. Ela conta que já havia sentido coceiras e que, passados alguns dias, percebeu as lesões. Apesar do desespero, dois anos depois ficou curada e revela que não houve nenhum agravamento da infecção. 
 
“Ficou só nas verrugas mesmo e eu tive que fazer um procedimento para retirá-las, porque acabou enchendo muito.  Algumas tinham um tamanho considerável e eu tive que fazer uma incisão. Depois desse procedimento, eu tive que fazer algumas sessões com ácido para retirar as que surgiram posteriormente.”
 
Sem camisinha, você assume esse risco. Use camisinha e proteja-se dessas ISTs e de outras, como HIV e Hepatites. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/ist.

Fonte: Brasil 61

Continue Lendo





Receba nossos conteúdos em primeira mão.

LOC.: Um estudo realizado pelo Ministério da Saúde, em parceria com o Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, apontou que o HPV atinge mais da metade dos jovens brasileiros com idade entre 16 e 25 anos.  O estudo foi conduzido nas capitais brasileiras em 2018.

Mas, o que é HPV? Trata-se do Papillomavirus humano, vírus que afeta 11,7% da população global. O contágio, nesse caso, se torna mais fácil, porque a contaminação depende apenas do contato direto com a pele ou mucosa infectada.

A infecção é caracterizada pelo aparecimento de verrugas e lesões na região genital e deve ser tratada por infectologista, ginecologista ou urologista tão logo surjam os primeiros sinais.

A principal forma de transmissão é pela via sexual, seja oral, genital ou manual, mesmo que não ocorra penetração.

Embora o HPV possa não manifestar sintomas, existem 13 tipos causadores de câncer, dentre eles, o câncer do colo do útero, o cervical, o de pênis e o de orofaringe.

Daniela Cardoso, chefe do setor DST/AIDS do Município de Salvador, destaca que os jovens têm se mostrado resistentes ao uso de preservativo durante as relações sexuais. Essa falta de cuidado, na avaliação dela, aumenta significativamente o risco de infecção.
 

TEC.SONORA/SONORA: Daniela Cardoso, chefe do setor DST/AIDS do Município de Salvador

“Nós estamos passando por uma situação muito delicada com relação às infecções sexualmente transmissíveis. Temos muita informação, insumos de prevenção disponíveis, mas ainda temos dificuldade de mudar o comportamento dos jovens para evitar o contágio de ISTs. Hoje, os jovens são muito ligados à internet, nas redes sociais, mas não buscam muitas informações sobre as práticas preventivas. Essa é uma dificuldade que nós estamos passando.”

LOC.: Vanessa (que prefere não se identificar com o sobrenome), tem 27 anos de idade. Aos 22 anos veio o susto, ao perceber verrugas na região genital. Era HPV. Ela conta que já havia sentido coceiras e que, passados alguns dias, percebeu as lesões. Apesar do desespero, dois anos depois ficou curada e revela que não houve nenhum agravamento da infecção. 
 
 

TEC.SONORA: Vanessa (personagem preferiu não se identificar com o sobrenome)

“Ficou só nas verrugas mesmo e eu tive que fazer um procedimento para retirá-las, porque acabou enchendo muito.  Algumas tinham um tamanho considerável e eu tive que fazer uma incisão. Depois desse procedimento, eu tive que fazer algumas sessões com ácido para retirar as que surgiram posteriormente.”
 

LOC.: Sem camisinha, você assume esse risco. Use camisinha e proteja-se dessas ISTs e de outras, como HIV e Hepatites. Para mais informações, acesse: saude.gov.br/ist.